• ÚLTIMAS...

    A FESTA (2017) - FILM REVIEW


    A festa é um filmaço, lançado nos cinema pela A2 Filmes em parceria com a Mares Filmes, imperdível para quem é fã do bom cinema.

    A2 Filmes surgiu da convergência dos trabalhos de competentes executivos da área de entretenimento que, ao longo dos anos, estabeleceram-se como referência no mercado e se uniram para criar uma empresa capaz de oferecer não apenas licenciamento de conteúdo para toda a América Latina, como também realizar diretamente a distribuição de produtos no home vídeo brasileiro em todas as plataformas, digitais ou físicas, e também nos cinemas. Já a Mares é uma distribuidora independente que trouxe para os cinemas brasileiros obras únicas como A GRANDE BELEZA, HABEMUS PAPAM, CÉSAR DEVE MORRER e O AMANTE DA RAINHA, entre muitas outras de destaque internacional e premiadas nos principais festivais do mundo.

    A Sinopse do filme

    Para celebrar seu tão aguardado e prestigioso cargo em um ministério, e, esperançosamente, um trampolim para a liderança do partido, a recém-nomeada política da oposição britânica, Janet, está dando uma festa para os amigos em seu apartamento em Londres. 
    É claro que, neste seleto e íntimo soirée, além do marido acadêmico abnegado de Bill-Janet – um grupo heterogêneo de amigos, escolhidos a dedo, foi convidado: Há April, a melhor amiga americana e amargamente cínica; seu improvável marido alemão, Gottfried; há também Jinny e Martha; e, finalmente, Tom, o banqueiro tranquilo em seu terno impecável. 
    Inevitavelmente, antes que o jantar seja servido, o ambiente otimista se despedaçará, já que os segredos obscuros começam a ser revelados nesta superfície hostil. Sem dúvida, depois desta noite, as coisas nunca mais serão as mesmas.

    Ficha Técnica:

    A FESTA (The Party)
    DIREÇÃO: Sally Potter
    ELENCO: Timothy Spall, Kristin Scott Thomas, Patricia Clarkson, Bruno Ganz, Cherry Jones, Emily Mortimer, Cillian Murphy
    PAÍS/ANO DE PRODUÇÃO: Reino Unido/2017
    GÊNERO: Comédia/Drama
    DURAÇÃO: 71 minutos
    DATA DE ESTREIA: 26 de julho de 2018

    NOTAS DA DIRETORA SALLY POTTER

    A FESTA é uma comédia envolta em tragédia, em que uma celebração entre amigos é violentamente malsucedida em um curto espaço de tempo.

    Uma semana pode demorar muito tempo na política, mas alguns minutos podem durar muito em um relacionamento. Quando sob pressão extrema, em um ambiente confinado – e qualquer casa que antes pudesse ser um santuário particular pode rapidamente se sentir como uma prisão – tudo oculto pode vir à superfície. Este foi o abismo que eu encontrei como roteirista. Eu queria levar o riso à beira da faca, enquanto testemunhamos – através do olho inquisitivo das lentes – esse grupo de pessoas que não conseguem abissalmente manter a sua própria linha partidária do que é moralmente correto e politicamente permitido.


    O longa foi concebido como um filme “básico”, transformando o confinamento do lugar (e as restrições do tempo real) em uma virtude. Em um mundo cinematográfico preto e branco sem efeitos especiais elaborados ou múltiplas mudanças de localização, elementos aparentemente simples têm que fazer o trabalho de contar histórias. Tudo está exposto. Não há onde se esconder quando se trabalha com os ingredientes principais da história, personagem, luz e escuridão, vozes e música. A câmera espreita as sombras e olha fixamente para os rostos desses personagens em seu momento de crise – uma crise que se desenvolve à medida que cada um começa a dizer a verdade. Fui abençoada com um conjunto de grandes atores ousados, que se lançaram no processo com entusiasmo e disciplina, a serviço do poder curativo de um riso agridoce, num momento em que os acontecimentos do mundo nos fazem querer chorar.

    NOTAS DE PRODUÇÃO

    O convite

    Uma história presciente sobre pessoas e relacionamentos, política e ideologia, A FESTA nasceu como um roteiro que Sally Potter estava desenvolvendo ao lado de vários outros projetos. A escritora-diretora desenvolveu essa técnica ao longo dos anos como “sua cura para o bloqueio do escritor... Se ela está presa em um texto, vai para o outro”, diz Christopher Sheppard, seu produtor de longa data. “Eu acho uma maneira muito fluida e interessante de trabalhar”, diz Potter. “Costumo trabalhar em mais de dois. Nesse caso, eu estava trabalhando em seis ou sete até que dois vieram à tona”.

    Com um acordo de desenvolvimento conjunto com a BBC Films e o BFI em vigor, Potter viu dois roteiros emergirem dessa onda de atividade, entre eles A FESTA. Típico da produção de Potter, os projetos simultâneos não poderiam ser mais diferentes. Ambos estavam prontos para buscar o elenco e o financiamento. “Dada a realidade da indústria cinematográfica, eu não sabia qual texto seria o primeiro a ser concretizado”, diz Potter. “Mas foi esse aqui”.


    Quando se tratava de escrever A FESTA, um dos pontos de partida de Potter foi seu último filme, Ginger & Rosa, de 2012. “Havia uma cena importante em que todos os personagens – que antes só tinham sido vistos em suas trajetórias separadas – se juntaram e houve um confronto”, explica ela. “Foi uma cena muito difícil de fazer. Todos os atores e eu estávamos nervosos em fazê-la, mas, no final, foi imensamente satisfatório. Isso me deu o apetite de fazer um filme inteiro que fosse uma forma de confronto, uma abertura das ilusões que as pessoas têm sobre si mesmas”.

    Ginger & Rosa não foi a única inspiração. Potter também queria escrever algo que, de alguma forma, examinaria o estado da nação. “Comecei a escrever isso pouco antes da última eleição geral na Grã-Bretanha. Foi uma reflexão sobre política partidária e linguagem política; a relação com a verdade que se resume à ideia de spin. Certas ideias se tornam atuais e os políticos acreditam que as pessoas querem ouvir, e pensam que isso as ajudará a vencer. Então, é uma reflexão sobre o que isso faz para todos nós, quando a verdade em nossas vidas pessoais, assim como em nossas vidas políticas, se torna distorcida ”.

    Com Sally Potter determinada a rodar o filme em tempo real, a história começou a se formar em torno de um encontro na casa londrina de um casal: Bill e Janet. “Aprendemos muito rapidamente que ela trabalha na política e acaba de ser promovida a um cargo de destaque no partido de oposição, que não tem nome”, diz Potter. “Ele é um acadêmico que desistiu de algumas oportunidades em sua vida profissional para dar suporte a ela. E com essa decisão vêm algumas decepções, algumas frustrações”.

    Com cinco outros convidados (e um ausente significativo), o setup imediatamente lembra clássicos como as adaptações Quem Tem Medo de Virginia Woolf?, de Mike Nichols, e O Discreto Charme da Burguesia, de Luis Buñuel. “Cada uma dessas pessoas guarda segredos. As coisas que estavam escondidas surgem em uma sequência de revelações de uma maneira um tanto catastrófica”, diz Potter, “o que tudo faz parecer um tanto sombrio e pesado, mas, na verdade, isso é uma comédia, embora envolvida em alguns elementos trágicos”.


    A diretora tomou a decisão logo no início de fazer o filme em preto e branco, em colaboração com seu diretor de fotografia Alexey Rodionov, cuja relação com ela se estende desde o primeiro filme de Potter, Orlando, em 1992. Em sua mente, foi uma escolha estética que imediatamente lembrou “um período de cinema britânico” nos anos 1960: filmes como Tudo Começou num Sábado, A Mulher que Pecou e O Pranto de um Ídolo, “que tinham um senso muito forte por trás deles, do estado da nação... Uma reflexão sobre a quebra da política partidária”.

    Rodionov também foi conquistado pela ideia de filmar em preto e branco. “Há mais vantagens em fotografar em preto e branco”, diz ele. “O problema com cores e, especialmente, filmar digitalmente, a imagem é muito naturalista. A reprodução de cores em uma câmera digital é muito real. Você precisa de um pouco de trabalho apenas para dar alguma qualidade artística à imagem, à ação. O preto e branco, é claro, ajuda porque elimina a cor e facilita a concentração na ação e no estado dos atores e de seus rostos ”.

    Escrito com o que Potter chama de “uma consciência do absurdo do sofrimento humano”, suas ambições para A FESTA foram grandes. “Eu realmente queria fazer algo que acontecesse na vida política através do prisma da política da vida pessoal; relacionamentos, deslocando placas tectônicas de poder, amor, desejo, traição, saudade, desapontamento e assim por diante. De certa forma, essas eram experiências humanas universais que as pessoas poderiam ter em uma vida, mas condensadas em uma hora e meia de tempo real”.


    A Lista de Convidados

    Quando Sally Potter terminou o roteiro, um plano de produção se concretizou: montar o elenco, ensaiar ao longo de uma semana e filmar em apenas dois dias. “Sempre foi a ideia de que, no mesmo espírito da natureza rápida do diálogo e da ação, havia uma maneira de fazer o filme respeitar essa linha e transformá-la em realidade”, diz Sheppard. “Era algo que poderia ser feito a toque de caixa. E este é realmente o resultado... O truque era seguir o espírito do roteiro para a produção”.

    Produzindo o filme através da Potter's Adventures Pictures, que pertence a ele e a Potter, Sheppard procurou Kurban Kassam para entrar no projeto como seu parceiro de produção e ajudar a montar o financiamento (que finalmente veio junto à Great Point Media). Produtor associado do filme Ginger & Rosa (também de Sally Potter), a experiência de Kassam trabalhando em produções britânicas, com horários de filmagem de duas ou três semanas, foi inestimável. “Eu sabia o quão complicado era, mas também como isso pode ser gratificante se você conseguir fazer tudo certo”, diz ele. “Porque, claro, você pode fazer um longa-metragem em um curto período de tempo, mas é incrível se você puder fazer isso bem feito”.

    Ao reunir a equipe, a diretora-roteirista recorreu a uma mistura de velhos amigos e novos colegas – como a figurinista Jane Petrie. “Na minha experiência, ela está muito aberta a trabalhar com novos Chefes de Departamentos, e ela os pesquisa bastante antes de trazê-los a bordo”, diz Kassam. “Geralmente, ela não os vê como apenas seus atores, mas como família, e a principal qualificação que alguém precisa para trabalhar com Sally é espírito de afinidade, onde eles estão juntos”.


    Potter, enquanto isso, começou a analisar seus potenciais atores. “Eu levo muito tempo para selecionar o elenco”, ela ri. “Eu observo horas, horas, horas e horas de trabalho que as pessoas têm feito enquanto gradualmente começo a imaginar a alquimia dos diferentes tipos de combinações”. Particularmente, no caso de A FESTA – com três casais muito diferentes no centro da história – encontrar a química correta entre os atores era essencial. Por meses, Potter trabalhou com dois diretores de elenco – Irene Lamb e Heidi Levitt – de Londres e Los Angeles, que haviam deixado sua marca em produções anteriores de Potter.

    “Sempre busco a sensação de que, quando as pessoas assistem ao filme, não conseguem imaginar ninguém mais interpretando aquele papel”, diz a diretora, “como se só pudesse ser vivido por aquela pessoa. Um sentimento de correção, uma precisão dramática psicológica e emocional. E esse é o novo desafio a cada filme, um que enfrentarei sempre. Eu descobri que somente até certo ponto as lições aprendidas com um filme anterior se aplicam ao próximo. Você não pode retroceder nos hábitos que desenvolveu, para se tornar o que realmente precisa ser”.

    Os dois primeiros a juntarem ao projeto foram Timothy Spall e Kristin Scott Thomas. Potter já havia trabalhado com Spall em Ginger & Rosa e sabia que queria trabalhar com ele novamente. Recebendo o papel de Bill – o acadêmico melancólico com grandes revelações –, o ator sentia o mesmo sobre trabalhar com Potter. “Ela é incrivelmente detalhista e vai atrás das pessoas que ela quer para os projetos, e pensa muito sobre as combinações”, diz ele.

    Juntamente com Spall, veio Kristin Scott Thomas, escalada como Janet, a esposa de Bill, a política de alto escalão que realiza a festa para celebrar sua própria promoção ao Ministério. Sheppard chama isso de “um momento único” quando Sally Potter escalou a atriz para o que considera “um papel que não é óbvio” para ela. Assim que Scott Thomas leu o roteiro, ficou intrigada. “Eu pensei, ‘Oh, isso parece interessante!’, li de uma só vez, e então conheci Sally, e já decidimos; e foi muito simples, uma decisão direta participar do filme”.


    Spall e Scott Thomas, naturalmente, passaram um tempo pensando sobre o passado de um casal: um casamento de trinta anos, que durou “mais ou menos toda a vida adulta”, diz Spall. “E fizeram uma longa jornada juntos… Obviamente, um casamento sem filhos, com todas as complexidades subentendidas: discussões sobre sacrifícios de cada um, todas essas coisas. Eles são, para todos os efeitos, uma dupla muito forte e alinhada”.

    Com os dois principais papéis acertados, “tudo começou a se construir em torno disso”, lembra Sheppard. Cherry Jones se lembra de ter conhecido Potter em um jantar em Nova York, antes de receber uma ligação para falar sobre Martha, a amiga mais antiga de Bill, e sua colega acadêmica. Depois de uma segunda reunião – na casa de Jones – a atriz se comprometeu. “Eu disse 'sim', porque... Como você pode dizer 'não' para Sally Potter?”. Ela ri.

    Da mesma forma seduzida pelo projeto, para interpretar a parceira mais nova de Martha, Jinny, Emily Mortimer concorda sobre o magnetismo de Potter e seu processo de seleção “muito particular”. “É sempre uma conversa longa, mas nunca é difícil – apenas bastante profunda e específica e cuidadosa, e você pode dizer, desde a primeira conversa, que será um projeto e uma experiência realmente interessante e significativa. É impossível dizer ‘não’ para ela”.

    Mortimer ficou imediatamente impressionada com o tom conflitante do roteiro: “É um pouco mais elevado… Mas de uma maneira que parece totalmente real. É como estar em uma daquelas noites que você tem apenas uma ou duas vezes na vida, quando a ‘merda bate no ventilador’ de todas as formas, e as coisas acontecem, e tudo acaba. Isso pode ser muito engraçado e realmente absurdo, mas também apenas... Horrível! Vai demorar um pouco para todos se recuperarem, eu acho!”.


    O relacionamento entre Martha e Jinny – que começa quando Jinny descobre que ela está grávida de trigêmeos – atua como um contraponto fascinante para os ‘sem filhos’ Bill e Janet. “Para Martha, ela quer ser Jinny”, diz Jones. “Ela fará qualquer coisa para manter Jinny por perto. Se isso significa ter um filho – ou três! – com 60 anos, é o que ela fará! É uma relação improvável e, ainda assim, temos tensões ao longo desta verdadeira devoção ao outro; em algum nível, por mais improvável que seja, parece funcionar”.

    Se inicialmente parece que Jinny é muito mais apegada a esses bebês do que Martha, a percepção de Emily Mortimer sobre sua personagem foi mudando conforme ela se aprofundava no roteiro. “Percebemos que é como se um cego guiasse outro. Eu realmente não sei em que diabos eu me meti. Estamos completamente no escuro sobre o que significa ter um bebê. Estou tão apavorada quanto ela. Há algo de doce na falta de qualquer tipo de entendimento do que vai acontecer conosco”.

    Tal como aconteceu com Cherry Jones, Potter também conheceu Patricia Clarkson em Nova York. A atriz imediatamente assumiu o papel de April, a melhor amiga de Janet: “Eu nunca me importei com Bill. Eu adoro a Janet, isso é óbvio. E Marta, eu costumava adorar, mas agora ela se tornou toda convencional. Mesmo sendo uma mulher gay, ela tem esse casamento e tem filhos a caminho... Faz minha pele arrepiar. Eu sou uma mulher ferozmente independente e adoro o fato de que Janet representa essa mulher profissional”.

    Em uma inspirada combinação de elenco, a diretora uniu Clarkson com o lendário ator alemão Bruno Ganz, que interpreta Gottfried, parceiro de April, um ‘coach’ que ela parece desprezar. “Às vezes isso me faz lembrar um livro que li há muito tempo, chamado O Idiota, de Dostoievsky”, comenta Ganz. “Ele é muito gentil, amigável demais, não feito para esse tipo de mundo… Ele é uma mistura de coisas diferentes, mas eu gosto, por um lado, de imaginar que ele está vindo do lado de Dostoievski, esse tipo de idiota”.


    Interpretando Tom, o banqueiro de terno que chega à festa transtornado, ansioso e com vingança em mente, Cillian Murphy foi atraído pelo modo como a ação acontece em um só cenário. “Eu amei a natureza contida e formal disso. Eu amo histórias ou filmes que acontecem em tempo real. Eles são raros no cinema, e é difícil de conseguir realizar, eu acho. Eu gosto do humor disso. Eu li a primeira cena e pensei: ‘Como ela vai reverter essa situação na história?’. É uma abertura tão brilhante, e então você trabalha de trás para a frente – é muito, muito inteligente”.

    Murphy também teve que interpretar o ‘estranho’ do filme: o capitalista endinheirado em desacordo com os intelectuais e acadêmicos ao seu redor. “Eu acho que há uma tradição adorável na narrativa da batida na porta e quem está na porta. E Tom incorpora essa tarefa de contar histórias; ele é o bater à porta, um convidado inesperado. Eu gosto de pensar nele de uma forma muito positiva, como uma granada de mão humana! Ou uma granada de mão de história! Porque, quando ele vem e bate na porta, as coisas mudam”.

    Com o elenco montado, Sally Potter começou a trabalhar individualmente com cada ator, tanto cara-a-cara quanto pelo Skype. Como um ensaio menos formal, a diretora vê o método mais “como uma forma de preparação profunda”, diz ela, “para eu conhecer o ator, e ao ator, para me conhecer; para eu entender o texto que escrevi começando a ouvi-lo falar em voz alta; para aprender as respostas de cada ator, e começar a sentir o que vai ajudá-los a chegar àquele lugar mágico de ir além do que eles fizeram antes”.

    Enquanto Potter trabalhava com seu elenco, Sheppard tinha a tarefa quase impossível de encontrar uma janela de duas semanas que acomodasse todos os sete membros do elenco. Enquanto a maioria dos filmes verá atores entrando e saindo da produção, A FESTA seria diferente. “Sally queria o elenco todo o tempo todo, para que pudessem trabalhar como um conjunto e o filme poderia ser filmado em ordem de script”, diz ele. Na verdade, é assim que acontece, com a exceção de Cillian ter que ser o melhor homem da Irlanda por quatro dias, o que sabíamos desde o começo”.


    Quando o elenco finalmente se reuniu, o período de ensaio de uma semana foi crucial, com Potter e os atores elaborando o básico sobre os relacionamentos de todos. “Foi muito interessante”, comenta Scott Thomas, “entrar em um quarto com seis ou sete de nós – que eu nunca conheci antes, além de Cherry – e conhecer pessoas que têm uma ideia completamente diferente sobre quem é esse personagem… É fascinante dizer: ‘Oh, você leu isso! Eu não leio nada disso, eu li isso’. Foi realmente ótimo. Você é jogado no fundo do poço. E então você tem que se levantar e trabalhar isso”.
    Como Spall ressalta, com um grupo tão “elegante e variado” de atores, tornou tudo um pouco mais fácil. “Quando todos são tão precisos também... Nós compartilhamos um pouco, e muito disso é sobre o que as pessoas não dizem umas às outras... Há muito valor em pensar sobre isso, mas não o compartilhar. É tudo sobre jornadas subtextuais, privadas acontecendo... Fizeram essas suposições uns sobre os outros, mas as palavras não se revelam até lá e então... A verdade, o ressentimento surgem”.

    O Código de Vestimenta

    Para acomodar a rápida programação de filmagens, foi tomada a decisão de procurar um estúdio, algo novo para um filme de Sally Potter. “A preferência automática de Sally tende a ser filmar no local da ação (no caso, um apartamento alugado), por causa da autenticidade de estar em lugares reais”, diz Sheppard. “Em outros filmes, filmamos algumas partes, algumas cenas em sets construídos, mas esta é a primeira vez que fizemos um filme inteiro em um cenário”. Em particular, a iluminação era fundamental. “A história vai do dia, ao anoitecer até a noite, e tentar recriar essas mudanças de iluminação no local seria muito, muito difícil”.

    De Pinewood a Twickenham, diferentes estúdios foram avaliados, mas, no final, a produção escolheu o West London Film Studios, em Hayes. “O lugar que escolhemos era o único que poderia nos dar o tempo que precisávamos para construir, iluminar e decorar de acordo com as exigências específicas de Sally e seu desenhista de produção Carlos Conti”, diz Kassam, “para que Sally ainda tivesse tempo suficiente para ensaiar com o elenco no set. Obviamente, quanto mais ela pudesse fazer isso, mais cenas do filme seriam possíveis de realizar em duas semanas”.


    Para Potter, tudo girava em torno de aproveitar ao máximo seu tempo no set com os atores sem as interrupções inevitáveis que as locações trazem. “Minha principal consideração era que não podíamos nos dar ao luxo de parar de filmar, por exemplo, por causa do barulho de um avião passando”, explica ela. “E parecia perfeitamente possível criar um set, com a imensa habilidade de Carlos Conti, que pareceria real e sólido, o que também serviria para a fluidez da ação. Então, as pessoas se movem entre salas e espaços que também têm significados diferentes”.

    No final, escolher um espaço de estúdio menor e mais restrito funcionou perfeitamente para as necessidades da produção. Ao contrário de um estúdio maior, onde A FESTA provavelmente teria sido ofuscado por filmes de grande escala acontecendo simultaneamente, a produção tinha seu próprio “time dedicado”, como Sheppard coloca, com tudo em cena: os camarins próximos aos cenários, equipamentos de som perto do escritório de produção. “Tem sido um sonho em termos de eficiência”, diz ele.

    Potter concorda, notando o quão conveniente o espaço era, especialmente enquanto ficava em um hotel a apenas cinco minutos de distância. “Isso significava ser capaz de começar muito, muito cedo pela manhã e trabalhar o dia todo sem interrupção”, diz ela. As únicas limitações eram técnicas: “o quão rápido é possível iluminar um certo padrão de perfeição, obter as performances no nível certo e negociar e coreografar todos esses elementos para cumprir o cronograma. Esse tem sido o desafio, mas um estúdio ajuda a vencer isso”.

    Os atores notaram imediatamente o impacto que um espaço de estúdio teve em tal produção. “É mais confinável”, diz Murphy, “para todos, para a equipe e para a produção. Você não está apenas dirigindo por aí, se deslocando. Você está com tudo lá e entra em um ritmo mais rápido, porque você não está descarregando caminhões de equipamento e descobrindo onde estará filmando naquele dia. Ajuda em termos de eficiência e velocidade… Sem sacrificar nada de forma criativa”.


    Carlos Conti, o designer de produção que trabalhou anteriormente com Potter em The Tango Lesson – Uma Lição de Tango (1997), Yes (2004) e Ginger & Rosa (2012), replicou brilhantemente o espaço térreo da casa londrina de Bill e Janet, que consiste em sala de estar, cozinha, quintal, corredor e banheiro, onde todas as cenas ocorreram. “É como uma casa!”, Observa Clarkson. “Você pode montar qualquer coisa num estúdio... Às vezes você esquece que é um set – é como se você realmente estivesse na sala de estar de alguém”.

    Logo no início, Conti desenvolveu uma maquete da casa, prestando especial atenção à geografia da sala de estar, onde os personagens passam grande parte da história. Sentado em uma cadeira durante grande parte do filme, Bill é “o sol deste lugar com todos os outros planetas ao seu redor”, diz Conti. “Isso torna mais complicado em termos de localização; tendo um personagem não se movendo, sentado em uma cadeira, e os outros personagens indo ao redor dele. Nós mudamos o modelo várias vezes até encontrarmos a posição perfeita para cada personagem para cada cena”.

    Quando chegou a hora de criar o design da casa de Bill e Janet, Potter fez uma grande pesquisa nos mundos da política e da academia. Juntos, ela e Conti localizaram várias casas reais, o que provou ser inspirador. Como sempre, o tempo era o verdadeiro inimigo – com a construção, pintura, vestimenta e envelhecimento do conjunto, tudo acontecendo em uma janela de tempo muito curta –, mas Conti e Potter nunca perderam de vista a necessidade de projetar a casa de acordo com os tipos de personalidade de Bill e Janet.


    “Janet é alguém que está fora na maior parte do tempo”, diz Conti. “Não é uma casa completamente decorada; é quase uma casa vazia, exceto pela área de Bill. O espaço de Bill está cheio de livros. Eu gosto da ideia de não ter pinturas penduradas nas paredes. Eu amo isso, é uma boa ideia. É um desafio, no entanto, ter espaço em branco. Às vezes, é difícil ter paredes vazias. Mas foi bom para eles, para os personagens. Você sente como eles vivem. Você sente que ela volta tarde, todos os dias depois do trabalho. Você sente isso na casa, esse vazio.

    Naturalmente, a decisão de filmar em preto e branco afetou todas as escolhas estéticas feitas por Conti. Em determinado momento do projeto, ele até considerou vestir todo o conjunto em cinza, mas rejeitou a ideia. “Na verdade, isso é muito difícil para os atores”, diz ele. “É muito artificial, muito técnico. Este foi um filme muito emocional e foi melhor tê-lo em uma casa real, deixá-los com a sensação de conforto e de realismo. E por essa razão, eu disse que deveríamos fazer isso em cores”. No entanto, cada peça de mobília foi testada para ver como ela ficava em preto e branco.

    Enquanto o set estava sendo construído, a figurinista Jane Petrie (de As Sufragistas) começou a trabalhar em roupas para os personagens. “Eu não sou realmente o tipo de designer que imporia qualquer coisa no roteiro”, diz ela. “Eu tento encontrar tudo, para obter a resposta para cada página do script”. Seus primeiros encontros com Potter foram abertos, colaborativos e encorajadores. “Acabamos de falar sobre o roteiro e os personagens, e sobre como os vimos como pessoas, antes de conversarmos sobre como eles poderiam parecer e como eles poderiam se vestir”.


    O ponto de partida mais óbvio foi Tom, o único personagem cuja roupa – “um terno cinza metálico” – é descrita no roteiro. “Desde o início, Sally escreveu muito claramente como ele está vestido e arrumado”, diz Murphy. “Você conhece aqueles caras que têm muito dinheiro e gastam muito dinheiro em sua aparência. Eles gastam muito com cosméticos! Felizmente, Petrie conseguiu um terno Prada para Murphy vestir. “Eles muito gentilmente doaram o terno para o personagem”, diz Murphy, “então ele Prada da cabeça aos pés”.

    Quando se tratava de Janet, Petrie tinha que pensar exatamente de onde o personagem tinha vindo. “Eu sabia que, baseado na conversa com Sally, Janet tinha voltado para casa e queria organizar essa festa para as amigas sozinha. Então, ela literalmente entrou pela porta e foi direto ao trabalho. Ela está de fato em roupas de trabalho – exceto que ela tem seu avental. Ainda está de sapatos. Então, começamos a ver como as mulheres se vestem e qual o código de vestimenta delas. Queríamos que fosse algo autêntico em cena”.

    Quanto ao marido de Janet, Bill, Petrie aponta para o quão colaborativo foi o processo de projetar seu visual. “Todos trabalhamos juntos no Bill”, diz ela. “A primeira vez que eu conheci Tim, todo mundo tinha acabado de sair dos ensaios, então o texto estava fresco e todos cheios de ideias, e ele disse que imaginou Bill em um terno de linho. Isso realmente se encaixou bem para nós. E, na verdade, é uma jaqueta de linho amassada e um par de calças. Daí em diante, seguimos o conceito dado pelo Tim, pois era o seu instinto para compor o personagem”.


    Com o “irresistível” Gottfried vestido “um pouco como um guru”, sua parceira April deveria ser expressa como seu exato oposto. “Ela é tão temperamental e afiada no roteiro”, diz Petrie. “Eu pensei que nós poderíamos querer suavizá-la um pouco, então ela não é totalmente agressiva. Mas a interpretação é tão sutil e cheia de nuances, que você pode representá-la seguindo vários caminhos, acabamos seguindo com um olhar muito forte e uma roupa que funciona quase como uma armadura para ela, que reflete muito do que ela expressa em suas falas. Ela não é unidimensional, e tudo sai conforme o roteiro se desenrola.”

    Quando se tratava de Martha e Jinny, Petrie queria que elas se sentissem realmente como boas amigas. Sua primeira ideia foi vesti-las com os mesmos sapatos, como se estivessem fazendo compras juntas, mas ela acabou seguindo uma direção diferente. “Mas há um reflexo no modo como elas se vestem, com suas jaquetas, camisas e cores. Espero que esteja tonalmente equilibrando, pensando nelas lado a lado em preto e branco, fazendo com que funcione tanto na textura quanto nos personagens”.

    O Evento Principal

    Com as filmagens de A FESTA em junho de 2016 – momento em que o povo britânico votou no referendo para deixar a União Europeia –, não passou despercebido o quanto o tema do longa era oportuno. “Eu acho que este é, em seu núcleo, um filme profundamente político”, diz Patricia Clarkson. “Eu acho que a política influencia todos esses personagens, isso realmente molda suas vidas”. Timothy Spall concorda, acreditando que Potter aproveitou o clima da nação. "Isso está capturando algo, eu acho", diz ele. “As pessoas estão buscando integridade versus poder. Qual é a realidade da mudança? A sinceridade é suficiente? A honestidade é suficiente?


    Para Bruno Ganz, sendo estrangeiro, ele ficou particularmente impressionado com os temas que cercam o Serviço Nacional de Saúde da Grã-Bretanha e os sentimentos idealistas de Janet em relação à saúde do Estado. “Eu não sabia muito sobre o serviço de saúde britânico, que foi fundado após a Segunda Guerra Mundial, o que eu acho ótimo. Mas agora, depois de [Margaret] Thatcher, começa a ser modificado... Esse é um dos problemas nessa situação toda. É uma coisa muito britânica. Eu acho isso interessante. É um assunto muito sério”.

    Cillian Murphy também acredita que a trama diz muito sobre a vida política britânica. “Obviamente, está comentando – acho que é justo dizer – sobre o Partido Trabalhista”, diz ele. “Eu acho que é falar sobre relacionamentos e não há relacionamento normal hoje em dia. Há tantas variações do que é um relacionamento normal. A história trata sobre o estado dos relacionamentos de longo prazo, os relacionamentos que estão ligados ao poder... Tom fala sobre isso. Pessoas que se reúnem apenas para ter sucesso”.

    Com a política de Brexit no ar, a sequência de 14 dias de filmagem foi intensa para os atores. “Tem sido fisicamente desafiador para todos nós”, diz Clarkson. “Mas também nos ajudou na jornada”. Murphy concorda. “Nós precisávamos de alguns dias para firmar nossos pés, como em qualquer produção ou filme, mas, uma vez que estamos trabalhando, não sacrificamos nada”. Apesar da filmagem restrita, Sally Potter garantiu que “as performances” eram “dadas o tempo que é necessário”, conclui a diretora.


    Para o diretor de fotografia Aleksei Rodionov, que acabara de sair de duas séries de televisão com mais de 100 dias de filmagem, foi um choque. “Eu nunca tentei gravar um filme em apenas duas semanas”, ele ri. “Começamos a discutir isso e chegamos à decisão de que a única maneira de estar no cronograma seria filmar com uma câmera absolutamente livre: o que significa uma câmera portátil e um 'equipamento fácil' (um equipamento especial para operação de câmera portátil). Ficou claro que, usando uma câmera de peso tradicional em um suporte, não havia como estar no cronograma”.

    Rodionov estima que noventa por cento de A FESTA foi filmado manualmente, com apenas algumas cenas diferentes, que foram usadas no início da história antes da chegada dos convidados. Com tomadas que duravam até dez minutos, exigiu-se que o diretor de fotografia fosse mais ágil. “Senti uma espécie de impulso para filmar com grandes atores sem interromper toda a cena e estar tão perto”, diz ele. “Foi um impulso para eu estar a uma distância de dois, três pés deles. Realmente, foi fascinante para mim”.

    Apesar do espaço de treze anos entre A FESTA e Yes, sua última colaboração com a cineasta, ele admite que ele e Potter imediatamente estabeleceram seu antigo relacionamento. “Sally é única para mim”, observa o diretor de fotografia. “Eu trabalho com muitos diretores, mas não trabalho com diretores que são tão eficientes em seu trabalho. Além disso, ela é uma trabalhadora incrivelmente esforçada. Eu admito que ela é a primeira diretora a nunca ter uma cadeira no set! Ela está com a câmera ou no canto com o monitor ou com os atores, mas nunca apenas sentada. É incrível, realmente”.


    No final das filmagens, o editor de Potter, Anders Refn, estava no estúdio e começou a cortar algumas imagens. Refn, que também editou Ginger & Rosa, foi conquistado pelo o roteiro imediatamente. “Foi inovador para mim”, ele diz, “gostei do roteiro desde o começo. Essa foi a minha primeira reação. E isso é muito importante para mim: minha primeira impressão do filme. Discutimos que Sally queria fazer isso em preto e branco, e acho que é uma coisa muito boa de se fazer. Já passou muito tempo desde que vimos o preto e branco no cinema”.

    Enquanto eles também discutiram o conceito, a câmera e o local do estúdio, outras conversas iniciais, lembra o dinamarquês Refn, giravam em torno do dramaturgo russo Anton Chekhov e outras influências importantes. “Sally e eu temos visto muitos dos mesmos filmes”, diz o editor. “Nós temos essa linguagem comum. Ela ama Buñuel, ela ama Renoir, ela ama a ‘nova onda’ francesa. Você se refere a muitos filmes quando está trabalhando junto de alguém”.

    Refn admite que o relacionamento deles era necessariamente combativo. “Você tem que ser honesto na sala de edição. Você não pode falar gentilmente com as pessoas. Você tem que dizer o que pensa e ser honesto, e isso às vezes pode levar a longas discussões. Mas essa é a tradição escandinava – o papel do editor não é apenas de ser um colaborador leal, mas um crítico, e um crítico duro. Todas as críticas são interessantes antes da noite de abertura, mas depois da noite de abertura, é apenas patético. Você pode ser feliz, pode chorar, mas não pode mudar o filme”. Sally trabalhou com uma segunda editora, Emilie Orsini, no ajuste do longa. Juntas, criaram a versão final do filme, trabalhando tanto na França, terra natal de Emilie, quanto em Londres. Para Emilie, é o senso de aventura que mais se destaca quando se trabalha com Sally: “Ela tem a capacidade de levá-lo a uma jornada criativa, onde você é capaz de se expressar e trazer o seu melhor. Ela é uma mulher forte, com habilidades incríveis de contar histórias. Trabalhar com ela foi um privilégio”.


    Com A FESTA, pelo menos no que diz respeito à produção, o que o público pode esperar? “Acho que eles ficarão sem reação, desarmados”, diz Murphy. “Tem tantos elementos diferentes para isso. Em primeiro lugar, deve ser divertido. Em segundo lugar, deve encantá-los. E, em terceiro lugar, esperamos fazê-los pensar sobre as coisas. Essa é a minha ambição para isso de qualquer maneira”. Potter promete uma montanha-russa. “É um pouco de 'aperte seus cintos de segurança, isso vai ser uma viagem atribulada', com muitas surpresas”, diz a diretora sorrindo.

    “O que eu encontro no filme é ternura, honestidade, humor”, diz Sheppard. “É muito engraçado. Há muitos momentos cômicos. Essa é uma das experiências mais gratificantes que você obtém como cineasta, quando mostra seu filme pela primeira vez a uma audiência real e ela ri das piadas. É uma enorme sensação de alívio que vem com isso. Mas eu acho que é a mistura da ternura e da compaixão pelos personagens... Eu acho que isso é fundamental para o que Sally escreve. Você pode amá-los mesmo que eles tenham defeitos”.

    SOBRE O ELENCO

    PATRICIA CLARKSON (APRIL)

    Patricia Clarkson é uma atriz indicada ao Oscar e vencedora do Emmy. Seus filmes recentes À Espera de um Milagre, O Agente da Estação, A Mentira e Longe do Paraíso, entre outros.
    Recentemente, Patricia foi vista ao lado de Bradley Cooper em The Elephant Man, pelo qual recebeu uma indicação ao Tony. Após a temporada de sucesso na Broadway, o elenco reprisou seus papéis no West End no Theatre Royal Haymarket. Outros créditos da Broadway e off-Broadway incluem: Three Days of Rain, Raised in Captivity, Eastern Standard e o papel de “Blanche” em Um Bonde Chamado Desejo no The Kennedy Center.
    Na televisão, Patricia fez sucesso com a série Six Feet Under, e, mais recentemente, em Parks and Recreation. Ela também está no elenco da produção da Netflix, House of Cards.


    BRUNO GANZ (GOTTFRIED)

    Bruno Ganz começou sua carreira como ator na década de 1960, aparecendo principalmente em produções teatrais. Posteriormente, ele prontamente migrou para os filmes e teve seu primeiro grande papel em 1976, com Sommergäste. Desde então, Bruno celebra uma proeminente carreira como um dos principais atores da Alemanha, estrelando produções europeias e americanas. Ele é mais conhecido por trabalhar com diretores aclamados internacionalmente, incluindo Werner Herzog, Wim Wenders, Ridley Scott e Francis Ford Coppola. Ao longo dos anos, Bruno ganhou inúmeros prêmios, além de ser homenageado com o Lifetime Achievement Award no European Film Awards de 2010.

    CHERRY JONES (MARTHA)

    Cherry Jones é uma atriz norte-americana, mais conhecida por seu trabalho no teatro e na televisão. Ela atuou mais recentemente na revitalização triunfante de The Glass Menagerie, de Tennessee Williams, que se originou no American Repertory Theatre em Cambridge, Massachusetts, onde ela é membro fundadora e onde, no início de sua carreira, ela apareceu em mais de 25 produções. 
    Cherry é cinco vezes indicada ao prêmio Tony por seu trabalho na Broadway, vencedora do prêmio de 1995 por The Heiress e pela produção original de Doubt em 2005, pela qual também ganhou o Drama Desk, Lucille Lortel, Outer Critics Circle e Prêmios Obie. Seus outros créditos na Broadway incluem a peça Amigos Imaginários de Nora Ephron, Angels in America, Millenium Approaches e Our Country's Good.
    Cherry pode ser reconhecida por seu papel como a presidente dos EUA, Allison Taylor, na série da Fox, 24 Horas, pela qual ela ganhou um Emmy. 


    EMILY MORTIMER (JINNY)

    Emily Mortimer é uma atriz e produtora britânica, conhecida por seu trabalho no cinema e na televisão. Filha do famoso escritor Sir John Mortimer, ela frequentou a Escola de Meninas de St. Paul em Hammersmith, Londres, e passou a estudar inglês e russo na Universidade de Oxford.
    Emily está atualmente filmando a nova adaptação de MARY POPPINS da Disney, estrelada por Meryl Streep, Colin Firth e Emily Blunt, e dirigida por Rob Marshall. Ao longo de sua carreira, Emily trabalhou com vários diretores aclamados. 
    Seu trabalhos no cinema de maior destaque são A Garota Ideal, Encontro de Irmãs, Expresso Transiberiano, e Ponto Final: Match Point. 

    CILLIAN MURPHY (TOM)

    Um dos atores mais aclamados e versáteis de sua geração, Cillian Murphy já atuou em grandes sucessos de estúdio, filmes independentes premiados, uma famosa série de televisão e nos palcos de Londres, Nova York e em todo o mundo. Ele está no épico Dunkirk, de Christopher Nolan, na comédia de tiroteio de Ben Wheatley, Free Fire, entre outros. Para a televisão, Cillian também estrela como Thomas Shelby na saga de gângsteres da BBC Two/Netflix, Peaky Blinders.
    Cillian atraiu pela primeira vez a atenção internacional por seu desempenho em Extermínio, de Danny Boyle. Em 2005, ele fez uma impressão indelével como Dr. Jonathan Crane/O Espantalho em Batman Begins, de Christopher Nolan, pelo qual recebeu uma indicação ao London Film Critics ’Circle Award. No mesmo ano, o ator recebeu uma indicação ao Globo de Ouro por seu trabalho em Café da Manhã em Plutão.


    KRISTIN SCOTT THOMAS (JANET)

    Kristin Scott Thomas é uma atriz bilíngue que trabalha em francês e inglês. Ela é a ganhadora de um BAFTA, quatro Evening Standard Awards, um London Critics ’Circle Award e um Screen Actors Guild Award por seu extenso trabalho no cinema, bem como um DBE por seus serviços ao drama.
    O papel que mostrou Kirstin ao mundo foi a comédia romântica britânico Quatro Casamentos e Um Funeral, estrelando ao lado de Hugh Grant e Andie MacDowell, pelo qual ela ganhou o prêmio de Melhor Atriz nos BAFTA de 1995. Ela é talvez mais conhecida por estrelar em 1996 o filme vencedor O Paciente Inglês, ganhador de diversos prêmios, pelo qual ela recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz. 
    Os créditos recentes de Kristin para o teatro incluem The Audience, de Peter Morgan, produção de Electra no Old Vic por Ian Rickson, após as aparições nas produções do West End e Betrayal no West End, e sua aclamada encenação do The Seagull no Royal Court. Por sua interpretação de Arkadina em The Seagull, ela recebeu o Prêmio Olivier de 2008 de Melhor Atriz, reprisando o papel na Broadway no ano seguinte. 

    TIMOTHY SPALL (BILL)

    Timothy Spall é um dos atores mais amados e talentosos da Grã-Bretanha. Ele estudou no National Youth Theatre e no RADA, e começou sua carreira de ator no teatro, com temporadas no Birmingham Rep e no RSC. Recentemente, vimos Timothy voltar ao palco celebrado The Caretaker no The Old Vic. Ele recebeu grande aclamação por seu papel como J.M.W Turner em Sr. Turner, de Mike Leigh, pelo qual ele ganhou sete prêmios internacionais, incluindo o prêmio de Melhor Ator do Festival de Cinema de Cannes.
    Timothy é talvez mais conhecido por seu papel como Peter Pettigrew na série de filmes Harry Potter, e seu trabalho em diversos filmes inclui: O Discurso do Rei, Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet, Ou Tudo Ou Nada, entre outros.

    ASSISTAM AO TRAILER


    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top