• ÚLTIMAS...

    LUCHINO VISCONTI - 10 FILMES ESSENCIAIS



    Luchino Visconti - 10 Filmes Essenciais


    Filho de Giuseppe Visconti, o duque de Grazzano, e de Carla Erba (proprietária e herdeira de uma célebre empresa farmacêutica), Luchino tinha mais seis irmãos. Prestou o serviço militar como sub-oficial de cavalaria em 1926, no Piemonte e viveu os anos de sua juventude cuidando dos cavalos de sua propriedade. Além disso, frequentou ativamente o mundo da lírica e do melodrama, que tanto o influenciou.


    Foi para a França onde se tornou amigo de Coco Chanel e através dela, em 1936, foi apresentado ao cineasta Jean Renoir com quem trabalhou no filme "Une partie de campagne". Em 1937 passou por Hollywood antes de retornar a Roma. Na capital italiana ele trabalhou com Renoir na direção de La Tosca.

    A partir de 1940 ligou-se aos intelectuais que faziam o jornal Cinema e vendeu jóias da família para realizar seu primeiro filme, Ossessione, em 1943, com Clara Calamai e Massimo Girotti. No fim da Segunda Guerra Mundial realizou o segundo filme, o documentário Giorni di Gloria. Contratado pelo Partido Comunista Italiano para realizar três filmes sobre pescadores, mineiros e camponeses da Sicília, acabou por fazer apenas um, La terra trema.

    Em 1951 filma "Bellissima" com a grande atriz italiana Anna Magnani, Walter Chiari e Alessandro Blasetti. O primeiro filme colorido foi em 1954, Senso com Alida Valli e Farley Granger. O primeiro grande prêmio da crítica chega em 1957, quando ele recebe o Leão de Ouro do Festival de Cinema de Veneza pela fita "Le notti bianche", uma transposição delicada e poética de uma história de Dostoievski com Marcello Mastroianni, Maria Schell e Jean Marais.


    O primeiro êxito de bilheteira viria em 1960 com Rocco e seus Irmãos, a saga de uma humilde família de calabreses que emigrava para Milão. Foi o filme que consagrou o ator francês Alain Delon ao lado de Annie Girardot e Renato Salvatori. No ano seguinte junta-se a Vittorio De Sica, Federico Fellini e Mario Monicelli na filme de episódico Boccaccio '70. O episódio de Visconti é protagonizado por Tomas Milian, Romy Schneider, Romolo Valli e Paolo Stoppa.

    Em 1963 dirige o seu maior sucesso comercial e um dos filmes mais elogiados pela crítica, o grandioso O Leopardo, filme com três horas de duração e extraído do romance homônimo de Giuseppe Tomasi di Lampedusa, vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes, que conta a história da transição da nobreza para o populismo, na Sicília nos tempos da unificação italiana. O filme tem um elenco estelar onde destacam Burt Lancaster, Claudia Cardinale e Alain Delon.

    Vagas Estrelas da Ursa, um mergulho inquieto e melancólico na capacidade dos seres sensíveis para se destruírem amorosamente, com Claudia Cardinale e Jean Sorel, realizado em 1965 foi a obra seguinte. Em 1970 ele conhece o fracasso de uma obra sua, com O Estrangeiro, extraído do livro homônimo de Albert Camus e realiza também La caduta degli dei que lançou o ator Helmut Berger.

    Com o sensível e refinado Morte em Veneza (1971), protagonizado por Dirk Bogarde e baseado na obra de Thomas Mann, ele volta a se encontrar com o sucesso de público e de crítica. O filme conta a história de Gustav Aschenbach, um compositor que vai passar férias em Veneza, e acaba por viver uma grande e inesperada paixão, que iniciaria a sua completa destruição. O filme faz uma abordagem do conceito filosófico de beleza, assim como a passagem do tempo a importância da juventude nas nossas vidas. O filme seguinte foi o grandioso Ludwig com Helmut Berger e Romy Schneider. Durante suas filmagens ele sofre um ataque cardíaco que o prendeu a uma cadeira de rodas até a sua morte, em 1976.


    Mesmo com muita dificuldade, Luchino Visconti ainda faz dois filmes, Violência e Paixão (Gruppo di Famiglia in un Interno) e L'innocente, sua derradeira obra, versão do romance de Gabriele d'Annunzio que registra brilhantes interpretações de Giancarlo Giannini e Laura Antonelli.

    Esta lista foi um sofrimento para fazer, porque Visconti tem 12 ou 13 obras primas. Escolher 10 para representá-lo, de certa forma, sempre parecerá injusto. Mas o fato é que são 10 filmes que qualquer pesquisador de Visconti precisa assistir. Mesmo que ele veja todos os outros.

    A lista se baseia no que é melhor avaliado na internet por críticos, cinéfilos e sites famosos. E ainda assim, foi difícil, pois achei 11 filmes constantes.

    Boa sessão e bons filmes.


    Sicília, durante o período do "Risorgimento", o conturbado processo de unificação italiana. O príncipe Don Fabrizio Salina (Burt Lancaster) testemunha a decadência da nobreza e a ascensão da burguesia, lutando para manter seus valores em meio a fortes contradições políticas.
    É um premiado filme de 1963 do diretor italiano Luchino Visconti, baseado no romance homônimo de Giuseppe Tomasi di Lampedusa. Foi o vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes, no ano de seu lançamento. Na minha opinião, seu melhor filme, figurando inclusive na lista dos meus 20 preferidos do cinema.


    O filme conta a história da Família Parondi, através da matriarca Rosaria (Katina Paxinou) e seus filhos Rocco (Alain Delon), Simone (Renato Salvatori), Ciro (Max Cartier) e Luca (Rocco Vidolazzi). Depois da morte do marido, ele saem de sua cidadezinha e vão tentar a sorte em Milão. Lá, a família de imigrantes vai sofrer grandes golpes. Rocco e Simone tentam a sorte no boxe e se apaixonam pela mesma mulher, a prostituta Nadia (Annie Girardot).


    Início do século XX. Gustav von Aschenbach (Dirk Bogarde) é um compositor austríaco que vai para Veneza buscando repouso, após um período de estresse artístico e pessoal. Porém ele não encontra a paz desejada, pois logo desenvolve uma paixão por um jovem, Tadzio (Björn Andrésen), que está em férias com sua família. Tadzio incorpora o ideal de beleza que von Aschenbach sempre imaginou e pensa em ir embora antes de cometer um ato impensado, mas sua bagagem foi para outra cidade, obrigando-o a permanecer ali. Além disto a cólera asiática começa a chegar em Veneza.


    Roma, anos 70. Um professor aposentado vive solitariamente, cercado por quadros e livros, numa luxuosa mansão. Sua rotina é quebrada quando aluga o andar superior para uma marquesa, que traz com ela o amante, a filha e seu namorado. Com suas atitudes vulgares, incômodas e inusitadas, os inquilinos transformam a monótona vida do professor num caos. Em Violência e Paixão, Visconti reflete, de maneira brilhante, sobre a solidão, o conflito de gerações e a ideia de família.


    Baseando-se no romance homônimo de Gabriele D’Annunzio, o mestre Luchino Visconti realizou O Inocente, seu último trabalho e, sem dúvida, um dos seus mais belos filmes. Essa é uma cópia da obra-prima em versão restaurada e remasterizada. Na alta sociedade italiana de fins do século XX, o aristocrata Tullio trai a esposa Giuliana mantendo um tórrido caso com Tereza. Desprezada Giuliana cai nos braços de um escritor, despertando a fúria do marido. A situação fica ainda pior quando ela anuncia sua gravidez.


    Veneza, 1866. O movimento pela unificação da Itália está prestes a iniciar a guerra pela libertação da região, então ocupada pela Áustria. A Condessa Livia Serpieri (Alida Valli), prima do Marquês Ussoni (Massimo Girotti), um dos líderes da resistência, é seduzida e apaixona-se perdidamente pelo tenente austríaco Franz Mahler (Farley Granger). Pelo relacionamento ela passa por cima de casamento, família, honra e pátria.


    Logo após a Segunda Guerra Mundial, um jovem pescador, junto com a sua família, se revolta contra a exploração que sofre dos seus superiores no porto de Catania, na Sicília. Eles então hipotecam a casa e fundam seu próprio comércio para tentar escapar dos patrões. Só que sem conseguir ajuda de ninguém, eles vão se deparar com muitas dificuldades, e descobrir que a realidade desse modo é ainda mais dura.


    Alemanha, 1933. O barão Joachim Von Essenbeck (Albrecht Schoenhals) comunica que está deixando o seu império de usinas de aço nas mãos de um desconhecido. A ascensão do nazismo é analisado pela ótica de uma aristocrática família, que se digladia internamente na luta pelo poder, assassinado uns aos outros sem hesitação para alcançar seus objetivos.


    Gino Costa (Massimo Girotti) é um andarilho que arranja um emprego em um restaurante de beira de estrada. Lá ele se envolve com a casada Giovanna (Clara Calamai), uma mulher inquieta, que só se casou com Bragana (Juan de Landa), o dono do local, por necessidade. Juntos eles planejam uma fuga, e ela convence o amante de matar seu marido para que eles possam ficar juntos. No entanto, tudo parece estar contra os dois.


    Vencedor do Leão de Ouro no Festival de Cinema de Veneza, esse clássico italiano apresenta Claudia Cardinale no auge de sua beleza. Baseando-se nos versos iniciais de um poema de Giacomo Leopardi, Visconti atualiza a tragédia grega Electra ao nos contar a história de Sandra que, acompanhada do marido Andrew, retorna à Volterra, cidade onde nasceu e passou a infância, para participar de uma homenagem ao falecido pai. Lá, Andrew conhece Gianni, irmão de Sandra, e descobre que os dois compartilham um terrível segredo.





    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top