• ÚLTIMAS...

    FRANCIS FORD COPPÓLA - 10 FILMES ESSENCIAIS


    Francis nasceu em 1939 em Detroit, EUA, mas foi criado no bairro de Queens em Nova York, naquela cidade, em 1955, ingressou na Hofstra University, onde cursou cinema. Mudou-se depois para Los Angeles, indo estudar na Universidade da Califórnia (Ucla). Nessa época, foi assistente do famoso director Roger Corman numa série de filmes de baixo orçamento. Em 1963, dirigiu sua primeira fita, "Dementia 13". No mesmo ano, casou-se com Eleanor Coppola, com quem teria quatro filhos. 

    Nos anos seguintes, colaborou em vários roteiros, inclusive na adaptação de um texto do dramaturgo Tenessee Williams. Em 1969, Coppola e George Lucas criaram a produtora independente American Zoetrope. Em 1970, o roteiro adaptado de Coppola para o filme "Patton" foi indicado ao Oscar. O primeiro filme realizado pela Zoetrope foi "THX 1138", produzido por Coppola e dirigido por Lucas, em 1971. No ano seguinte, Coppola dirigiu "Poderoso chefão", que lhe valeu uma indicação para o Oscar de melhor diretor. Em 1973, produziu outro filme de George Lucas, "American Graffiti", um grande sucesso, indicado para cinco Oscars. Em 1974, depois de ter escrito o roteiro para "O grande  Gatsby", dirigiu "A conversação", que ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes. No mesmo ano, estreou ""Poderoso chefão: Parte II", que conquistou seis Oscars.

    Em 1979, Coppola realizou seu projeto mais ambicioso: "Apocalypse Now", uma adaptação de "O Coração das Trevas" (o romance clássico de Joseph Conrad) ambientada na Guerra do Vietname. Com esse filme, conseguiu outra Palma de Ouro em Cannes. Além de roteirista e diretor, Coppola fez carreira como produtor executivo. A realização do filme foi marcada por inúmeros problemas, desde tufões , e abuso de drogas, até ao ataque de coração de Martin Shen e à aparência inchada de Marlon Brando, que Coppola tentou esconder, filmando-o na sombra. 


    O filme foi adiado tantas vezes, que chegou a ser alcunhado de "Apocalypse Whenever". Quando finalmente estreou, o filme foi amado e odiado pela crítica e os seus elevados custos quase levaram ao colapso da American Zoetrope, o estúdio recém criado de Coppola. No documentário de 1991, Hearts of Darkness: A Filmmaker's Apocalypse, dirigido pela esposa de Coppola, Eleanor Coppola, Fax Bahr e George Hickenlooper relatam as dificuldades que a equipe passou e mostra cenas dessas dificuldades filmadas por Eleanor.

    Apesar dos contratempos e problemas de saúde que Coppola sofreu durante a filmagem de Apocalypse, continuou com os seus projetos. Em 1981 apresentou a restauração do filme de 1927 Napoléon, editado nos Estados Unidos pela Zoetrope. No entanto, somente em 1982 é que Francis voltou à realização, com o filme One From The Heart, que foi um fracasso enorme, sendo, no entanto criado um certo culto à sua volta anos depois. Esse filme lhe deixou uma dívida de US$ 30 milhões. Isso, somado a falência de seu estúdio, o American Zoetrope, fez com que o diretor entrasse em um período conturbado, em que teve que aceitar dirigir e associar seu nome a diversos trabalhos encomendados, que normalmente não lhe despertariam interesse.

    Em 1986, Coppola e George Lucas dirigiram o filme Captain Eo, com Michael Jackson, para os parques temáticos da Disney, que até a altura tinha sido o filme mais caro por minuto já feito.
    Em 1990 completou a série do "Padrinho" com "Poderoso chefão III" que, apesar de não ter sido tão aclamado pela crítica como os anteriores, foi um grande sucesso de bilheteira.

    Recentemente Francis Coppola afirmou que O Senhor dos Anéis é uma obra magna e insuperável do cinema, o que causou grande controvérsia. E lógico, eu como adorador de Coppola e Senhor dos anéis, concordo totalmente.  Confiram agora seus...



    Em 1945, Don Corleone (Marlon Brando) é o chefe de uma mafiosa família italiana de Nova York. Ele costuma apadrinhar várias pessoas, realizando importantes favores para elas, em troca de favores futuros. Com a chegada das drogas, as famílias começam uma disputa pelo promissor mercado. Quando Corleone se recusa a facilitar a entrada dos narcóticos na cidade, não oferecendo ajuda política e policial, sua família começa a sofrer atentados para que mudem de posição. É nessa complicada época que Michael (Al Pacino), um herói de guerra nunca envolvido nos negócios da família, vê a necessidade de proteger o seu pai e tudo o que ele construiu ao longo dos anos.


    • Francis Ford Coppola e Mario Puzo, autores do roteiro do filme, evitaram a todo custo utilizar a palavra "máfia" nos diálogos dos personagens.
    • Um dos cotados para o papel de Don Vito Corleone foi Laurence Olivier.
    • Inicialmente, o papel de Michael Corleone foi oferecido a Warren Beatty, Jack Nicholson e Dustin Hoffman, mas todos o recusaram. O ator Al Pacino foi escolhido para o papel.
    • Robert De Niro fez testes para os papéis de Sonny e Michael Corleone, mas não conseguiu nenhum dos dois personagens.
    • Frank Sinatra também esteve cotado para fazer parte do elenco, no papel de Johnny.
    • Durante a cena em que Johnny (James Caan) e Carlo (Gianni Russo) brigam, Caan realmente quebrou algumas costelas de Russo.
    • A presença de laranjas nos três filmes da série O Poderoso Chefão sempre indicava que alguém ia morrer ou que iria ocorrer algum atentado.
    • Marlon Brando, que ganhou o Oscar por sua interpretação como Don Vito Corleone, se recusou a receber sua estatueta em protesto contra a discriminação feita pelo governo e por Hollywood aos índios americanos. Além de não comparecer cerimônia de premiação, Brando enviou em seu lugar uma atriz que se fez passar por uma índia americana.



    Início do século XX. Após a máfia local matar sua família, o jovem Vito (Robert De Niro) foge da sua cidade na Sicília e vai para a América. Já adulto em Little Italy, Vito luta para ganhar a vida (legal ou ilegalmente) e manter sua esposa e filhos. Ele mata Black Hand Fanucci (Gastone Moschin), que exigia dos comerciantes uma parte dos seus ganhos. Com a morte de Fanucci, o poderio de Vito cresce muito, mas sua família é o que mais importa para ele. Um legado de família que vai até os enormes negócios que nos anos 50 são controlados pelo caçula, Michael Corleone (Al Pacino). Agora baseado em Lago Tahoe, Michael planeja fazer incursões em Las Vegas e Havana instalando negócios ligados ao lazer, mas descobre que aliados como Hyman Roth (Lee Strasberg) estão tentando matá-lo. Crescentemente paranoico, Michael também descobre que sua ambição acabou com seu casamento com Kay (Diane Keaton) e até mesmo seu irmão Fredo (John Cazale) o traiu. Escapando de uma acusação federal, Michael concentra sua atenção para lidar com os seus inimigos.

    • Para se preparar para o papel, Robert De Niro viveu durante certo período na Sicília. Ele faz parte do grupo de atores que ganhou um Oscar falando a maior parte de seus diálogos numa língua diferente da inglesa (os demais foram Sophia Loren, Roberto Benigni e Marion Cotillard).
    • A língua falada pelos atores nas cenas de flashback não é italiano tradicional, trata-se de uma combinação de diferentes dialetos do sul da Itália.
    • As filmagens de O Poderoso Chefão 2 foram atrasadas por um mês, pois o ator Al Pacino pegou uma pneumonia enquanto gravava em Santo Domingo. 
    • Foi rodado em cerca de 104 dias.
    • Em O Poderoso Chefão 2 dezesseis personagens morrem.
    • Foi a 1ª sequência a ganhar o Oscar de Melhor Filme.
    • Marlon Brando e Robert De Niro foram os únicos atores que ganharam uma estatueta do Oscar pelo mesmo personagem. Brando ganhou o prêmio de Melhor Ator pelo personagem Vito Corleone em O Poderoso Chefão (1972) e De Niro ganhou o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante, pelo mesmo papel, em O Poderoso Chefão 2.
    • Robert De Niro não esteve presente na cerimônia do Oscar, o diretor Francis Ford Coppola aceitou o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante em nome do ator.



    O espião Harry Caul (Gene Hackman) é contratado pelo diretor de uma grande empresa (Robert Duvall) para vigiar e gravar a conversa de sua esposa com um amigo do trabalho, que supostamente seria seu amante. Conhecido por sua competência e profissionalismo, Harry começa a entrar em pânico quando percebe os efeitos de seu trabalho na vida das pessoas, principalmente após imaginar que sua investigação será responsável pela provável morte do casal de amantes.

    • De acordo com o ator Gene Hackman, A Conversação é um dos seus filmes prediletos.
    • O personagem de Gene Hackman, Harry Caul, originalmente se chamaria Harry Call. Porém, um erro de tipografia acabou fazendo com que seu nome fosse alterado.


    Em 1969, o capitão Benjamin Willard (Martin Sheen), segue uma jornada rumo a um universo paralelo e perturbador governado pelo coronel Walter Kurtz (Marlon Brando). Ligado às Forças Especiais do Exército, o capitão Willard é enviado para a selva com a missão ultra-secreta para encontrar e matar o descontrolado coronel Kurtz. Contaminado pelo clima denso da guerra, o coronel montou um exército próprio dentro das matas, opondo-se à guerrilha armada pelos norte-americanos. Conforme Willard e seus patrulheiros navegam pelo interminável rio Nung à procura do misterioso coronel, o poder alucinatório da guerra e a batalha contra a insanidade dão às caras, colocando em risco não só o sucesso da jornada, mas também o equilíbrio emocional das personagens envolvidas.

    • Francis Ford Coppola propôs realizar Apocalypse Now dez anos antes do livro realmente ter sido transposto para as telas de cinema. Na época o estúdio procurado não aceitou a proposta, pois achava que Coppola não tinha condições de comandar uma grande produção. Porém, após os lançamentos dos dois primeiros episódios da saga O Poderoso Chefão, em 1972 e 1974, Coppola finalmente conseguiu levar às telas o livro de Joseph Conrad.
    • As negociações para ter Marlon Brando no elenco foram bastante complicadas. Tendo recebido antecipadamente US$ 1 milhão, Brando ameaçou abandonar o projeto ainda antes das filmagens começarem. Coppola, por sua vez, respondeu que não se importava com a ausência de Brando e que se ele realmente abandonasse o papel iria convidar Jack Nicholson, Robert Redford ou Al Pacino para interpretá-lo. Brando naquele momento estava gordo, andava frequentemente bêbado e admitiu que não havia lido nem o script nem o livro em que Apocalypse Now seria baseado. Ele leu então o script de Coppola e se recusou a fazê-lo. Apenas após dias de conversas, Brando concordou em atuar no filme, com uma condição: de que ele aparecesse sempre nas sombras, para que o público não notasse que ele estava 40 quilos acima do seu peso normal.
    • Para conseguir o papel, o ator Laurence Fishburne mentiu sobre sua idade quando a produção de Apocalypse Now teve início, em 1976. Na época ele tinha 14 anos.
    • Originalmente seria de Harvey Keitel o papel do Capitão Benjamin Willard. Faltando apenas duas semanas para o início das filmagens, Coppola resolveu substituí-lo por Martin Sheen.
    • O nome do personagem de Martin Sheen foi criado a partir de uma combinação dos nomes dos dois filhos mais velhos de Harrison Ford, Benjamin e Willard.
    • O organograma original previa filmagens de apenas 6 semanas, mas a produção terminou se extendendo para 16 meses. O motivo de tamanho atraso foi um furacão, que destruiu todos os sets de filmagens.
    • O ator Martin Sheen teve um ataque cardíaco durante as filmagens, aumentando ainda mais o atraso para a conclusão do filme.
    • O próprio Francis Ford Coppola teve que investir milhões de dólares de seu próprio bolso, após o filme ter comprometido seriamente o orçamento estabelecido no início do projeto.
    • Apesar da história ser situada no Vietnã, Apocalypse Now foi na verdade todo rodado nas Filipinas.
    • O diretor Francis Ford Coppola ameaçou por diversas vezes se suicidar, durante as filmagens de Apocalypse Now.
    • O diretor Francis Ford Coppola aparece numa ponta não-creditada, interpretando um diretor de TV.
    • Durante as filmagens a esposa de Francis Ford Coppola, Eleanore Coppola, filmou o making of, posteriormente lançado como Francis Ford Coppola - O Apocalipse de um Cineasta.


    Em uma pequena cidade industrial que está morrendo, o líder de uma pequena gangue, Rusty James (Matt Dillon), vive na sombra de seu ausente irmão mais velho, "O Motoqueiro" (Mickey Rourke). A mãe dele partiu, o pai dele bebe, escola não tem nenhum significado para ele e suas relações são superficiais. Rusty é levado em participar de mais uma briga de gangues e os eventos que se seguem começam a mudar sua vida.

    • Um relógio pode ser visto em todas as cenas de O Selvagem da Motocicleta.


    Em um subúrbio da pequena cidade de Tulsa, Oklahoma, Ponyboy Curtis (C. Thomas Howell) é o caçula de uma turma, formada ainda por Darrel Curtis (Patrick Swayze) e Sodapop Curtis (Rob Lowe). Os três órfãos tentam sobreviver onde tudo se restringe a "mexicanos pobres" e "ricaços". A trinca descende de mexicanos, amarga empregos em postos de gasolina e sofre com a perseguição da polícia. Também fazem parte da gangue Dallas Winston (Matt Dillon) e Johnny Cade (Ralph Macchio), ainda um projeto de marginal. Eles tentam vencer e amadurecer enfrentando os ricos, mas nem tudo acontece como eles planejam. Os acontecimentos são vistos pela ótica Ponyboy, que gosta de poesia e "...E o Vento Levou".


    Peggy Sue (Kathleen Turner)  desmaia durante um encontro de ex-alunos de sua escola. Quando desperta, ela percebe que voltou 15 anos no tempo. Ela vê seu atual marido, com quem ela se divorciara no presente, e questiona se deve ou não casar com ele, já que sabe qual será o desfecho da relação. A partir daí, ela começa a rever várias questões sobre sua vida.

    • Sofia Coppola interpreta a irmã caçula de Peggy.
    • Helen Hunt, que vive a filha de Peggy (Kathleen Turner) e Charlie (Nicolas Cage), é um ano mais velha que Cage e apenas nove anos mais nova que Turner.
    • Indicado a 3 prêmios da Academia, Atriz (Turner), Figurino e Fotografia, Peggy Sue: Seu Passado a Espera não recebeu Oscar algum, mas teve mais sorte no prestigiado National Board of Review, de onde Kathleen Turner saiu como Melhor Atriz daquele ano. 


    Em Tucker: Um Homem e Seu Sonho, baseado em uma história real, vemos um homem, Preston Tucker (interpretado por Jeff Bridges), que planeja construir um modelo de carro mais seguro para os usuários, ao mesmo tempo que mais potente. O problema é que ele acaba construindo um modelo bom demais, o que acaba atraindo a fúria das Três Grandes (Ford, GM e Chrysler). Essas corporações não medirão esforços para inviabilizar o sucesso desse modelo de carro, obtendo apoio inclusive do governo norte-americano. Esse filme faz uma crítica bem sutil ao capitalismo monopolista, dominado por cartéis que inviabilizam a concorrência e a livre iniciativa.


    Nova York, 1979. A Ordem de San Sebastian, um dos maiores títulos dados pela Igreja, é dada para Michael Corleone (Al Pacino), após fazer uma doação à Igreja de US$ 100 milhões, em nome da fundação Vito Corleone, da qual Mary (Sophia Coppola), sua filha, é presidenta honorária. Michael está velho, doente e divorciado, mas faz atos de redenção para tornar aceitável o nome da família Corleone. Na comemoração pelo título recebido, após 8 anos de afastamento, Michael recebe "Vinnie" Mancini (Andy Garcia), seu sobrinho, que a pedido de Connie (Talia Shire) é apresentado a Michael manifestando vontade de trabalhar com o tio. Nesta tentativa de diálogo a conversa toma um rumo hostil, pois participava também da reunião Joey Zasa (Joe Mantegna), que agora mantém o domínio de uma área outrora mantida por Don Vito Corleone, o pai de Michael. Vinnie é chefiado por Zasa, mas fala que não quer continuar, principalmente pela traição de Zasa de não reconhecer o poder de Michael. 

    • A atriz que inicialmente iria interpretar Mary Corleone era Winona Ryder. Somente após a desistência de Ryder que Sofia Coppola assumiu o papel.
    • Este é o 1º filme em que Al Pacino e Andy Garcia atuam juntos. O posterior foi Treze Homens e um Novo Segredo (2007).



    No século XV, um líder e guerreiro dos Cárpatos renega a Igreja quando esta se recusa a enterrar em solo sagrado a mulher que amava, pois ela se matou acreditando que ele estava morto. Assim, perambula através dos séculos como um morto-vivo e, ao contratar um advogado, descobre que a noiva deste a reencarnação da sua amada. Deste modo, o deixa preso com suas "noivas" e vai para a Londres da Inglaterra vitoriana, no intuito de encontrar a mulher que sempre amou através dos séculos.


    • O roteiro de Drácula de Bram Stoker chegou às mãos de Winona Ryder quando a intenção ainda era fazer um filme para a TV americana, que seria dirigido por Michael Apted. Ryder então apresentou o roteiro a Francis Ford Coppola, com quem não falava desde o início das filmagens de O Poderoso Chefão III, cerca de seis meses atrás. Coppola leu a história, se interessou pelo projeto e assumiu a direção do filme, com Apted passando a ser um dos produtores executivos do projeto. Em seguida, veio a decisão de lançá-lo nos cinemas.
    • A atriz Sadie Frost decidiu pintar seu cabelo de vermelho após perceber que estava se parecendo muito com o personagem de Winona Ryder.
    • O grito do Príncipe Vlad após ele cortar a cruz com sua espada não é de Gary Oldman. Nesta cena em especial a voz de Oldman foi dublada pela de Lux Interior, vocalista da banda punk The Cramps.
    • Uma cena em que Mina seduzia Van Helsing chegou a ser filmada, mas foi cortada na edição final.

    A Vinyx media disponibilizou este clássico do diretor, em uma edição especialíssima com poster, luva e trilha sonora.
    A edição pode ser adquirida nas melhores lojas...




    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top