• ÚLTIMAS...

    A ÉPOCA DA INOCÊNCIA (1993) - FILM REVIEW


    Uma época que não volta mais....

    Sempre vou produzir um texto, tento ao máximo ser informativo. Sites de cinema cometem dois erros principalmente: emitem opinião (defendo a ideia de que o cinema é individual, e um site deve se limitar a indicar a experiência, apenas), e falam do filme de forma muito técnica, analisando pontos como paleta de cores, direção de arte (e muitas vezes, a pessoa vê o filme de forma mais simples, sendo menos exigente com detalhes).
    Sendo assim, gosto de tratar do universo ao redor do filme, mostrar o quão sedutor ele pode ser, para se interessarem (ou não) por um filme. 
    Hoje, em questão, é sobre um filme baseado num livro da década de 20, e que foi dirigido pelo nova iorquino Martin Scorsese. Conheçam então, um pouco sobre autora do livro em que o filme se baseia, sobre o diretor, sobre o livro e sobre filme. 
    Boa leitura

    A Autora...

    Escritora norte-americana, Edith Newbold Jones nasceu a 24 de janeiro de 1862 na cidade de Nova Iorque. Oriunda de uma família burguesa, passou uma grande parte da sua infância na Europa, onde permaneceu até aos dez anos de idade. Sendo educada por professores particulares, teve os estudos concluídos aos 17 anos, quando foi apresentada à sociedade (e a seu futuro marido, Edward Wharton, que era 13 anos mais velho, mas ainda sim, um bom partido).


    Eles passaram a repartir o seu tempo entre Nova Iorque, Rhode Island e Massachusetts. Mesmo com a vida sem preocupações, Edith Wharton sofreu um grande abalo ao descobrir que o marido lhe era infiel: não só mantinha uma amante em Boston, como utilizava o dinheiro da esposa para o efeito. Sem chão, Edith Wharton começou a demonstrar tendência para as depressões. O médico de família aconselhou-a a tentar encontrar uma ocupação com que se distraísse das suas mágoas, pelo que Edith resolveu experimentar a escrita.

    O seu trabalho foi-se acumulando e ganhando forma. De modo que, por meados da década de 90, Edith Wharton tomou a decisão de publicar alguns dos seus contos. The House Of Mirth ( A Casa da Alegria ), o seu primeiro romance, apareceu em 1905, e conseguiu estabelecer quase imediatamente a reputação da autora. Aclamada pelo público, sentiu-se encorajada a retomar a sua vida social. Mudou-se para Paris, onde conheceu um jovem norte-americano, por quem se apaixonou, de nome Morton Fullerton. Continuou sua carreira como romancista, dando vida a obras como Madame de Treymes (1907, Corações na penumbra: Madame de Treymes), Ethan Frome (1911, Ethan Frome) e The Reef (1912). No ano de 1912 conseguiu o divórcio, apresentando como fundamento a infidelidade do marido, afim de assumir a sua relação com Morton Fullerton.


    Edith Wharton viajou extensivamente pelo território francês. Após a deflagração da Primeira Grande Guerra, dedicou a auxiliar refugiados. Voltou aos Estados Unidos apenas para receber o Prêmio Pulitzer, que lhe foi concedido em 1921, graças à publicação de The Age of Innocence (1920, A Idade da Inocência), obra que revertia para o despertar sexual da autora, que experimentara graças à dedicação do seu amante.

    Autora de uma obra prolífica, Edith Wharton procurou debruçar-se prioritariamente sobre os usos e costumes dos novos-ricos, sobre as diferenças fundamentais entre a velha aristocracia europeia e a burguesia norte-americana, bem como a repressão exercida sobre as mulheres nestes ambientes.

    Considerada como um grande nome da literatura feminina norte-americana, Edith Wharton faleceu em agosto de 1937, em Paris, vítima de uma apoplexia.

    O cineasta

    O diretor norteamericano Martin Scorsese nasceu em Nova York no dia 17 de novembro de 1942. Além da direção de filmes, atividade pela qual se consagrou no mundo todo, também trabalhou como ator, produtor e roteirista. Ele tinha descendência italiana e cresceu em Little Italy, um bairro perigoso onde conheceu os arquétipos que criou em muitos de seus filmes. Os italianos mafiosos, pequenos criminosos de rua, donos de cantinas, mães super protetoras, garotas problemáticas, prostitutas e todo universo que seus olhos infantes conferiram. Na época, a grande paixão do pequeno Scorsese era o mundo cinematográfico. Havia pequenas matinées organizadas pelo cinema de seu bairro e Martin era figura constante nas salas de exibição.

    Scorsese quase optou pelo caminho religioso. Aos 14 anos, ingressou em um seminário e pretendia ser padre. Porém, acabou desistindo. Seus ouvidos deram mais atenção aos chamados de Frederico Fellini, Michael Powel e Orson Welles do que aos de sua família católica. Ao fim dos anos 50, o diretor começa a gravar seus primeiros curtas-metragens e, em 63, ingressa no curso de direção da Universidade de Nova York, onde gravou o curta “The Big Shave”, com o qual conseguiu projetar-se internacionalmente.


    No ano de 1968, lançou o seu primeiro longa-metragem, “Quem Bate à Minha Porta?”, no qual mostra seu primeiro flerte com bandas clássicas do rock para as trilhas sonoras e o contato inicial com o mundo dos gangsteres. O filme tem como protagonistas a atriz Zina Bethune e Harvey Keitel. Depois da etapa inicial de filmes experimentais e participação em projetos de outros diretores, lança, em 1972, o longa “Sexy e marginal”, sobre a violência que testemunhara dentro das organizações sindicais no período da Grande Depressão Americana. Um ano depois, ganha destaque pelo lançamento de “Caminhos perigosos”, filme que mostra a obsessão do diretor pelo universo gângster carcamano, levantando a questão da religiosidade das famílias italianas em contraste com a maneira com que os mafiosos levavam a vida.

    Dentre grandes obras primas, e projetos pessoais, Martin foi finalmente reconhecido pelo Oscar pelo filme "Os infiltrados".

    O livro

    Vencedor do Prêmio Pulitzer de 1921, este romance destaca a inquietação da sociedade aristocrata nova-iorquina do fim do século XIX com a chegada da condessa Ellen Olenska. Ela retorna aos Estados Unidos após desfazer o casamento na Europa e se aproxima de Newland Archer, noivo de sua prima, a bela May Welland. Os dois acabam se apaixonando em uma época em que manter as aparências era mais importante que o amor e a felicidade. 


    Escrito por Edith Wharton logo após o fim da Primeira Guerra Mundial, A época da inocência é um retrato fiel de uma sociedade burguesa contraditória, responsável por destituir a nobreza do poder político, mas que reproduzia modelos e padrões de comportamento típicos da época em que barões, condes, viscondes e duques estavam no poder. Um período de ostentação da riqueza em grandes banquetes e recepções, mansões e roupas luxuosas. Edith Wharton revela uma história da inércia que prende as pessoas aos valores com os quais foram educadas, criando barreiras para a realização pessoal e afetiva.

    As versões:

    Newland Archer esta noivo de May Mingott, de uma proeminente família de Nova York. Logo após o anúncio do noivado, Newland se vê atraído pela prima mais velha de May, a condessa Ellen Olenska. Após seu casamento com May, Newland e Ellen concordam em fugir juntos. Antes que isso aconteça, May visita a amante do marido e informa que ela está grávida. 

    Em sua festa de noivado em 1875, o rico Newland Archer (John Boles) se surpreende ao encontrar sua amiga de infância Ellen ( Irene Dunne ), linda e crescida e agora condessa Olenska. Ela é prima de sua noiva May ( Julie Haydon ) e é considerada fora dos padrões pela sociedade da época. Newland, no entanto, trata-a bem e envia duas dúzias de rosas amarelas.  Eles acabam se apaixonando.

    Nova York, 1870. Um advogado (Daniel Day-Lewis) está de casamento marcado com uma jovem (Winona Ryder) da aristocracia local, quando uma condessa (Michelle Pfeiffer), prima de sua noiva, volta da Europa após separar-se do marido. As idéias dela chocam a tradicional sociedade americana e, ao tentar defendê-la, o advogado se apaixona por ela e é correspondido.

    O filme

    A produção ganhou o Oscar de Melhor Figurino, além de ter sido indicado em outras 4 categorias: Melhor Atriz Coadjuvante (Winona Ryder), Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção de Arte e Melhor Trilha Sonora. Ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante (Winona Ryder), além de ter sido indicado em outras 3 categorias: Melhor Filme - Drama, Melhor Diretor e Melhor Atriz - Drama (Michelle Pfeiffer).


    A previsão inicial era que A Época da Inocência estreasse nos cinemas americanos no outono de 1992, mas o filme apenas estreou realmente quase um ano depois, para que o diretor Martin Scorsese tivesse mais tempo para editar o filme do jeito que queria.

    O diretor Martin Scorsese aparece em uma participação especial em A Época da Inocência, atuando como um fotógrafo. Entretanto, o nome de Scorsese não aparece nos créditos do filme, como integrante do elenco. O filme que foi dedicado ao pai do diretor, que faleceu um pouco antes do filme estrear nos cinemas, funciona como um atestado de maturidade do cineasta ítalo-americano.,


    A Classicline lançou esta obra prima do diretor Martin Scorsese, que pode ser adquirida diretamente no site da empresa. É só clicar no nome e aproveitar também as outras promoções da empresa.


    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top