RUTANYA ALDA - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

Rutanya Alda trabalhou em muitos filmes importantes como Pat Garrett e Billy the Kid (1973), O Pirata Escarlate (1976), A Fúria (1978), O Franco Atirador (1978), este último inclusive, é um dos filmes da minha vida. Fez também Espantalho (1973), Mamãezinha Querida (1981) para citar mais alguns...porém foi com Terror em Amityville (1982) que eu a conheci na telas. Ela fez o papel da mãe da família Montelli, que é assombrada no filme. 

Rutanya nasceu  Rutanya Skrastina em Riga, na Letónia. Foi casada durante quase 30 anos com o ator Richard Bright, que morreu tragicamente atropelado por um ônibus de turismo em Manhattan. Bright, para quem não se lembra, teve uma longa carreira no cinema, e fez dentre muitos papéis, a trilogia "Poderoso chefão". Ele era o guarda costas do Micheal Corleone .

Confira nossa entrevista:


1) Como você começou a trabalhar na indústria do cinema?

R.A.: Eu comecei a trabalhar na indústria cinematográfica no final dos anos 60. Fiz uma estudante do ensino médio em um filme com Sandy Dennis chamado "Subindo por onde se desce". Esse foi o meu primeiro trabalho como figurante. Trabalhei nesse filme por cerca de duas semanas. Depois, fui dublê de corpo no filme "Bebê de Rosemary", com Mia Farrow, dirigido por Roman Polanski. Eu fiquei no filme por 6 semanas. A partir daí, trabalhei no Hello Dolly com Barbra Streisand e o fabuloso Gene Kelly dirigindo. Hoje eu estou escrevendo sobre meus primeiros anos como atriz e contarei histórias mais detalhadas no meu livro "O diário da Mamãezinha querida", no capítulo um.

2) Qual experiência do seu tempo dedicado à arte que você nunca esqueceu?

R.A.: Isso é muito difícil de dizer, uma vez que cada experiência é única e valiosa. Há destaques na carreira como trabalhar para Brian de Palma em seus primeiros filmes e o grande Michael Cimino no "Franco atirador". Mas cada experiência tem seu valor único.

3) Qual trabalho de sua carreira você considera o melhor?

R.A.: Novamente considero cada trabalho valioso. Muitas vezes a melhor parte é cortada na sala de edição e não é vista, mas a memória o trabalho ainda está muito viva, mesmo anos depois.

4) "Amityville 2 - a possessão" é um "cult movie" e meu preferido da série. Você pode me contar algumas curiosidades sobre esta produção?

R.A.: Eu escrevo sobre trabalhar com Damiano Damiani justamente no primeiro capítulo do meu livro. Adorei trabalhar com Damiano. Eu acho que ele fez o filme o melhor. Ele teve sua própria visão das complexidades da história e é por isso que penso que o filme se mantém hoje como um dos melhores "cult movies" de terror. Nós filmamos o exterior da casa em Toms River, New Jersey e todos os interiores na Cidade do México, nos estúdios Chirubusco. Os funcionários mexicanos foram fantásticos. Construímos toda a casa dentro daquele grande estúdio. O diretor falava inglês, mas sua equipe era italiana e não falava. Então, tivemos um tradutor de italiano para espanhol e espanhol para o italiano ... e o tradutor em inglês também. Então, realmente teve uma sensação internacional.

Adorei trabalhar com Burt, Diane e Jack, e James. Todos foram ótimos para trabalhar, muito profissionais e adoráveis. O filme, em muitos aspectos, estava à frente de seu tempo ... a cena de semi nudez com Diane foi cortada pois era a cena de abuso quando Burt, possuído, a  estuprava violentamente. Hoje talvez eles o deixassem entrar, mas quando eles testaram o filme naquela época, a plateia ficou profundamente incomodada com a minha cena com Burt e eles cortaram. E houve um enorme incêndio no estúdio, bem perto de nós, quando o filme e todo o estúdio foram destruídos. Tivemos que parar de filmar naquele dia. Mas eles controlaram e voltamos. 

5) Você assiste muitos filmes? Há uma lista de filmes que você mais gosta? Algo como um top 10...

R.A.: Isso é muito difícil para mim. Eu vejo todos os filmes porque sou membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Nós nomeamos e votamos nos Óscares. Então eu vejo tudo ao pé do ouvido. Os filmes estrangeiros são meus favoritos. Eu acho que eles são únicos e originais ao lidar com a condição humana. Adoro filmes como "Eu,  Daniel Blake", "Um homem chamado Ove" e "Terra das minas" eram filmes estrangeiros que me interessavam de maneira real. e o filme "A criada” foi um dos meus favoritos dos últimos tempos.  Eu votei nele para  melhor filme.

6) Agora fale um pouco sobre os seus próximas projetos.

R.A.: Eu estou preparando algumas coisas, vamos ver se funciona. Eu também estou escrevendo agora, como dito acima.

7) Para finalizar, deixe uma lição valiosa de sua vida dedicada ao cinema.

R.A.: Eu acho que o único conselho que tenho é: siga a sua paixão. Tem que ser uma forte paixão caso contrário, este é um "negócio" muito doloroso, e não me refiro à arte, mas o negócio. É muito difícil para ganhar a vida, portanto os atores e atrizes aqui sempre têm outro trabalho.  Mas quando você termina um filme ou uma peça de teatro, você está sempre desempregada, sempre fora do trabalho e é muito difícil. Os atores e atrizes vivenciam isso, bem como outras funções diretores, etc. ... Então é bom ser realista. Eu acho muito importante que  estudem o tempo todo quando não estão atuando ... Isso melhora seu ofício e o mantém vivo de forma criativa. Nós sempre crescemos e é importante crescer não apenas como um artista, mas como um ser humano... Precisamos nos tornar humanos melhores e mais compassivos. Nosso trabalho e nossa vida estão relacionados.

M.V.: Obrigado pela atenção. A gente se vê nos filmes.

R.A.: Tudo de bom para você!

Tecnologia do Blogger.