• ÚLTIMAS...

    E. ELIAS MERHIGE - FILMOGRAFIA

    E. ELIAS MERHIGE. 

    Confira a filmografia deste ótimo diretor, que fez poucos filmes, mas pelo menos uma obra prima. Tive o prazer de entrevistá-lo e em breve publicarei.


    DIRETOR

    2006 Din of Celestial Birds (Curta) 

    2004 Suspeito Zero 

    Título original: Suspect Zero 
    Roteiro:  Zak Penn
    Elenco:  Aaron Eckhart, Ben Kingsley, Carrie-Anne Moss
    Duração: 99 min

    O agente do FBI Thomas Mackelway recebe um chamado para investigar um assassinato muito estranho. Quanto mais ele investiga o caso, mais percebe que foi atraído para um labirinto que contradiz todas as suas expectativas.

    2000 A Sombra do Vampiro 

    Título original: Shadow of the Vampire
    Roteiro: Steven Katz
    Elenco:  John Malkovich, Willem Dafoe, Udo Kier
    Duração: 92 min

    F. W. Murnau (John Malkovich) é o diretor de Nosferatu; e para fazer um filme extremamente fiel, ele contrata um vampiro real para fazer o papel de Drácula. Ninguém da equipe conhecia Max Schreck (Willem Dafoe), achando-o excêntrico e estranho. Mas o filme começa a ser rodado, até que surgem alguns sintomas diferentes nas pessoas da equipe.

    Breve crítica:

    Conta a história da filmagem de "Nosferatu - Eine Symphonie des Grauens" (Nosferatu - Uma Sinfonia de Horrores), clássico do expressionismo alemão, como ela realmente aconteceu. Tenta reproduzir as locações, as tomadas de câmera e até os problemas de direitos autorais que Murnau teve com o livro "Drácula", de Bram Stoker -daí o filme ter a mesma história, mas outro nome.

    Mas é na parte ficcional que o segundo longa de Merhige cresce. Segundo "A Sombra", Max Schreck era um vampiro, e Murnau fecha os olhos para o fato de os membros de sua equipe estarem desaparecendo e até negocia a vida da estrela, Greta Schroeder, tudo para terminar sua obra.

    Willem Dafoe está excelente como Schreck/Orlock/Nosferatu, papel que lhe valeu a indicação ao Oscar, e John Malkovich brilha como o faustiano e histriônico diretor alemão. Completa o trio a interessante Catherine McCormack, que dá vida à drogada Greta, que interpreta Ellen Hutter no filme dentro do filme.


    Mas o longa é maior do que a soma de suas partes e maior do que apenas uma homenagem sincera. Primeiro, porque foge da chatice das homenagens. Segundo, porque diverte e prende o espectador com suas imagens magníficas e o final pressentido, mas, mesmo assim, improvável e forte.

    Uma frase resume "A Sombra do Vampiro". Murnau acredita que a câmera é um veículo para a imortalidade e passa o tempo tentando convencer quem está em volta; Greta, no entanto, despreza o cinema e é partidária do teatro como arte maior. "Uma platéia de teatro me dá vida, enquanto isso (a câmera) simplesmente a tira de mim", diz ela. 

    1999 God Is in the T.V. (documentário) 

    1996 Marilyn Manson: Anti-Christ Superstar (Curta) 

    1990 Begotten 

    Título original: Idem
    Roteiro: E. Elias Merhige
    Elenco: Brian Salzberg, Donna Dempsey, Stephen Charles Barry
    Duração: 72 min 

    Deus está abandonado sozinho, e se mata estripando-se com uma navalha. A Mãe-Natureza emerge de sua morte, e com o sêmen do moribundo Deus fertiliza-se, dando origem à Humanidade, uma criança doente e fraca, que em toda sua existência é surrada e torturada por zumbis sem face.

    Breve crítica:

    Este é um dos filmes mais malditos, bizarros e experimentais de sempre. Mas não foram estas características que impediram a escritora e ensaísta Susan Sontag de dizer que este filme é um dos "dez filmes mais importantes dos tempos modernos". Um objeto cinematográfico único, capaz de remeter "Eraserhead" de David Lynch para a seção "Familiar num Domingo à Tarde". "Begotten" (1991) é isto: uma mistura explosiva de horror, fantasia metafísica e surrealismo desvairado, pintalgada por uma estética visual extremamente densa e quase impenetrável (plasticamente é um preto e branco cheio de grão que levou 10 horas a tratar cada minuto de filme).

    Um murro no estômago que - por não ter música nem diálogos - ainda se torna mais difícil o seu visionamento integral. "Begotten" está recheado de imagens de dor, sofrimento, mutilação, vômitos, sexo perverso, fantasmas, simbologia, ocultismo e sangue. Basta referir que a primeira sequência do filme representa Deus a estripar-se em sangue...

    O filme lida fortemente com religião e com a história bíblica da Criação e de alguns mitos religiosos e pagãos. O realizador referiu que a sua principal inspiração foi uma experiência de quase morte que ele vivenciou quando tinha 19 anos, após um acidente de carro. Essa vivência está estampada no filme, com uma rudeza artística rara, que não faz quaisquer concessões ao espectador.

    Não espanta que o músico Marilyn Manson tenha contratado Elias Merhige para realizar três dos seus videoclipes (pelo meio também realizou para os Interpol e os Danzig). Visionar "Begotten" é uma experiência exigente, dura, mas recompensadora. Ficamos com a firme crença de que acabamos de ver uma das obras mais "avant garde" e experimentais de sempre e um dos filmes cult mais bizarros da história do cinema.

    1985 A Taste of Youth (Curta) 

    1984 Spring Reign (Curta) 

    1983 Implosion (média)

    ROTEIRO

     2006 Din of Celestial Birds (Curta)  
     1990 Begotten 
     1983 Implosion 
    PRODUTOR

     2006 Din of Celestial Birds (Curta)
     2004 Suspeito Zero
     1990 Begotten
    FOTOGRAFIA

     2006 Din of Celestial Birds (Curta) 
     1990 Begotten 

    EFEITOS ESPECIAIS

    1990 Begotten

       A sombra do vampiro (2000) -  sua obra prima.



    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top