• ÚLTIMAS...

    RICHARD STANLEY - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS


    Richard Stanley é um daqueles diretores que começaram por um cult movie e pouco depois, foi de uma produção complicada e fracassada para o anonimato.

    Ele realizou Hardware, que se tornou campeão de locações em VHS. Depois veio "Colecionador de almas" para então entrar no problemático "Ilha do Dr. Moreau". Foi demitido e substituído pelo magnifico John Frankenheimer, que nada fez para melhorar o desastre...

    Com sua vestimenta característica, Richard Stanley fala hoje um pouco das suas preferências, nas 7 perguntas capitais.

    Confiram: 

    1.Como começou a trabalhar na Indústria Cinematográfica?

    R.S.: Eu assisti King Kong (1933) bem garoto e persuadi minha mãe a comprar uma câmera Super 8. Depois eu evolui para 16 mm. Na sequência, fiz filmes Underground, depois musicais. Daí parti para o cinema.



    2.Qual a experiência em sua vida dedicada à arte que você nunca esqueceu?

    R.S.:Eu tomei um porre com Marlon Brando e fiquei chapado com Dario Argento. 

    M.V.:Nada pode ser mais importante e marcante que isto..

    R.S.:Geralmente as experiências mais memoráveis na minha vida não tem nada a ver com arte ou cinema, tipo um pão fresco que comi quando criança em Moçambique ou quando que vi uma cidade queimar durante o cerco de Jalallabad, no Afeganistão, lá em 1989, no período de guerra. Fazer amor com minha primeira namorada sempre vem a minha mente ou assistir King Kong aquela primeira vez quando criança e depois já adulto encontrar u,m gorila de costas prateadas real no topo de um vulcão africano. Eu mantive minha cabeça baixa. A fera fez contato comigo, me tocando e brincando com uma mecha do meu cabelo.Inesquecível.



    3.Na sua opinião, qual trabalho que realizou para o cinema considera o melhor?

    R.S.:"The White Darkness" que fiz em 2001. Um documentário de 52 min. que confronta Vodu com Missionários cristãos no Haiti é provavelmente meu trabalho mais completo e que eu fiquei mais feliz com o resultado.



    4."Hardware - o destruidor do futuro" se tornou um Cult Movie. Na minha opinião, um dos melhores filmes de ficção científica já feitos, com um dos melhores e mais apavorantes robôs do cinema. Você pode me dizer algumas curiosidades sobre essa produção? 

    R.S.:O filme foi feito com 1 milhão de dólares no mesmo ano que eu voltei da guerra.  A média de idade no set de filmagens era de 16 anos.

    M.V.:Meu Deus !! Estudantes...

    R.S.:A maior parte do dinheiro veio de Harvey Weinstein, que era um babaca já naquela época. Bill Paxton foi escalado para viver o papel central, mas Harvey insistiu em trocá-lo por Dylan McDermot. Lemmy, que faleceu em 2015, apareceu no filme depois de tomar uma garrafa de Jack Daniels.


    Eu filmei contra o relógio, revezando duas equipes no set durante 24 horas por dia tentando extrair o máximo daquilo tudo, o que significou que fiquei acordado por 6 semanas. Acredite, foi uma loucura.

    O filme foi editado por 3 pessoas diferentes depois que o primeiro editor morreu no trabalho. Nenhum de nós os envolvidos vimos um centavo dos direitos do filme graças ao contador do  Harvey.

    Mas o filme seguiu sendo distribuído desde então.

    M.V.:Eu sou apaixonado pelo filme. Tenho uma edição belíssima que saiu por aqui, incluindo um disco de extras e um disco com a trilha sonora. Eu inclusive escrevi sobre o filme e a edição aqui (Hardware)

    R.S.:Que legal. Parabéns.


    5.Agora sobre cinema em geral. Quais filmes marcaram sua vida? Existe alguma lista especial, tipo os 10 +?

    R.S.:Eu não gosto de fazer listas porque elas restringem, de certa forma e minhas preferências tendem a variar dia a dia, dependendo do humor, mas geralmente há aqueles que me fazem sentir melhor. Aqueles que me fazem sentir melhor por estar vivo, tipo...."O espelho" de  Andrei Tarkovsky (75) ou "Meu ódio será sua herança (69)" do Peckinpah. No cinema de gênero, eu amo A Nova Viagem de Sinbad (1973) e o Fantasma (1979), de Don Coscarelli, que foi um filme bastante original. Ambos chegaram a mim na idade certa, quando jovem.


    E é claro, King Kong (33), que será sempre o grande evento que ocorreu no mundo  e provavelmente, o maior filme já feito.



    6.Fale um pouco sobre seus próximos projetos.

    R.S.:Alguns, mais não quero falar muito deles por medo de que não deem certo por conta disto. Eu tenho um saindo agora, adaptado de um roteiro que trabalhei que envolve vaidade, vampirismo e os limites extremos terapia genética. Se chama "Replace (17)" e foi dirigido por Norbert Keil , que eu fiquei razoavelmente satisfeito com o resultado.


    7.E se pudesse deixar uma lição do tempo que se dedica à arte, qual seria?

    R.S.:A habilidade de viver sem dormir e continuar tomando decisões lúcidas é, em última análise, mais importante para sua longa sobrevivência na indústria cinematográfica do que inteligência ou mesmo, talento.

    M.V.:Muito obrigado, meu amigo. Sucesso na sua jornada mítica.



    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top