• ÚLTIMAS...

    20 FILMES SOBRE SAMURAIS QUE PRECISAM CONHECER



    Samurai era um termo para a nobreza militar da pré-industrial do Japão. Em outras palavras, eram guerreiros japoneses que defendiam os senhores feudais. A palavra “samurai” é derivada do japonês arcaico, do verbo “samorau”, alterado para “saburau”, que significa “servir” ou “aquele que serve”. Foi entre os séculos XII e XIV que ganharam grande importância e prestigio na sociedade, sendo referidos como mártires...

    Dia 24 de abril foi intitulado o Dia do Samurai (acreditem, no nosso país tem este dia).

    Nós do "Tudo sobre seu filme" homenageamos este dia com 20 filmes incríveis (dos muitos e muitos que existem).

    Divirtam-se:


    Lord Asano (Yoshizaburo Arashi) se recusa a aceitar suborno de um membro da corte de Shogun. Sua honestidade, entretanto, é desprezada pelo Estado corrupto e ele é obrigado a cometer suicídio. Os samurais estão desamparados após a morte de seu mestre. O líder dos samurais Oichi irá mobilizar outros guerreiros para vingar a morte de Asano.

    Este é um filme dividido em duas partes. A primeira parte foi lançada originalmente no Japão antes do ataque a Pearl Harbor. O filme foi adaptado a partir da peça de Seika Mayama. A película desenvolve a crônicas do final da vida dos 47 Ronin, que tornaram-se (baseado historicamente) uma lenda na história japonesa. 
    Confiram aqui quem foram os 47 Ronin...
    E clique aqui para conhecer as versões da história.


    Japão, século XI. Durante uma forte tempestade, um lenhador, um sacerdote e um camponês procuram refúgio nas ruínas de pedra do Portão de Rashomon. O sacerdote diz os detalhes de um julgamento que testemunhou, envolvendo o estupro de Masako e o assassinato do marido dela, Takehiro, um samurai. Em flashback é mostrado o julgamento do bandido Tajomaru, onde acontecem quatro testemunhos, inclusive de Takehiro através de um médium. Cada um é uma "verdade", que entra em conflito com os outros.

    Foi primeira obra-prima de Akira Kurosawa. O filme não apenas apresentou ao mundo o cinema do Japão, mas também trouxe inúmeras inovações técnicas e narrativas (foi o 1º filme a ter uma cena em que a câmera apontava diretamente para o sol!!), gerando uma onda avassaladora de admiração pelas proezas conseguidas pelo cineasta oriental. O que temos aqui é um daqueles filmes-chave que, de tempos em tempos, impulsiona a linguagem cinematográfica para um novo patamar. Neste sentido, “Rashomon” se alinha a “O Nascimento de uma Nação” (1915), “Cidadão Kane” (1941) e algumas poucas obras fundamentais. Também foi refilmado várias vezes.



     Em 1159, no Japão feudal da Era Heian, durante uma revolta contra o imperador, um samurai insiste em conquistar uma mulher casada. Portal do Inferno é uma história trágica de amor e obsessão dirigida brilhantemente por Kinugasa, que usa as cores de maneira dramática, inspirando-se nos teatros Nô e Kabuki.

    Lendário clássico japonês de Teinosuke Kinugasa que conquistou o mundo em 1954, recebendo a Palma de Ouro no Festival de Cannes e os Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e Figurino.


    No século XVI, durante a era Sengoku, quando os poderosos samurais de outrora estavam com os dias contados pois eram agora desprezados pelos seus aristocráticos senhores (samurais sem mestre eram chamados de "ronin"). Kambei (Takashi Shimura), um guerreiro veterano sem dinheiro, chega em uma aldeia indefesa que foi saqueada repetidamente por ladrões assassinos. Os moradores do vilarejo pedem sua ajuda, fazendo com que Kambei recrute seis outros ronins, que concordam em ensinar os habitantes como devem se defender em troca de comida. Os aldeões dão boas-vindas aos guerreiros e algumas relações começam. Katsushiro (Ko Kimura) se apaixona por uma das mulheres locais, embora os outros ronins mantenham distância dos camponeses. O último dos guerreiros que chega é Kikuchio (Toshiro Mifune), que finge estar qualificado mas na realidade é o filho de um camponês que almeja aceitação.

    As filmagens de Os Sete Samurais tiveram que ser interrompidas por diversas vezes devido à falta de cavalos para a realização das cenas finais de batalha; O ator Seiji Miyaguchi, que interpreta o samurai Kyuzo, nunca havia tocado em uma espada antes de rodar Os Sete Samurais. Foi graças à uma cuidadosa edição usada no filme que o ator pôde passar para o público a impressão de que ele era um mestre na arte espadachim.



    A história conta a saga de dois camponeses, Tahei e Matashichi que fogem da destruição causada por uma batalha. No caminho, eles encontram o general Rokurota Makabe, que está escoltando a princesa de uma família nobre e suas riquezas para um lugar seguro. Os camponeses passam a acompanhar o general e a princesa, pensando em roubar o ouro. Numa pousada, eles compram de um traficante de escravos a filha de um fazendeiro. O grupo então segue seu caminho em território inimigo, buscando um lugar onde a princesa e o general possam reconstruir um exército para retomar suas terras perdidas.

    A "Fortaleza Escondida", inspirou o filme "Star Wars" de George Lucas, mostrando a primorosa combinação do humor, cenas de ação e compaixão humana em escala Épica.


    No Japão do século XIX, Sanjuro (Toshirô Mifune), um samurai errante, entra em uma pequena cidade rural. Ao descobrir pelo estalajadeiro que a cidade é dividida em duas gangues, Sanjoro coloca os dois lados em confronto, mas quando Unosuke (Tatsuya Nakadai), filho de um dos bandidos, chega à cidade com um revólver os esforços de Sanjuro ficam difíceis e ele sai da cidade. Porém, ao descobrir que Unosuke sequestrou o estalajadeiro, o samurai retorna a cidade para confrontá-lo.

    A história já foi utilizada inúmeras vezes pelo cinema, inclusive em filmes como o western “Por um Punhado de Dólares” (de Sergio Leone e com Clint Eastwood no elenco) e o gangster “O Último Matador” (protagonizado por Bruce Willis). Contudo, este “Yojimbo” conta com uma característica que o coloca a frente dos demais filmes com a mesma sinopse: foi ele o primeiro filme a utilizá-la.


    A paz do século XVII no Japão causou uma crise no seio do Shogunato levando à falta de trabalho e à pobreza de milhares de samurais. Uma forma honrosa para o destino segundo o código samurai é o suicídio. Um velho guerreiro, Hanshiro Tsugumo, pede permissão à um senhor Feudal para cometê-lo. Lá, ele é informado do destino de seu genro, um jovem samurai que procurou trabalho na casa, mas foi, ao contrário, forçado a cometer a tradicional Harakiri de forma dolorosa com uma lâmina de bambu sem corte. Em "flashbacks" o samurai conta a trágica história do seu genro, e como ele foi forçado a vender sua espada real para sustentar sua esposa doente e seu filho. Tal situação provoca desmedido sentimento de vingança.


    O filme começa com Zatoichi em um barco com vários samurais, que decidem matar Ichi depois ele fere um deles. Logo alguns samurais querem se vingar, mas um misterioso samurai de um braço só Yoshiro (Kenzaburo Joh), reage e fere muitos guerreiros. Os problemas sérios de Ichi começam quando ele é recrutados para massagear o senhor na Casa do Kuroda. O senhor tem um distúrbio (que parece loucura), e eles decidem que Zatoichi deve ser morto, para que este segredo não se espalhe. O chefe Kanbei é contratado para matar Zatoichi, que descobre que Ichi está a caminho do Templo Joshoji para prestar uma homenagem ao Hirate Miki exatamente um ano depois matá-lo.


    Lorde Matsudaira Naritsugu, irmão do xogum, é um homem cruel e assassino que irá ser nomeado ministro qualquer dia desses - uma ofensa para muitos, inclusive para o servo Mamiya que se suicida em frente a sua mansão. Sabendo disso (e de toda a maldade praticada por ele), o ministro Doi envia Shinzaemon Shimada para assassiná-lo. Para cumprir sua missão, ele precisa de quantos homens forem possível, mas apenas 13 samurais são contratados para detê-lo.

    Este filme ganhou um remake em 2010 nas mãos de Takashi Miike, que seguiu o mesmo roteiro do filme original com algumas modificações apenas.  Se compararmos com o original o remake é bem mais violento, algumas cenas pesadas que enfatizam a crueldade de Lorde Naritsugu. As cenas de luta também estão mais criativas e emocionantes em comparação ao original.


    Gennosuke, guerreiro de um clan, mata um dos ministros do clan como parte de um plano revolucionario. Ele é perseguido por seus companheiros que buscam desesperadamente a vingança para o seu clan, porém Gennosuke recebe a ajuda de um mestre espadachim que poderá dar a ele uma chance de sobreviver.

    A Espada do mal de Hideo Gosha é um dos grandes clássicos samurai dos anos 1960. O diretor dedicou boa parte de sua carreira a fazer filmes de samurai.



    O regime feudal no Japão está com os dias contados, o Xogunato está em conflito com o premier japonês e este está abrindo o país ao Ocidente (EUA). Um ronin (Toshiro Mifune), acaba se envolvendo na trama política dos poderosos, e, é contratado para assassinar o premier.

    O filme tem o seu enredo desenvolvido sem pressa, minuciosamente, para que o espectador entenda os meandros da política suja que estava sendo feita à época, contra os interesses do povo civil japonês, com a entrada dos EUA, para aproveitar-se do país. E chega-se à batalha final: antológica, épica e belamente filmada e coreografada, que é o auge do filme e um dos mais belos momentos do cinema chambara japonês. Okamoto realiza um chambara ímpar.” 



    Ryunosuke é um samurai sociopata, sem compaixão ou escrúpulos. Quando uma luta de exibição com esgrima é agendada, a esposa de um de seus oponentes implora a Ryunosuke para desistir, oferecendo-se a ele e prometendo lealdade. Ryunosuke aceita a proposta, mas mesmo assim mata o marido dela na competição. Depois disso, Ryunosuke passa a ser perseguido pelo irmão do homem assassinado. O jovem irado vai treinar com Shimada, um mestre em esgrimas. A questão agora é quem irá vencer o próximo combate.


    Pouco depois de cumprir mais uma de suas obrigações com o clã Matsudaira, Isaburo Sasahara, recebe um comunicado para que aceite a garota Ichi como noiva de seu filho, Yogoro. Mas se a princípio eles temem a ideia, pois Ichi é mãe de um dos filhos do lorde e está sendo dispensada por ter agredido o senhor, após o casamento a situação se inverte. Ichi é uma esposa honrada e amável. E um acontecimento inesperado irá complicar toda a situação, pois o senhor Matsudaira requisita a jovem de volta, criando um impasse que envolve muito mais que decisões políticas, envolve todo um caso de amor.


    Um grupo de samurais matou todos os moradores de uma vila de pescadores e o samurai Magobei (Tatsuya Nakadai), indignado, abandona o clã, a esposa e a cidade onde morava. Três anos depois, os samurais do clã planejam um massacre semelhante e decidem matar Magobei para silenciá-lo. A partir daí começa o acerto de contas entre o clã e o ex-samurai.


    Japão, século XVII. Vítima de uma conspiração do clã Yagyu, o samurai Itto Ogami, o executor oficial do Xogum, tem a esposa assassinada e cai em desgraça, acusado de traição. Ao lado do filho Daigoro, ele sai em busca de vingança, tornando-se o mercenário Lobo Solitário. É o início de uma violenta saga que envolve traições, honra, família e filosofia samurai. São 6 partes:

    1.1 A ESPADA DA VINGANÇA (1972)
    Nesse primeiro filme da série, baseada no mangá de Kazuo Koike, nos é contada a história por trás da origem do Lobo Solitário. Ogami Itto, o executor oficial do xogunato, é vítima de uma armação, feita pelo clã Yagyu, que o fez parecer desleal ao regime a que servia. Pai e filho, então, partem em uma batalha contra o clã Yagyu.
    1.2  O ANDARILHO DO RIO SANZU (1972)
    No segundo filme da Série Lobo Solitário e Filhote, Ogami Itto, contratado pelo clan Yagyu, enfrenta um grupo de mulheres ninja e precisa assassinar o traidor que planeja vender os segredos do clan o Shogunato.
    1.3  CONTRA OS VENTOS DA MORTE (1972)
    No terceiro filme da Série, Ogami Itto se oferece para ser torturado pela Yakuza para salvar uma prostituta e acaba sendo contratado pelo líder dos Yakuza para matar um oficial do governo.
    1.4  CORAÇÃO DE PAI, CORAÇÃO DE FILHO (1972)
    Nesse quarto filme da série, o ex-executor do Shogun, Itto Ogami, é contratado para matar uma assassina tatuada, mas esse trabalho não é tão simples como ele imaginava. Enquanto isso, Gunbei Yagyu, desonrado por Ogami em um duelo antes do Shogun, acaba se deparando com o filho de Ogami, Daigoro, e vê nele a sua chance de vingança.
    1.5  NA TERRA DOS DEMÔNIOS (1973)
    No quinto filme da Série, cinco guerreiros desafiam Ogami para um duelo. Cada um deles carrega uma parte do pagamento e uma parte da informação que Ogami precisa para completar sua missão: matar o louco Daimyo antes que ele destrua seu clã.
    1.6  PARAÍSO BRANCO NO INFERNO (1974)
    No último filme da série acontece o confronto final entre Ogami e Retsudo. Com a maior parte de sua família morta pelas mãos de Ogami, Retsudo desenvolve um último plano para matá-lo, e quando este plano falha, desencadeia a fúria de todos os membros remanescentes do clã Yagyu.


    Épico samurai dividido em três partes:

    1.1 SAMURAI: O GUERREIRO DOMINANTE (1954)
    Ao lado do amigo Matahachi, o jovem órfão Takezo deixa seu vilarejo para se juntar ao exército e enfrentar uma batalha. Vendo-se perdedores, os dois procuram abrigo numa casa isolada onde vive a viúva Oko e sua filha Akemi. Oko acaba seduzindo Matahachi, que cai na tentação da mulher e se esquece de seu noivado com Otsu. Logo Oko, Matahachi e Akemi partem para viver em outro local, enquanto Takezo resolve voltar ao seu vilarejo. Lá ele narra os acontecimentos à família de Matahachi, que além de não aceitar os fatos ainda condena o jovem Takezo por traição. Ele será salvo da morte por um monge que irá ensinar ao rapaz o código dos samurais. O destino acaba colocando Otsu e Takezo no mesmo caminho. Apaixonada, ela promete a ele que irá esperar seu retorno como um cavaleiro errante.
    1.2 MORTE NO TEMPLO ICHIJOJI (1955)
    Anos depois de começar sua jornada para tornar-se um grande espadachim, Musashi volta a Kyoto para desafiar o líder da maior escola de esgrima da região. Para provar seu valor e suas habilidades, ele cai de propósito numa emboscada armada pelos seguidores da Escola Yashioka. Enquanto isto, seus feitos são observados atentamente por Sasaki Kojiro, um lutador brilhante e habilidoso, que acredita-se capaz de derrotar Musashi.
    1.3 DUELO NA ILHA GANRYUJIMA (1956)
    Musashi decide abandonar sua vida como guerreiro errante, e passa a viver nos arredores de uma vila cultivando vegetais. Não demora até que Otsu e Akemi o encontrem, e passem a disputar seu amor. Paralelamente Musashi é desafiado por Sasaki Kojiro, com quem promete duelar dentro de um ano. Nesse meio tempo, enquanto se prepara para o duelo, o samurai é forçado a enfrentar um grupo de bandidos que ataca a vila que o acolheu, e conforme o dia de seu maior desafio se aproxima, vê-se obrigado a tomar uma resolução que concilie ou não seu amor por Otsu e sua paixão pelo caminho do guerreiro.


    Shingen, um poderoso Senhor da Guerra, torna-se lendário como o lema que decora os seus estandartes: "veloz como o vento, silencioso como a floresta, feroz como o fogo, inalterável como a montanha". Em meio a uma grande guerra, Shingen, seriamente ferido, ordena ao clã que use algum sósia para o substituir caso faleça - para manter a sua morte em segredo, evitando assim o ataque dos seus inimigos. Mas este é um vulgar criminoso que tem de aprender a transformar-se num grande líder e comandar um exército de 25.000 leais guerreiros Samurai...

    Drama épico sobre conflitos feudais no Japão do século XVI, "Kagemusha" ganhou o grande prêmio do festival de Cannes 1980, e é considerado um marco na carreira do conceituado realizador Akira Kurosawa. A produção executiva da versão internacional de Kagemusha, a Sombra do Samurai ficou a cargo de Francis Ford Coppola e George Lucas.



    Seibei Iguchi (Hiroyuki Sanada) é um samurai de 2º escalão que presta serviços ao clã Unasaka. Sua esposa morreu de tuberculose e suas duas filhas, Kayana (Miki Itô) e Ito (Erina Hashiguchi), dependem dele para sobreviver. O divórcio de Tomoe (Rie Miyazawa), seu amor de infância, faz com que entre em confronto com seu ex-marido, um samurai de grande reputação. Após vencer o duelo empunhando apenas uma espada de madeira, Seibei ganha respeito e é convocado a eliminar um poderoso inimigo.


    Japão, 1844. Um jovem de um clã nobre estupra e mata impunemente pelo território, com o aval dos governantes da região, politicamente ligados à família dele. Apesar de a Era dos Samurais estar em seu derradeiro momento, em plena decadência, um oficial honesto do governo recruta 13 dos melhores guerreiros, samurais de verdade, para uma missão mortal: eliminar o jovem nobre antes que ele continue sua escalada de violência e assuma de vez o poder.Com o tempo passando rapidamente, o grupo de assassinos prepara uma armadilha para o rapaz e seus guerreiros, o que resulta em um dos mais sangrentos e brutais duelos que o Japão já viu!



    A trama começa no ano três da Era Meiji, com os soldados do Imperador caçando os últimos samurais leais ao Shogun. No papel principal deste novo Os Imperdoáveis está o ator japonês mais conhecido no ocidente, Ken Watanabe (A Origem, Batman Begins), que vive o mais letal desses guerreiros - Jubee Kamata - que consegue escapar e refugia-se em um litoral distante com a família, virando fazendeiro.

    A versão japonesa faz igualmente um resgate, mas dos filmes de samurais.A ambientação troca o Velho Oeste dos EUA de 1880 pela mesma época, na ilha japonesa de Hokkaido, onde colonos japoneses tomam o espaço dos nativos Aniu e a lei não vê com bons olhos os ex-samurais. 



    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top