• ÚLTIMAS...

    PARAMOUNT PICTURES - A HISTÓRIA DO ESTÚDIO


    A Paramount Pictures  é um dos principais estúdios de cinema dos Estados Unidos da América, fundado por Adolph Zukor, em 1912, e com este nome desde 1925.

    O estúdio teve suas fases mais lucrativas nos anos  1920, 1940 e 1970, e atualmente procura reinventar sua forma de cinema através do uso de novas tecnologias, a fim de enfrentar os desafios do século XXI.

    HISTÓRICO

    Tudo começou quando o imigrante húngaro Adolph Zukor, que  era um simples faxineiro, se encantou com o cinema,  e passou a investir em pequenas salas de cinema, conhecidas como “nickelodeons” e que tinham como público-alvo a classe trabalhadora. Em 1912 Zukor se uniu aos irmãos produtores Daniel e Charles Frohman e fundaram a “Famous Players Film Company”. O primeiro filme da jovem companhia foi “ Rainha Elizabeth”, estrelado por Sarah Bernhardt e estreou no Lyceum Theatre, em 12 de julho daquele ano. Por volta de 1913 já tinham lançado cinco produções.

    Começando os trabalhos em 1914, a Famous Players e a Jesse L. Lasky Feature Play Company - fundada em 1913 pelo empresário Lasky em parceria com Samuel Goldwyn, Oscar Apfel e Cecil B. DeMille (que pela companhia fez o primeiro longa-metragem do cinema americano, The Squaw Man -1914), começaram a lançar seus filmes através de uma joint-venture, a Paramount Pictures Corporation, organizada com a ajuda de um dono de cinemas de Utah, W. W. Hodkinson. Hodkinson, que escolheu "Paramount" substituindo a "Progressive" (nome de sua rede de cinemas), além de criar o icônico logo da montanha inspirado no Pico Pikes, no Colorado. A Paramount foi a primeira distribuidora ao longo de toda a nação estadunidense, já que antes filmes eram distribuídos em acordos por estado ou região.

    Em 1916, as duas companhias se fundiram na Famous Players-Lasky, com Zukor presidente e Lasky vice. Goldwyn, que estava mais interessado em fazer filmes que gerir uma empresa, saiu para criar sua própria produtora, a Goldwyn Films (que se tornou em 1924 parte da Metro-Goldwyn-Mayer). A companhia era beneficiada por uma rede de distribuição para os filmes que, da base na Melrose Avenue em Hollywood, incluía centenas de salas de cinema pelo mundo, formando uma gigantesca corporação. A Paramount logo se tornou um dos maiores estúdios de Hollywood graças à sua rede de cinemas e contratos com grandes estrelas como Mary Pickford, Marguerite Clark, Pauline Frederick, Douglas Fairbanks, Gloria Swanson, Rudolph Valentino, e Wallace Reid.

    Em 1925 esta corporação fundiu-se com a Publix, pertencente à Balaban & Katz, e a companhia foi rebatizada Paramount Pictures, com ampliação da rede de cinemas e incorporação de produtoras de filmes e setores de distribuição. Com a rede da Publix a Paramount operava mais de 1.200 salas - o maior número já registrado na história do cinema.

    Esta expansão contudo, fez com que a Paramount devesse milhões de dólares em hipotecas sobre os cinemas, o que se revelou especialmente dramático com o advento da Grande Depressão de 1929. Para a superação dessas dificuldades a empresa teve que se reestruturar financeiramente no começo dos anos 1930, e para tanto contou com grandes sucessos de bilheteria, como os filmes de Mae West I'm No Angel e Belle of the Nineties (de 1933 e 1934), dos Irmãos Marx Coconuts e Horse Feathers (1929 e 1932) - admirados ainda hoje. Assim, quando a crise amenizou em 1935, a Paramount dominava todos os segmentos do mercado cinematográfico: filmagem, distribuição e mantinha uma rede nacional de salas em torno de mil cinemas.

    Durante a década de 1930, com a intenção de agradar o ditador alemão Adolf Hitler e manter os altos lucros obtidos no mercado alemão, os estúdios Paramount e outros menores demitiram seus funcionários judeus, segundo o livro “The Collaboration: Hollywood´s Pact With Hitler”, do jornalista australiano Bem Urwand, de 2013.

    A despeito da sua grande produção nos anos 1920, sua "era de ouro" se deu durante a II Guerra Mundial, quando houve um boom de filmes; em 1936 a direção foi assumida por Barney Balaban, que imprimiu uma estratégia conservadora nos negócios, de tal modo que atingiu em 1946 um faturamento recorde de 40 milhões de dólares.

    O executivo Y. Frank Freeman comandava os estúdios na Califórnia, usando o conceito de usar estrelas já consagradas para os filmes e curtas-metragens, como ter trazido do radio Bing Crosby e Bob Hope e produziu um caminho dos mais lucrativos filmes da Era de Ouro de Hollywood, como os épicos de Cecil B. DeMille e as comédias de Preston Sturges.

    Em 1949 a Suprema Corte dos Estados Unidos da América ordenou que Balaban se desfizesse das salas de cinema, e a Paramount perdeu o fôlego lucrativo que o controle de toda a cadeia da produção cinematográfica lhe dava, ficando somente com a produção dos filmes e sua distribuição. Foi o início da perda de lucratividade.

    Apesar de ter desenvolvido o sistema VistaVision de exibição widescreen, a falta de estrelas não era compensada, e a empresa produziu apenas sucessos eventuais, como Gunfight at the O.K. Corral, de 1957 ou Becket, de 1964. Apenas os filmes de Elvis Presley garantiam lucros consistentes e o prejuízo ocorre, finalmente, em 1963. Em 1964 Balaban se afasta.

    Em 1966 o conglomerado Gulf & Western Industries adquiriu a empresa, e Charles Bluhdorn tornou-se seu presidente. Para revitalizar o estúdio, contratou o ex-ator Robert Evans, que fracassou logo em seguida, após investir em grandes musicais como Paint Your Wagon e Darling Lili (1969 e 1970). 

    Evans conseguiu sucesso com o Bebê de Rosemary de Roman Polkanski em 1969, mas seu maior feito foi promover um drama de orçamento modesto baseado em um best-seller. O Filme era chamado Love Story - História de Amor, e sua propaganda boca a boca deu ao estúdio o filme de sucesso que eles tanto precisavam. A produção, que possuía atores como Ryan O'neal e Ali MacGraw, lucrou mais de 100$ milhões em todo o mundo (esmagando todos os recordes de bilheterias anteriores) além de receber sete indicações ao Oscar®

    Mas foi só em 1972, com o sucesso de O Poderoso Chefão dirigido por Coppola, e já sob a direção de Barry Diller e Frank Mancuso, que a Paramount começou a se reerguer de verdade.

    Assim, com os sucessos de séries como Star Trek e filmes como os de Eddie Murphy, aliados a seriados televisivos, que no final dos anos 1970 e começo dos anos 1980, a Paramount voltou a ser um dos maiores estúdios hollywoodianos.

    Impulsionado por esses triunfos, o resto dos anos 70 e 80 foram calmos para o estúdio. O Ano de 1986 foi particularmente notável pois a Paramount conseguiu 22 por cento das bilheterias, o dobro do competidor mais próximo, e possuía cinco dos filmes no TOP10 daquele ano, incluindo Top Gun e Crocodilo Dundee.

    Em 1989 o nome foi alterado para Paramount Communications, Inc. pela Gulf & Western. Em 1994, após longas disputas, foi adquirido pela Viacom Inc. por 10 milhões de dólares, passando a usar o nome atual.

    Nos anos recentes, a Paramount se solidificou como um líder global em entretenimento e celebrou um grande sucesso sobre a liderança do Presidente e CEO Brad Grey, que chegou em 2005. Em um ramo que demanda excelência, Grey entregou blockbusters ganhadores de prêmios da academia com os mais respeitáveis talentos da indústria.

    E em 2001, a Paramount quebrou recordes com seis dos filmes mais lucrativos da indústria, com mais de 100$ milhões de dólares em bilheteria nacional:  Rango, Thor, Kung Fu Panda, Super 8, Transformers: O Lado Oculto da Lua e Capitão América.
    A Paramount é o quarto estúdio mais antigo do mundo, atrás da Universal Studios, Pathé e Gaumont Pictures.

    O fundador Adolph Zukor (1873-1976), ficou famoso também por sua longevidade, viveu até os 103 anos.

    LOGOTIPO

    A montanha da Paramount é o logo mais antigo ainda mostrado nas telas de cinema. A  “Montanha
    Majestosa” existe desde 1914 e foi esboçada por W.W. Hodkinson, presidente e membro fundador da Paramount Pictures.

    A montanha original foi inspirada pela montanha de Ben Lomond, localizada no estado de Utah.
    Mais tarde, a arte original foi substituída por outro desenho, inspirado pelo pico Artesonraju, localizado na Cordilheira dos Andes, no Peru.


    O logotipo original era cercado por 24 estrelas – simbolizando as 24 estrelas de cinema contratadas pela companhia na época. O número depois foi reduzido para 22 estrelas.

    O ESTÚDIO

    No endereço 5555 Melrose Avenue em Hollywood está localizado um ícone do cinema mundial. O tradicional portão, em formato de arco, que dá boas-vindas aos estúdios da Paramount (a única das principais produtoras de cinema cujos estúdios ainda ficam em Hollywood). O tour, que é pago, se inicia em um café com uma lojinha de produtos do estúdio e tem duração de duas horas com o visitante passeando em carrinhos (semelhantes aos dos campos de golfe), descendo pra conhecer os stages (cada um tem o seu número e uma plaquinha na entrada que aponta os filmes mais importantes que foram filmados neles); visitam alguns cenários de seriados americanos e algumas curiosidades (por exemplo, vocês sabiam que Transfomers tem cenas aproveitadas de Pearl Harbor?).

    Fotos são permitidas em alguns locais, mas dentro dos estúdios, nos cenários mesmo, é proibido. É um tour bem interessante pra quem curte cinema, com a possibilidade de poder sentar em um dos bancos usados para Forrest Gump e fazer um pedido no tradicional e imponente portão da PARAMOUNT (uma superstição). E não se surpreenda se de repente encontrar uma de suas celebridades favoritas. Afinal, este é o seu local de trabalho.

    RESUMO DOS DADOS DA EMPRESA

    ● Origem: Estados Unidos
    ● Fundação: 8 de maio de 1912
    ● Fundador: Adolph Zukor, Daniel Frohman e Charles Frohman
    ● Sede mundial: Hollywood, Califórnia
    ● Proprietário da marca: Viacom Inc.
    ● Capital aberto: Não (subsidiária)
    ● CEO & Presidente: Brad Grey
    ● Presença global: 140 países
    ● Funcionários: 2.000 (variando para mais ou menos, obviamente)
    ● Segmento: Estúdios de cinema
    ● Principais produtos: Filmes, seriados e produtos licenciados
    ● Concorrentes diretos: MGM, Warner Bros., Universal Studios e 20th Century Fox 
    ● Ícones: A “Montanha Majestosa” de seu logotipo
    ● Website: www.paramount.com

    OPERAÇÕES NO BRASIL

    Com sede em Barueri, no estado de São Paulo, a Paramount está no Brasil desde 1985, tendo iniciado suas operações com a CIC Vídeo - em joint venture com a Universal Studios - para a distribuição de fitas VHS.

    Com o fim da parceria, em 2001, foi fundada a Paramount Home Entertainment (Brasil) Ltda, parte da Paramount Home Entertainment Internacional, uma divisão da Paramount Motion Picture Group, pertencente ao grupo Viacom Inc..

    Atualmente mantém parceria com a Rede Telecine (na TV por assinatura), na qual exibe seus filmes com pouco tempo de exibição em relação ao cinema e também com Rede Globo.

    Filmes brasileiros

    Além de gerenciar o lançamento no mercado brasileiro dos seus filmes, a Paramount Pictures possui um acervo de filmes nacionais como Dona Flor e Seus Dois Maridos, Bye Bye Brazil, Romance da Empregada, O Quatrilho, Menino do Rio, O Candidato Honesto, Irmã Dulce (filme) e Loucas pra Casar.

    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top