• ÚLTIMAS...

    sábado, 22 de outubro de 2016

    22 ROBÔS QUE MARCARAM MEU CINEMA


    Qual cinéfilo não curte robôs?


    Sempre tive hábito de fazer listas. Quando resolvi fazer esta, motivado por ter assistido a Star Wars - Despertar da força, eu comecei a pesquisar sobre o tema e descobri algo interessante: a maioria dos sites colocam os mesmos 20 robôs em suas listas. 

    Então fiz diferente pois a lista abaixo é pessoal. Coloquei somente os que me marcaram.  Antes que alguém diga que "faltou" um filme, não é uma lista de Robôs no cinema, 

    Boa sessão:



    O ser denominado em alemão como Maschinenmensch (algo como máquina-humana) surgiu no filme de ficção científica Metrópolis, de 1927, dirigido por Fritz Lang. Interpretado pela atriz Brigitte Helm em ambas as formas assumidas por ele, a robótica e a humana, o personagem se tornou um dos maiores ícones do cinema.O Maschinenmensch é chamado por vários nomes no filme: Parody, Ultima, Futura, Robotrix, Maria (falsa) e Hel.


    Planeta Proibido marcou época por vários motivos, dentre os quais o robô Robby. De tão marcante, Robby serviu de inspiração para B9, de Perdidos no Espaço, apareceu em outras séries, foi citado em filmes, revistas e ilustrações sci-fi e até em uma propaganda da AT&T. Construído pelo Dr. Morbius com uso de inteligência e tecnologia krell, no planeta Altair IV, Robby é extremamente forte e poderoso, podendo facilmente retirar uma casa de suas fundações e até inutilizar armas energéticas, porém tem algumas diretrizes básicas (inspiradas no livro Eu, Robô, de Isaac Asimov) que o impedem de atacar ou machucar os seres humanos.


    O B-9 foi o robô da série Perdidos no espaço. Muito parecido com o Robby do Planeta proibido, O robô possuía computadores poderosos que lhe permitiram fazer cálculos complexos e deduzir muitos fatos; Ele tinha uma variedade de sensores que detectam vários fenômenos e perigos; Ele foi programado com amplo conhecimento sobre muitos assuntos, incluindo a forma de operar a nave Júpiter 2; Sua construção permitiu-lhe  funcionar em ambientes extremos e no vácuo do espaço;


    O robô humanoide do clássico sci-fi do cinema (mal remodelado no remake de 2009, ainda que sua funcionalidade tenha sido melhor explorada), foi inspirado no livro de Harry Bates. Com um visual que hoje beira um cosplay caseiro, espantou o mundo na época, auxiliado pela qualidade geral do filme e pela trilha sonora impressionante de Bernard Hermann. Gort chega à Terra juntamente com o alien Klaatu, em um disco voador, trazendo uma mensagem (aviso? ameaça?) à humanidade, para que pare a corrida armamentista, senão outras raças extraterrestres “fariam isso” por nós. O androide é uma espécie de policial planetário, e veio proteger Klaatu em sua missão. 


    Dois amigos, Peter Martin (Richard Benjamin) e John Blane (James Brolin), resolvem passar as férias no hipermoderno centro de diversões de Delos, que cobra US$ 1000 por pessoa ao dia. Lá foram criados os ambientes da Roma Imperial, Idade Média e do Velho Oeste, todos povoados por robôs perfeitos. Eles optam por este último "mundo", onde enfrentariam em duelos "terríveis bandidos" e seduziriam "belas mulheres". Os androides foram programados para satisfazer os clientes e nunca os ferir, mas devido a problemas técnicos os robôs dos três "mundos" se tornam assassinos. Enquanto vários visitantes são mortos a dupla de amigos tenta fugir dos robôs, principalmente de um pistoleiro eletrônico que quer matá-los de qualquer jeito. 


    Bubo é um gênero de aves comumente chamadas de corujão ou bufo. No filme Fúria de Titãs (1981) Zeus ordena que Athena envie sua coruja, Bubo, para ajudar Perseu. Bubo apenas se comunica com as pessoas através de um monte de assobios, bips e booops, e muitos o comparam com R2-D2 por causa disso. E assim como Luke pode entender qualquer coisa que R2 “diz”, Perseu pode facilmente entender quaisquer barulhos que Bubo faça também. 



    Roy Batty é um dos meus preferidos. É um autêntico humano: Herói e vilão. Apareceu em Blade Runner, ávido a descobrir quanto tempo ainda tinha de vida. E para tanto, elimina que estiver em seu caminho.
    A filosófica cena final é inesquecível:
    "Eu vi coisas que vocês homens nunca acreditariam. Naves de guerra em chamas na constelação de Orion. Vi raios-C resplandecentes no escuro perto do Portal de Tannhaüser. Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer".


    Exterminador é  um ciborgue assassino especializado em infiltração, "interpretado" por Arnold Schwarzenegger na série de filmes "Exterminador do futuro". Seu nome técnico é Cyberdyne Systems Modelo 101, série 800 (que gera sua alcunha mais utilizada, T-800).


    O Mark 13 e suas variantes com a ogiva nuclear W13, foram bombas nucleares experimentais, desenvolvidas pelos Estados Unidos de 1951 a 1954. O desenho do Mark 13 foi baseado no desenho anterior da bomba Mark 6, que por sua vez foi baseada no desenho do Mark 4 e no desenho do Mark 3, usados no fim da Segunda Guerra Mundial.
    No filme Hardware - o destruidor do futuro, de Richard Stanley,    M.A.R.K. 13 é um protótipo de um droid de batalha cuja função é remontar-se com materiais disponíveis caso fosse danificado em combate. 


    HAL 9000 (Heuristically programmed ALgorithmic computer, ou Computador Algorítmico Heuristicamente Programado em tradução livre) é um personagem ficcional da série Odisseia Espacial, de Arthur C. Clarke, e foi imortalizado pela adaptação cinematográfica feita por Stanley Kubrick do primeiro volume da mesma, 2001: A Space Odyssey, de (1968). Seu nome é uma referência à IBM (H.A.L. são as letras imediatamente anteriores à sigla). HAL é  capaz de falar naturalmente, realizar reconhecimento facial e vocálico, fazer leitura labial, apreciar manifestações artísticas, interpretar emoções, raciocinar, expressar emoções (inclusive medo) e jogar xadrez.


    ED 209 não é um vilão, mas é programado por um como mecanismo de defesa próprio. Inclusive ele era o primeiro Robocop, que foi colocado de lado em função de um mal funcionamento que ocasionou a morte de um funcionário da OCP.  Mas no final, o vilão do filme reprograma Ed para defendê-lo e automaticamente atacar Robocop. É de longe o robô mais legal de todos os filmes, depois de Robocop claro. Inclusive, dificilmente se acha para vender os vilões dos outros filmes (o do segundo filme inclusive é bem legal).



    Dos androides da série Alien , o que mais me marcou foi Bishop. Curioso é que o primeiro Alien é um dos melhores filmes que já assisti, e o robô do filme não me marcou (talvez porque ele só se revela como I.A. no quarto final do filme.)


    Uma família norte-americana compra um novo utensílio doméstico: o robô chamado Andrew programado com as Três Leis da Robótica, para realizar tarefas domésticas simples. Entretanto, aos poucos o robô vai apresentando traços característicos de um ser humano, como curiosidade, inteligência, emoções e personalidade própria. O filme mostra a saga de Andrew em busca da liberdade e de se tornar, na medida do possível, um ser humano.
    Curioso é que este filme me marcou muito (ví na estreia do cinema), mas assistindo hoje, não acho tão bom. E mais curioso ainda que o filme A.I. de Steve Spielberg segue na mesma linha, mas não me emocionou, ainda que superior ao filme de Columbus.

    Robô de bordo da espaçonave Coração de Ouro, Marvin é um dos protótipos da Companhia Cibernética Sírius projetados com a revolucionária tecnologia de Personalidade Humana Genuína (PHG). A PHG proporciona a esses protótipos as reações e emoções humanas mais variadas. Marvin é descrito como tendo um "cérebro do tamanho de um planeta", com um QI pelo menos 30 bilhões de vezes superior ao de um ser humano. Entretanto, as funções para a quais é designado são das mais banais (como abrir portas, escoltar visitantes e sentar a um canto de uma sala e ser ignorado por todos). Essas tarefas tão absurdamente simples para seu intelecto superior resultam no PHG do androide uma profunda e prolongada depressão, além de um sentimento de completo desprezo pela vida.

    Se não fosse pelo fato do Alex Murphy ser policial determinado em suas funções, ele não figuraria nesta lista jamais. Porém seu destino foi cruel. Impiedosamente morto por uma gangue, Murphy tem seu corpo reaproveitado, fazendo uma junção com partes robóticas. 
    Deu certo. Vingou sua morte, deu origem a continuações, séries de tv e refilmagem. Entrou para a história e para minha lista.


    TARS é um dos  robôs que  juntamente com CASE  e  KIPP, se  destacam em Interestelar (2014) . Ele é um dos membros da tripulação da Endurance , juntamente com Cooper , Amelia , Doyle , Romilly , e CASE . Apresenta traços espirituosos, sarcásticos, e bem-humorados, programado para ser um companheiro mais adequado. TARS também parece ser um pouco mais versátil do que CASE, sendo adequado para tarefas que vão desde pilotar e  coleta de dados.

    A história se passa no ano de 2035, onde robôs existem para servir os humanos, o Detetive Del Spooner (Will Smith) é chamado para investigar a morte de seu velho amigo, o Dr. Alfred Lanning (James Cromwell), um funcionário da empresa US Robotics, comandada por Lawrence Robertson (Bruce Greenwood), que está prestes a colocar o modelo NS-5 no mercado. Todos acreditam que tenha sido suicídio, mas Spooner acredita que Lanning tenha sido assassinado por um robô chamado Sonny (Alan Tuddyk), que foi encontrado no laboratório de Lanning, tentou fugir ao ser encontrado por Spooner e aparenta ser capaz de quebrar as Três Leis da Robótica desenvolvidas pelo próprio Lanning, que ditam que robôs não podem machucar humanos; devem obedecer humanos, caso isso não contradiga a Primeira Lei; e devem proteger a si mesmos, caso isso não contradiga a Primeira e a Segunda Leis.



    BB-8 é um robô personagem da franquia Star Wars, sua primeira aparição foi em 2015 no filme Star Wars: Despertar da força. É um robô esférico com movimentação livre de sua cabeça em formato de domo.
    É impressionante como a ILM consegue criar robôs sensíveis. Este se tornou clássico instantâneo.


    C-3PO, junto com seu companheiro R2-D2, são os personagens mais queridos de Star Wars, devido à comicidade e personalidades que ambos, mesmo robôs, possuem. "3PO", como é apelidado, é um droide medroso, pessimista e atrapalhado, sempre criticando ou ironizando seu companheiro R2-D2. Apesar de reclamar constantemente e exclamar "Ó céus!" e "Estamos perdidos!", C-3PO é leal e prestativo em suas funções, e suas habilidades linguísticas ajudaram seus companheiros mais de uma vez. Apesar de ser uma máquina, é visto como um amigo por aqueles a quem ele serve.
    Já R2-D2 é um pequeno dróide astromecânico, responsável por manutenção e navegação de astronaves. Fala uma "linguagem" incompreensível, de bipes e sons eletrônicos (e inspirou Kenny, de South Park). Assim como toda a série, o personagem teve forte impacto cultural e se transformou em um ícone pop.



    Nos anos 50, um garoto de Maine, Hogarth Hughes é filho de Annie Hughes, uma mãe solteira que trabalha numa lanchonete onde ela e seu filho passam a maior parte do tempo. Ela tem pouco tempo para se dedicar a Hogarth, então se mostra um tanto preocupada com ele, já que este parece não possuir amigos e se sente sozinho e triste, até que em uma de suas aventuras, acaba fazendo amizade com um robô gigante desconhecido, mas o que ele não imaginava, era que esse robô é de um outro planeta.
    Talvez o desenho que mais gostei da era pré-Pixar.

    WALL-E (Waste Allocation Load Lifter - Earth Class), o protagonista. é um consciente robô de 700 anos de idade, e é presumidamente o único ainda em funcionamento na Terra. Ele é uma pequena caixa compactadora com esteiras para todo tipo de terreno, mãos com três dedos e olhos com binóculos. Ele é muito curioso, solitário e de bom coração, sempre se importando mais com os outros do que consigo mesmo. Ele coleciona objetos inúteis, como patinhos de borracha, cubos mágicos e troféus dourados. Ele também tem uma barata de estimação chamada Hal e ama música.



    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top