• ÚLTIMAS...

    TRANSFORMERS: O ÚLTIMO CAVALEIRO (2017) - CRÍTICA


    Atenção...não leia este texto. Vá fazer outra coisa. Leia um jornal on line, veja Netflix, vá jogar baralho...sei lá. Mas não leia o texto abaixo.

    A Frase acima parece lógica? Claro que não...

    É a mesma lógica do filme de Michael Bay. Ele parece te incitar a desistir do que está vendo. É um daqueles filmes que os fracos vão sair no meio. Vou falar alguns absurdos, dando spoilers do início ao fim, e acreditem, não fará a menor diferença para que ainda não viu.

    Primeiro, não é um filme. É uma sucessão de coisas...Algumas fazem sentido..outras não. Imagina você assistindo esta produção na Tela Quente. Agora pense que, a cada intervalo, você assistirá um recorte que parece parte de um todo diferente. Assim é Transformers 5.


    Voltando no tempo

    A "saga" começou em julho de 2007. Uma produção de 150 milhões, fez 709. Promissor. Mas poderia ter parado por ali. Estrelado pelo problemático Shia LaBeouf e apadrinhado por Steven Spielberg, a produção é divertida. Lembro que na época o filme recebia até 4 estrelas de críticos. Revi várias vezes, e confesso que o filme piora a cada revisão. Cada vez que assisto, me sinto um idiota, tentando achar coisas relevantes numa produção que foi feita para explodir nos multiplex, ter 25 continuações e pronto. Nada mais.

    O sucesso do filme rendeu a primeira continuação em 2009. O filme, que não flui em momento algum, custou 200 milhões e rendeu 836. Mesmo com Spielberg falando que achou o filme problemático, e que o próximo seria melhor, o filme rendeu mais ainda que o anterior. E o que isto significa? Não importa a história. Se houver muito barulho (por nada), Bay e Transformers, as pessoas vão assistir.  Quer uma prova?

    O terceiro filme. Custou quase o mesmo valor do segundo e rendeu 1 bilhão e 123 milhões mundialmente. E neste filme, Bay começa a subverter as idéias que ele mesmo prega (chega ao  ápice no quinto filme). Aqui, a humanidade (digo, os americanos) já sabiam dos Transformers desde a ida do homem a Lua. O filme é bem mais apoteótico que o primeiro. Witwicky troca de namorada sem muitas explicações (Megan foi esperta e pulou fora...). Continuam participações inacreditáveis, como Frances McDormand e John Malkovich. John Turturro continua fazendo não sei o que no filme. Uma hora é uma coisa, outra hora é outra. Mas o público pagou a conta, gerando, irresponsavelmente o quarto filme !!!


    Com 210 milhões no orçamento. Elenco todo modificado. 2 horas e 45 minutos de filme, chega as telonas em 2014 os Dinobots. Resultado? 1 bilhão e 100 milhões para os cofres da Paramount. Mas agora, até que enfim, Bay anunciou que foi o último. Ufa...Chega desta barulheira infernal, piadinhas sem sentido, efeitos de primeira e muitas cenas de horizonte (com Sol se pondo).

    E eis que em 2017, renascem os robôs dispostos a mudar tudo de novo. Mas desta vez, duas novidades: Primeiro, o filme termina com um gancho covarde, quase como se dissesse que o que viu não valeu de nada. Segundo, como Transformers estreou no fogo cruzado de grandes lançamentos (Homem aranha, Dunkirk, Mulher Maravilha), a produção rendeu até agora 520 milhões. Metade dos dois últimos e periga nem chegar no valor do primeiro filme. Sinal positivo... Aí anunciam  o filme solo de Bumblebee.

    É o apocalipse.

    E a história do Último Cavaleiro? O filme começa com uma cena cópia de Gladiador. Até alguns ângulos são os mesmos (aliás, há referências explicitas a Alien, Star Wars e Segredo do Abismo no decorrer ). Mas voltando. Em uma batalha de dois grupos (tipo Flamengo e Vasco, Esquerda vs Direita, Tv Paga vs Streaming), Merlin vai pedir ajuda a um transformer, que inexplicavelmente o elege guardião de um cetro de máxima importância, que definirá os rumos daquela batalha e do mundo, 1600 anos depois. Mas tipo...o Transformer nem quer saber qual lado é o certo. Fica a sensação de que "o primeiro que chegasse levaria...". 

    O Cetro é enterrado junto com Merlin num túmulo a descobrir futuramente. Mas só uma herdeira legítima (só faltava dizer que precisava ser virgem) pode achar, junto com o escolhido (também, totalmente aleatório) Cade Yeager (Mark Wahlberg) do filme anterior. Mais uma vez, a atriz do filme anteior declinou do filme (no caso, a filha de Yeager), e eles arrumam uma desculpa para tudo fluir.


    E pior. Anthony Hopkins dando uma de Kingsman, só que ruim. Há um momento no castelo que senti que estava no meio do filme "Todo mundo em pânico". Horrível. Para piorar, ele resolve sair de cena certa hora, de forma tão brusca, que parece que estava apertado para ir ao banheiro.  Mas ele volta depois (hein?), e meio que se suicida...(juro...vejam o filme para entender), já que ele encara Megatron com uma espingarda (sendo que ele nem precisava estar na cena). Sério. Parece que o ator tinha um compromisso, voltou, mas lembrou que tinha outro.

    Interessante como o roteiro vai para lá e para cá, de forma desconectada com a franquia e com o próprio filme. Há crianças no inicio estilo Stranger  Things, só que são esquecidas pela história. Bee recupera a voz inexplicavelmente, numa hora pontual (quase necessária). Optimus some e aparece novamente quase no final, como mocinho enfeitiçado pela vilã (hein??? robô enfeitiçado???). Megatron volta (de novo!!) e morre (de novo!!). E você tem que estar atento para ver isto. Os dinobots são tão incríveis e poderosos, que ficam de fora, pois quando aparecem, a batalha perde a graça !!! Aliás, outro momento ridículo: eles tem filhotes !!!!! e Mark Wahlberg os trata como cães domesticados em casa !!!!!!!!


    E a batalha final? Tipo Star Wars com Independece day 2. Uma confusão visual, que você não entende nada. Olhei no relógio quase que de minuto em minuto, para ver se estava acabando. E quando acaba, acontece de forma abrupta.

    O filme é disparado o pior. Daqueles que você nunca mais assiste. Bay esgotou as possibilidades e mudou os rumos várias vezes (Transformers cavaleiros da távola redonda é o fim). Soldadinhos de chumbo correndo atrás dos mocinhos inexplicavelmente, até no final mudarem de lado apenas tirando um adesivo das roupas. Optimus liquida 6 Deceptions numa única espadada !!! A vilã, que parecia interessante, só parecia. 

    Enfim, a coisa toda finaliza de forma covarde, como eu disse acima. Bay te chamou de idiota e ainda diz que fará o próximo caso você pagasse para ver. E infelizmente, você pagou...  

    OBS: Bay conseguiu um recorde: causar uma explosão antes mesmo de começar o filme.  Dificilmente tiram dele o posto de pior Blockbuster do ano. 


    BAY EM AÇÃO

    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top