• ÚLTIMAS...

    O CORVO NO CINEMA / TV


    Pode-se dizer que o Corvo é uma tragédia. Da concepção da história à realização da obra prima lançada nos cinemas em 1994. Conheçam abaixo mais detalhes do filme, curiosidades, detalhes dos remakes, da série e do motivo pelo qual a graphic novel e o filme são marcados por tragédias...
    E mais importante: A G.N. foi lançada em uma edição especialíssima pela Darkside Books. Abaixo também tem o link para adquirirem...
    Boa leitura...

    Na noite antes de seu casamento, o músico Eric Draven e sua noiva são brutalmente assassinados por membros de uma gangue violenta do centro da cidade. No aniversário da sua morte, Eric sai de sua sepultura e assume o manto gótico do Corvo, um vingador sobrenatural, rastreando os bandidos responsáveis pelo crime que os assassinaram impiedosamente. Eric finalmente confronta o líder gangster Top Dollar para completar sua missão macabra.
    • O personagem Eric Draven foi oferecido aos atores River Phoenix e Christian Slater antes da contratação de Brandon Lee para o papel;
    • O ator Brandon Lee, protagonista do filme, faleceu durante as filmagens num trágico acidente. Uma das cenas rodadas exigia que uma arma fosse carregada, engatilhada e apontada para a câmera mas, por causa da curta distância, a munição carregada era de verdade mas sem pólvora. Após a realização desta cena, o assistente do armeiro (não o armeiro, que já havia deixado o set) limpou a arma para retirar as cápsulas, mas um dos projéteis ficou no cano. A cena seguinte envolvendo a mesma arma era a do estupro de Shelly, e ela foi carregada com balas de festim (com duas ou três vezes mais pólvora para fazer mais barulho). Lee entrou no set carregando uma sacola de supermercado contendo um saco de sangue explosivo. No roteiro constava que o vilão Funboy deveria atirar em Eric Draven quando ele entrasse na sala, estourando o saco de sangue. Assim, o projétil que estava preso no cano foi disparado, matando o ator em cena. Os negativos com a filmagem de sua morte foram destruídos e nunca foram revelados;
    • A personagem Shelly chegou a ser oferecida à atriz Cameron Diaz, que a recusou por não ter gostado do roteiro;
    • O diretor Alex Proyas queria que o cantor Iggy Pop fizesse parte do elenco de O Corvo e tinha até criado um personagem apenas para ele. Entretanto, problemas de agenda o impediram, mas ele apareceu na sequência de 1996;
    • Os personagens Top Dollar, Myca e Grange não são chamados por seus nomes durante o filme inteiro;
    • O poema que Eric Draven recita quando entra na loja de Gideon é "The Raven", de Edgar Allan Poe;
    • Na versão australiana de O Corvo todas as referência à palavra "fuck" foram retiradas do filme;
    • O orçamento foi de US$ 6 milhões e o filme arrecadou US$ 94 milhões nas bilheterias de todo o planeta;
    O filme conta a história de Ashe Corven (Vincent Perez) que reencarnou para vingar sua própria morte e de seu filho. Eles foram assassinados cruelmente por uma gangue ligada ao tráfico de drogas liderada pelo sádico e poderoso Judah Earl (Richard Brooks) após serem testemunhas de um assassinato. Ashe retorna exatamente no Dia dos Mortos, quando a Cidade de Los Angeles, mais conhecida como a Cidade dos Anjos, um lugar dominado pela violência e pelas drogas, está cheia de gente celebrando e rezando por seus entes queridos.

    Na série Eric Draven é um músico, um guitarrista da “Hangman´s Joke”, assinava como Macis Reyes em seu disco. Ele e sua noiva são assassinados e há exatamente um ano após sua morte, Eric retorna do mundo dos mortos, cheio de poderes regenerativos e força descomunal. Ele é guiado por um corvo e se lembra dos acontecimentos que acabaram por destruir sua vida e então começa a exterminar um por um até achar o cabeça da organização para a qual os assassinos trabalham.
    • A série foi apresentada nos Estados Unidos entre 25 de setembro de 1998 a 22 de maio de 1999, num total de 22 episódios, de aproximadamente 60 minutos cada e no Brasil através da Rede Globo e também pela televisão a cabo AXN.
    Alex Corvis (Eric Mabius) é executado no dia de seu aniversário de 21 anos. Ele havia sido condenado à morte por cadeira elétrica por ter sido julgado culpado pelo assassinato de sua namorada (Jody Lyn O´Keefe). A grande questão é que Alex era inocente. Porém, ele vai voltar do mundo dos mortos graças ao poder do Corvo. Reencarnado, Alex contará com a ajuda de Erin (Kirsten Dunst), irmã de sua namorada, para investigar o verdadeiro culpado pelo crime.
    • Rob Zombie foi originalmente escolhido para escrever, dirigir e supervisionar a trilha musical do filme, mas ele foi demitido por causa de diferenças criativas com os produtores. Sua canção "Living Dead Girl" foi usada para o filme.
    Neste filme, Jimmy Cuervo (Edward Furlong) é um jovem que é desprezado onde mora e planeja sair da cidade com a sua namorada. Entretanto, eles tem seus planos frustrados após serem mortos pelos Quatro Cavaleiros do Apocalipse, um grupo satânico liderado por Luc Crash (David Boreanaz) e Lola Byrne (Tara Reid). Possuído por uma incontrolável sede de vingança, Jimmy reencarna como "O Corvo" para enfrentar o grupo em um duelo em que somente um será vitorioso.
    • A atriz Alexa Havins estava programada para aparecer no filme, mas não foi capaz de filmar suas cenas devido a conflitos de agenda depois de entrar na novela diurna da ABC "All My Children".
    • Enquanto filmava uma cena que exigia um pôr do sol em uma praia de Utah, um grupo de estudantes do ensino médio quase atrasou as filmagens. Aparentemente, os estudantes estavam dirigindo na areia, e ficaram com a sua van presa na areia no meio da filmagem.
    • A frase parafraseada "você não ganha guerras morrendo por suas crenças, mas fazendo outros bastardos morrer por elas" foi dita pelo General Patton em "Patton (1970). 

    A Darkside Books lançou mais uma espetacular edição de luxo da aclamada graphic novel que inspirou a obra prima dirigida por Alex Proyas no cinema, em 1994. Concebida pela autor americano James O’ Barr,  ostenta o título da produção independente mais vendida da história, sendo mais de 750 mil exemplares já vendidos.  O'Barr primeiramente trabalhou em sua história de amor, morte e retribuição quando estava em Berlim, na Marinha, trabalhando no Exército ilustrando manuais de combate desarmado. 


    Tirou inspiração de diversas fontes, como os poetas franceses Georges Bataille, Antonin Artaud e Arthur Rimbaud, músicos como Iggy Pop, Ian Curtis e Robert Smith e os escritores Lewis Carroll, Edgar Allan Poe e A.A. Attanasio, James O'Barr concebeu o personagem de O Corvo como uma força sobrenatural direcionada por partes iguais de amor e vingança. O'Barr credita seu distinto estilo visual ao seu estudo de escultura renascentista clássica, filmes de crimes noir dos anos 40, assim como a dois anos de escola médica.

    Ela foi baseada em uma tragédia pessoal...

    Segundo ele,

    "...após alguém muito próxima de mim ser morta por um motorista bêbado, eu ingressei na Marinha. Eu apenas queria parar de pensar e ter alguma estrutura em minha vida. Mas eu ainda estava tão cheio de ódio e frustração que tinha que acabar com isso antes que me destruísse. Um dia eu apenas comecei a desenhar O Corvo e fluiu naturalmente. Meu personagem Eric retorna da tumba porque algumas coisas simplesmente não podem ser perdoadas e eu acredito que poderia haver um amor tão forte que transcenderia a morte, que a recusaria, e esta alma não descansaria até endireitar as coisas."

    Mas...

    "...escrever O Corvo definitivamente não ajudou em nada," ele diz. "Eu pensei que isso seria purificador, mas à medida que eu desenhava cada página, isso me fazia mais auto-destrutivo, se fizesse algo. Há pura raiva em cada página, pequenos assassinatos. Eu estava mais desordenado pelo tempo do que pelo livro. Havia um rumor circulando quando ocorreu um atraso entre a terceira e a quarta edições de que eu teria cometido suicídio. Eu estava aborrecido por aquilo, porque Deus havia mantido seu cotovelo em meu pescoço por todo esse tempo, sinto que posso me livrar disso. Eu não estou preparado para pôr um fim a essa frase ainda." ("Revivendo a Dor" por Lisa Susser, 13 de Maio, 1994").

    O autor sempre viu "O Corvo" como uma história fixa, nunca um personagem contínuo como as revistas de super-heróis. Com todas as pessoas que Eric mata, as quais perpetraram o crime contra ele e sua noiva, ele está apagando sua razão para existir."

    Uma trágica curiosidade é que o filme foi envolto de uma tragédia que ceifou a vida do protagonista (leia a matéria completa aqui!!!), o que torna a leitura ainda mais sombria.

    Uma das cenas rodadas para o filme requeria que uma arma fosse carregada, engatilhada e apontada para a câmera mas, por causa da curta distância do take, a munição carregada era de verdade mas sem pólvora. Após a realização desta cena, o assistente do armeiro limpou a arma para retirar as cápsulas, derrubando um dos projéteis no cano. A cena seguinte a ser filmada envolvendo aquela arma era o estupro de Shelly, sendo que a arma foi carregada com festim (que normalmente tem duas ou três vezes mais pólvora do que um projétil normal, para fazer um barulho alto). Lee entrou no set carregando uma sacola de supermercado contendo um saco de sangue explosivo. No roteiro constava que Funboy deveria atirar em Eric Draven quando ele entrasse na sala, estourando o saco de sangue. O projétil que estava preso no cano foi disparado em Lee através da sacola que ele carregava, matando-o.

    Leitura obrigatória.

    Informações Técnicas

    Título | O CORVO - Edição Definitiva
    Autor | James O’Barr
    Tradutor | Érico Assis
    Editora | DarkSide®
    Edição | 1a
    Idioma | Português
    Especificações | 272 páginas, Limited Edition (capa dura)
    Dimensões | 17,6 x 26,6 cm
    ISBN | 978-85-9454-118-5

    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top