• ÚLTIMAS...

    25 PRODUÇÕES SOBRE ESCRAVIDÃO QUE PRECISAM CONHECER


    O Dia da Consciência Negra é uma data celebrada no Brasil no dia 20 de Novembro. Este dia está incluído na semana da Consciência Negra e tem como objetivo um reflexão sobre a introdução dos negros na sociedade brasileira.

    O dia 20 de Novembro foi escolhido como uma homenagem a Zumbi dos Palmares, data na qual morreu, lutando pela liberdade do seu povo no Brasil, em 1695. Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, foi um personagem que dedicou a sua vida lutando contra a escravatura no período do Brasil Colonial, onde os escravos começaram a ser introduzidos por volta de 1594. Um quilombo é uma região que tinha como função lutar contra as doutrinas escravistas e também de conservar elementos da cultura africana no Brasil.

    Em 2003, no dia 9 de Janeiro, a lei 10.639 incluiu o Dia Nacional da Consciência Negra no calendário escolar. A mesma lei torna obrigatória o ensino sobre diversas áreas da História e cultura Afro-Brasileira. São abordados temas como a luta dos negros no Brasil, cultura negra brasileira, o negro na sociedade nacional, inserção do negro no mercado de trabalho, discriminação, identificação de etnias etc.

    Abaixo listei 25 produções importantes para serem assistidos dentro do tema proposto.

    Boa sessão:


    Na pequena cidade de Araruna, no fim do século passado, as contínuas fugas de escravos traziam os grandes senhores alarmados, em especial o coronel Ferreira (José Policena). É nessa ocasião que sua filha Sinhá Moça (Eliane Lage) regressa de São Paulo dominada pelos ideais abolicionistas. Em sua viagem de volta conhece Rodolfo Fontes (Anselmo Duarte), filho de um renomado médico de Araruna, abolicionista entusiasta. No primeiro instante os dois jovens sentem-se mutuamente atraídos, porém, logo ela descobre as tendências escravocratas de Rodolfo e trava-se em seu espírito a luta entre seu amor pelo jovem e suas convicções humanitárias. O responsável pela fuga de escravos é levado ao tribunal e, para surpresa de todos, o jovem Rodolfo, confesso escravocrata, serve-lhe de advogado de defesa.

    Baseado em livro de Robert Penn Warren (All the Kings Men) e dirigido por Raoul Walsh, o filme é co-estrelado por Yvonne de Carlo no papel de Amantha, uma aristocrata que perde sua posição social quando descobre que ela tem ancestrais negros. À venda como escrava, ela é comprada por Hamish Bond (Gable), e os dois se apaixonam.


    Um capitão holandês de escravos viaja para Cuba para enfrentar uma revolta liderada por um recém-capturado escravo africano, Tamango. O escravo captura a amante do capitão, forçando um confronto.
    Filme estrelado por  Curd Jürgens e dirigido pelo versátil John Berry, que nada tem a ver com o compositor famoso.


    O filme começa num engenho de cana-de-açúcar, no nordeste brasileiro, entre os séculos XVI e XVII. Inspirados pelo Quilombo dos Palmares, uma comunidade de negros fugidos da escravidão, situada na Serra da Barriga, alguns escravos tramam a fuga para lá. Entre eles, se encontra o jovem Ganga Zumba, futuro líder daquela república revolucionária, a primeira de toda a América.


    O filme "Escravos" é um drama que retrata o sul dos EUA em 1850. A trama segue Cassy (Dionne Warwick) e Luke (Ossie Davis), dois escravos negros que são vendidos para um sádico barão MacKay (Stephen Boyd). 
    MacKay procura por homens para trabalho duro e mulheres para satisfazer seus desejos sexuais e por isto está determinado a explorar Cassy e Luke nos dois sentidos.
    A produção é dirigida por Herbert Biberman, um dos "10 de Hollywood", que era o grupo que estava na lista negra por acusações de comunismo.


    No interior de Louisiana, poucos anos antes de explodir a Guerra Civil Americana, um romance vai abalar os rígidos padrões morais de uma família branca. James Mason (Nasce uma Estrela, O Veredito) vive um patriarca que dirige suas fazendas e sua família com mão de ferro. Naturalmente, ele só pode se opor ao romance entre sua bela filha (Susan George) e um negro escravo (Ken Norton). O conflito é inevitável: as paixões se acendem, numa trama que prende a atenção até o final.Filme altamente polêmico proibido em mais de 10 países.


    Continua em Mandingo II – A Revolta dos Escravos (1976) Mandingo seqüência de sucesso que conta com Ken Norton, campeão dos pesos pesados planeta. Situado em meados do século XIX, conta a história brutalmente honesto de um escravo mulato, dividido entre seu sucesso como lutador no mundo dos homens brancos e seu sentimento em relação ao excesso de injustiça sofrida pelos negros


    Os últimos anos do século 18 foram de revoluções burguesas e marcaram o início das lutas de independência nas colônias portuguesas e espanholas. Cuba, que estava no auge de produção de açúcar, era marcada pela exploração máxima do trabalho escravo. Em meio a isso, na Semana Santa, um conde decide seguir o exemplo de Jesus, convidando 12 escravos para comer em sua mesa. 


    Segunda metade do século XVIII. Xica da Silva (Zezé Motta) era uma escrava que, após seduzir o milionário João Fernandes (Walmor Chagas), se tornou uma dama na sociedade de Diamantina. Ela passou a promover luxuosas festas e banquetes, algumas contando com a exibição de grupos de teatro europeus. Sua ostentação fez com que sua fama chegasse até a corte portuguesa.


    A série acompanha a família de Haley através de uma geração inteira escravizada
    Exibida em 1977, a minissérie “Raízes” conquistou ao longo de seus 12 episódios cerca de 71% da audiência americana.Os quase 100 milhões de telespectadores que acompanharam a mini-série são considerados a audiência mais alta para um show dramático na história da televisão americana.Foi indicada a 37 prêmios Emmy, ganhou apenas nove, foi um dos fenômenos televisivos mais importantes de todos os tempos.


    Ele conta a história de Harriet Tubman Ross, uma mulher que, além de sua luta ajudou a garantir a libertação de centenas de escravos na América do Norte. Narrado por Orson Welles.
    No filme ela é uma afro-americana abolicionista, além de liderar fuga de escravos.


    Cacá Diegues dirige este filme brasileiro de 1984 sobre uma história que se passa em torno de 1650 em um engenho de Pernambuco. Um grupo de escravos se rebela e ruma ao Quilombo dos Palmares, local de resistência de escravos fugitivos contra os senhores de engenho. O filme foi indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes.


    Em 1906, em uma pequena cidade da Georgia, sul dos Estados Unidos, a quase adolescente Celie, violentada pelo próprio pai, torna-se mãe de duas crianças. Separada dos filhos, Celie (Whoopi Goldberg, que foi indicada ao Oscar de melhor atriz por este filme em 1985), é doada à Mister (Danny Glover, de Máquina Mortífera), que a trata como companheira e escrava ao mesmo tempo. Cada vez mais calada e solitária, Celie passa a compartilhar sua tristeza em carta.


    Baseado em um evento real, este filme relata a incrível história de um grupo de escravos africanos que se rebela e se apodera do controle do navio que os transporta e tenta retornar à sua terra de origem. Quando o navio, La Amistad, é aprisionado, esses escravos são levados para os Estados Unidos, onde são acusados de assassinato e são jogados em uma prisão à espera do seu destino. Uma empolgante batalha se inicia, o que capta o interesse de toda a nação e confronta os alicerces do sistema judiciário norte-americano. Entretanto, para os homens e mulheres sendo julgados, trata-se simplesmente de uma luta pelos diretos básicos de toda a humanidade... liberdade.



    Em 1873, Sethe (Oprah Winfrey), uma ex-escrava, vive perto de Cincinnati com Denver (Kimberly Elise), sua filha adolescente. Sethe surpreendida pela visita de Paul D. (Danny Glover), um velho amigo da época em que ambos eram escravos em "Doce Lar", uma plantação no Kentucky. Paul D. acaba se mudando para lá e logo vários mistérios são revelados, que começam com a chegada de Bem-Amada (Thandie Newton), uma jovem de origem desconhecida.


    Uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada. No século XVII um capitão-do-mato captura um escrava fugitiva, que está grávida. Após entregá-la ao seu dono e receber sua recompensa, a escrava aborta o filho que espera. Nos dias atuais uma ONG implanta o projeto Informática na Periferia em uma comunidade carente. Arminda, que trabalha no projeto, descobre que os computadores comprados foram superfaturados e, por causa disto, precisa agora ser eliminada. Candinho, um jovem desempregado cuja esposa está grávida, torna-se matador de aluguel para conseguir dinheiro para sobreviver.


    João de Camargo (Lázaro Ramos) viveu nas senzalas em pleno século XIX. Após deixar de ser escravo ele fica deslumbrado com o mundo em transformação ao seu redor e desesperado para viver nele. O choque é tanto que faz com que João tenha alucinações, acreditando ser capaz de ver Deus. Misturando suas raízes negras com a glória da civilização judaico-cristã, João passa a acreditar que seja capaz de curar e realmente acaba curando. Ele torna-se então uma das lendas brasileiras, se popularizando como o Preto Velho.


    Em pleno século 18, William Wilbeforce (Ioan Gruffudd), membro parlamentar do poderoso Império Britânico, luta por uma reforma social na Europa. Para dar dignidade aos imigrantes africanos que vivem como escravos, Wilbeforce enfrenta a aristocracia e os preconceitos da época como líder abolicionista na criação de uma lei para acabar com o tráfico negreiro. Sua missão é dificultada pela falta de apoio da maioria branca, que exerce enorme influência sobre as leis e acreditam que a escravidão está ligada à estabilidade do império britânico.


    Paris, 1817. Diante do corpo de Saartjie Baartman (Yahima Torres) o anatomista Georges Cuvier (François Marthouret) diz que jamais tinha visto uma cabeça humana tão parecida com a dos macacos. Uma plateia composta por cientistas aplaude a constatação. Sete anos antes, Saartjie deixava a África do Sul como escrava de Hendrick Caezar (Andre Jacobs), sendo obrigada a se exibir em feiras de aberrações de Londres.


    Baseado no livro “Team of Rivals: The Genius of Abraham Lincoln”, de Doris Kearns Goodwin, o filme se passa durante a Guerra Civil norte-americana, que acabou com a vitória do Norte. Ao mesmo tempo em que se preocupava com o conflito, o o 16º presidente norte-americano, Abraham Lincoln (Daniel Day-Lewis), travava uma batalha ainda mais difícil em Washington. Ao lado de seus colegas de partido, ele tentava passar uma emenda à Constituição dos Estados Unidos que acabava com a escravidão.


    Django (Jamie Foxx) é um escravo liberto cujo passado brutal com seus antigos proprietários leva-o ao encontro do caçador de recompensas alemão Dr. King Schultz (Christoph Waltz). Schultz está em busca dos irmãos assassinos Brittle, e somente Django pode levá-lo a eles. O pouco ortodoxo Schultz compra Django com a promessa de libertá-lo quando tiver capturado os irmãos Brittle, vivos ou mortos.



    1841. Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor) é um escravo liberto, que vive em paz ao lado da esposa e filhos. Um dia, após aceitar um trabalho que o leva a outra cidade, ele é sequestrado e acorrentado. Vendido como se fosse um escravo, Solomon precisa superar humilhações físicas e emocionais para sobreviver. Ao longo de doze anos ele passa por dois senhores, Ford (Benedict Cumberbatch) e Edwin Epps (Michael Fassbender), que, cada um à sua maneira, exploram seus serviços.


    A trama acompanha a linhagem de uma família escravizada, começando pelo retrato do corajoso Kunta Kinte (LeVar Burton), um guerreiro que nunca abandona a sua fé. A história segue por gerações, mostrando a visão de seus descendentes em momentos importantes da história americana, como a Guerra Civil, até ao fim da escravidão.



    No século 19, os Estados Unidos enfrentam a Guerra Civil entre o sul e o norte do país. O fazendeiro Newton Knight (Matthew McConaughey) se vê no meio do conflito quando decide liderar uma rebelião contra o exército confederado, que é a favor da escravidão. O intuito de Knight e os rebelados é de formarem um próprio estado, o Estado Livre de Jones.


    Em 1831, o ex-escravo Nat Turner (Nate Parker) não suporta mais ver seu povo sofrendo nas mãos dos brancos. Ele então usa o poder da Bíblia para liderar um movimento em nome da liberdade de todos, gerando a dura retaliação de seus donos.
    Nate Parker levou sete anos para tirar o projeto do papel, principalmente por dificuldades de financiamento. Ele revelou numa entrevista que alguns produtores chegaram a lhe dizer que o público não quer ver filmes com negros e que não se interessa por esse tipo de história.


    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top