• ÚLTIMAS...

    JASON BOURNE (2016) - CRÍTICA DE RUBENS EWALD FILHO


    Jason Bourne (Idem)

    EUA, 16. 123 min. Direção de Paul Greengrass. Com Matt Damon, Tommy Lee Jones, Alicia Vikander, Vincent Cassel, Julia Stiles, Riz Ahmed, Ato Essadon, Scott Shepherd, Bill Camp, Gregg Henry.


    Depois de uma espera de alguns anos (o anterior e legítimo foi O Ultimato Bourne, 07) retorna a série e nesse ínterim o diretor inglês Greengrass fez dois filmes, o fraco Zona Verde com Damon (10) e o sucesso Capitão Phillips (13) com Tom Hanks. Fizeram também um filme com o personagem mas sem o diretor e Damon, chamado O Legado Bourne, 12, com o fraco Jeremy Renner, que seria melhor deixar de lado.

    Com orçamento estimado em 120 milhões de dólares, não perde tempo com muita conversa ou explicações. É basicamente um thriller de ação e perseguições, rodado em Santa Cruz/Tenerife, Berlim, Londres, Grécia, Islândia, Roma, Las Vegas. Começa, porém, com uma pequena síntese das façanhas anteriores de Jason (inclusive com aparição de Albert Finney, rápida) que agora está mais concentrado em limpar o passado e entender porque e como seu pai verdadeiro foi assassinado. Há também uma infelizmente rápida participação de Julia Stiles, que faz Katherine Thorn em Supremacia e Ultimato. Talvez a mudança mais significativa seja agora a existência de um mega empresário que parece ser de origem indiana, que além de ter ficado rico e famoso também resolveu denunciar as façanhas da CIA e outros órgãos de espionagem (agora isso passa a ter importância fundamental na trama e na conclusão em Vegas). Sem esquecer uma perseguição de moto e carro e carro de segurança pelas avenidas da cidade, que pode ser improvável, mas não deixa de ser espetacular.

    A verdade é Matt Damon,amadurecido mas em forma, quase não abre a boca (porém corre, salta, leva tiros, faz perguntas sobre o pai) e no começo do filme esta ganhando a vida disputando lutas a soco! O vilão seria agora um novo chefão da CIA Robert Dewey vivido por Tommy Lee Jones, já sem vigor e com uma aparência digna de zumbi! Há também um assassino contratado francês interpretado pelo já quase brasileiro Vincent Cassel (como Asset), brincando de gato e rato com nosso herói.
    Outra presença marcante é a da recente premiada com o Oscar de coadjuvante Alicia Vikander, que apesar de miudinha e magricela, parece acreditar mesmo que é poderosa no papel de uma alta agente da CIA, ambiciosa e dúbia, variando de quem esta pensando em trair.

    Mas o que impressiona é o trabalho de montagem, de fotografia, de incessante movimento (que pode ser ocasionalmente confuso e mesmo difícil de entender). Afinal de contas essa é a marca registrada de Bourne e a razão porque este filme e esta franquia era tão esperada. Acho que o fã não vai se decepcionar (alguns críticos reclamaram do final, mas eu achei perfeitamente condizente com tudo).


    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top