• ÚLTIMAS...

    A JOVEM RAINHA (2015) - FILM REVIEW



    Amor em tempos de cólera

    Mais um importante lançamento da Mares filmes, distribuído pela A2 filmes, com a história da enigmática e conflituosa Cristina (Malin Buska), a rainha coroada da Suécia. Criada rigorosamente como um príncipe, ela assume sua posição como líder e, inspirada pela filosofia, enfrenta grande resistência à suas ideias de modernizar a Suécia e acabar com a Guerra dos Trinta Anos, entre protestantes e católicos. Além dos problemas políticos, Cristina ainda precisa lidar com a sua crescente atração por uma dama de companhia. 

    O filme já sugere ambiguidade com o título original: The Girl King, algo como "A garota rei".  A produção, super bem cuidada, fica a cargo do finlandês Mika Kaurismäki, que flertou com o nosso país algumas vezes, através de documentários sobre nossa cultura (Brasileirinho - Grandes Encontros do Choro - 2005, Bem-Vindo a São Paulo - 2004 , Moro No Brasil - 2002, Amazon - 1990). Ele inclusive tem residência no Brasil.

    Uma das estrelas do filme, o sueco Michael Nyqvist, que muitos conhecem pela trilogia Millenium, faleceu dia 27 de junho, vitimado por um câncer nos pulmões. A atriz  Malin Buska parece um hibrido de duas atrizes que você talvez conheça, mas não sabe o nome.


    Feminista, estava adiante de seu tempo e procurou viver como pensava.

    Cristina foi a Rainha da Suécia de 1632 até sua abdicação em 1654. Era a única filha do rei Gustavo e sua esposa Maria . Ela ascendeu ao trono sueco com apenas seis anos de idade após a morte de seu pai na Batalha de Lützen. Sendo a filha de um defensor do protestantismo na Guerra dos Trinta Anos, Cristina causou escândalo ao abdicar em 1654 e converter-se ao catolicismo. Ela passou seus anos restantes em Roma, tornando-se a líder da vida musical e teatral local. Como rainha sem um país, ela protegeu muitos artistas e projetos. Cristina morreu em 1689 e é uma das poucas mulheres enterradas no Vaticano (informação que inclusive, aparece no final do filme).

    Em sua autobiografia, em 1681, Cristina escreveu: "Em minha opinião, as mulheres nunca devem reinar." Ela escreveu isto apesar de ter governado a Suécia por mais de duas décadas, com uma boa dose de sucesso. 

    Cristina era mal-humorada, inteligente e interessada em livros e manuscritos, religião, alquimia e ciência. Ela queria que Estocolmo se transformasse na "Atenas do Norte". Influenciada pela Contrarreforma, ela cada vez mais se atraiu pela cultura barroca e mediterrânea que desenvolveu-se longe de seu pais. Seu estilo de vida incomum e vestuário e comportamento masculino inspirariam vários romances, peças teatrais, óperas e filmes.


    Ela queria um menino, e assim Cristina foi...

    Sua mãe sentia grande culpa por não haver dado ainda um herdeiro para o trono, depois de ter perdido dois bebês, sucessivamente. O nascimento da criança real, que desejavam ser um menino, ocorreu durante uma rara conjunção astral que trouxe muita expectativa. Os astrólogos previram que nasceria um menino com inteligência excepcional. O bebê era grande e tinha muito cabelo e os porta vozes informaram que havia nascido um príncipe, "enchendo o palácio com falsa alegria", como diria Cristina mais tarde.

    Rei Gustavo não deu a menor importância e até fez uma espécie de piada, dizendo que a filha seria muito mais inteligente do que o normal, pois, ao nascer, já teria enganado toda a Corte. Cristina recebeu a educação de um herdeiro: idiomas estrangeiros, arte militar, política, ciências e equitação, na maioria das vezes usando roupas masculinas. Ainda criança, mostrava uma precocidade que impressionava Descartes, que foi seu preceptor. Gustavo Adolfo morreu na batalha de Lützen (Alemanha), em novembro de 1632.


    Garota rei

    Em fevereiro de 1633, o Parlamento declarou a jovem herdeira de 16 anos Rei da Suécia - o termo Rainha era usado para a esposa do monarca. Durante a minoridade, a Suécia foi governada pelo regente Axel Oxenstierna, mas Cristina frequentava as sessões do Conselho de Estado, sem que nada escapasse de sua sensibilidade apurada. Ao completar 18 anos, começou seu reinado.


    O filme

    Christina foi a frente do seu tempo. Mas o que era futuro para ela, é presente para nós. Suas atitudes que romperam paradigmas dialogam com o momento atual dando maior credibilidade ao filme e reconhecimento de sua personagem. A história foi adaptada em 1933, 244 anos depois de sua morte, a história da Rainha Cristina foi adaptada  a primeira vez com as estrelas Greta Garbo (também sueca) e John Gilbert. Depois disto, "a Rei" apareceu em mais de uma dúzia de filmes, mostrando que sua história sempre despertou interesse por parte dos produtores e do público, claro.
    Vale a conferida, principalmente se não conhece a história


    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top