• ÚLTIMAS...

    sábado, 5 de março de 2016

    RUBENS F. LUCCHETTI - RESPONDE A 7 PERGUNTAS CAPITAIS



    Rubens é um ficcionista, desenhista, articulista e roteirista de filmes, histórias em quadrinhos e fotonovelas. É considerado o "Papa da Pulp fiction" no Brasil. É pai do professor universitário e escritor Marco Aurélio Lucchetti , autor de diversos livros sobre histórias em quadrinhos (A Ficção Científica nos Quadrinhos, As Sedutoras dos Quadrinhos, Desnudando Valentina: Realidade e Fantasia no Universo de Guido Crepax) e editor de uma publicação on line, Jornal do Cinema.

    Ele é fez uma lendária dupla com Zé do Caixão, roteirizando seus melhores filmes.   Por intermédio de José Mojica Marins, conheceu, em 1977, o cineasta Ivan Cardoso, para quem escreveu os roteiros dos filmes O Segredo da Múmia, As Sete Vampiras, O Escorpião Escarlate e Um Lobisomem na Amazônia. 



    Um de seus livros, Noite Diabólica, publicado em 1963, é considerado "o primeiro livro de Terror escrito no Brasil".

    Simpático e atencioso, leia as respostas de Rubens às 7 perguntas capitais. 


    1 - Quando surgiu o interesse do Sr. pela literatura?


    R.F.L.: Meu interesse pela literatura surgiu lendo contos em revistas. Isso por volta de 1940, quando eu tinha uns dez anos de idade e mal conseguia juntar as palavras. Eu ficava fascinado pelas histórias. 
    Uma das revistas que eu mais apreciava era a Contos Magazine, que apresentava histórias de piratas. Eu sempre tive grande predileção por histórias de pirataria, com tesouros escondidos em ilhas remotas. 
    Nessa época, eu lia também um tabloide chamado O Globo Juvenil. Ele era de propriedade do sr. Roberto Marinho, saía três vezes semanas e publicava histórias em quadrinhos (a maioria delas de origem norte-americana) e histórias em texto. Eu recortava essas histórias em texto e colecionei todos os capítulos de um dos episódios da história em quadrinhos Brick Bradford em que o titular da série viaja no tempo e envolve-se com o pirata Martin Cruel (ele tinha como mascote uma pantera negra, que ficava o tempo todo a seu lado. É um personagem marcante. Foi pena que os criadores do Brick Bradford, o roteirista William Ritt e o desenhista Clarence Gray, o mataram. Ele deveria ter aparecido em outras aventuras do Brick). Guardo até hoje, com muito carinho, essas páginas, que transformei num álbum.
    Alguns anos depois, descobri as coleções Terramaear e Audazes, que me abriram as portas dos grandes clássicos da Aventura. Eu ficava penalizado quando terminava a leitura de cada um dos livros dessas coleções, porque eu me familiarizava com os personagens. Lamento que não haja atualmente coleções como essas.
    Portanto, meu início na literatura foram os livros e as histórias em quadrinhos de Aventura.





    2 -  Como surgiu a sua relação com o  cinema?

    R.F.L.: O diretor do grupo escolar que eu frequentava era um fanático por Cinema. Toda quinta-feira, mais ou menos às dez horas da manhã, ele encerrava as aulas do terceiro e quarto anos (dava mais ou menos uns cem alunos) e exibia no porão habitável da escola filmes em dezesseis milímetros. Esse foi meu primeiro contato com o Cinema. Nessas sessões, assisti a uma série de curtas-metragens de O Gordo e o Magro, Carlitos (enquanto os demais alunos riam das estrepolias do personagem, eu não achava graça alguma. Eu via o que acontecia com ele como tragédias). Também vi diversos desenhos produzidos pelos irmãos Max & Dave Fleischer e estrelados pela Betty Boop, o palhacinho Koko e o cão Bimbo. Inclusive, num desses desenhos, os Fleischer ensinavam como fazer um desenho animado. Outro desenho que me marcou muito é um em que misturavam animação com figuras humanas (os próprios Fleischer interagiam com seus personagens). Esse desenho foi realizado nos anos 1930. 



    3 - Qual sua experiência dentro deste universo artístico mais importante?

    R.F.L.: Penso que o meu melhor trabalho em Cinema foi o roteiro de O Segredo da Múmia, porque tive a felicidade de vê-lo filmado quase na íntegra.

    Depois, o Ivan Cardoso, o diretor do filme, soube escolher um elenco perfeito. E destaco o trabalho dos atores Wilson Grey (parece-me que foi a primeira e única vez que ele protagonizou um filme), Clarice Piovesan (ela está perfeita no papel de Gilda, com sua fala lânguida, à la Marilyn Monroe), Anselmo Vasconcelos (ele conseguiu dar expressão à múmia, um ser que não tem expressão) e Tânia Bôscoli (ela interpretou dois papéis: a repórter Míriam, da Rádio Mundo; e a dançarina egípcia Nadja, a grande paixão de Runamb. Na verdade, a repórter é a reencarnação da Nadja). O Colé Santana faz uma aparição relâmpago no filme, mas marcante, em que contracena com a exuberante Maria Zilda. Quero ainda falar de mais duas pessoas, que não são atores. A primeira delas é o maestro Julio Medaglia, que faz o papel de Rodolfo, o assistente do prof. Expedito Vitus (Wilson Grey). Ele está perfeito. Cínico e galanteador. O que foi surpreendente é a atuação do Felipe Falcão. Ele nos deixou há pouco tempo. O Felipe era advogado do Ivan (não entendo como o Ivan o escalou para participar do filme) e deu uma interpretação magistral ao papel do Igor, o criado fiel do prof. Vitus. Nem mesmo um grande ator profissional interpretaria tão bem o personagem. Igor é o grande personagem da fita.



    4 - Qual trabalho o Sr. considera seu melhor?

    R.F.L.: É difícil, para mim, escolher no universo do meu trabalho aquele que eu considero o melhor.



    5 - Existe uma lista (pelo menos uns 10 filmes) que marcaram sua vida?

    R.F.L.: Fazer uma lista com apenas dez filmes é algo extremamente difícil. Mas vamos lá:
    Aquele Que Deve Morrer (de Jules Dassin)
    Se Todos os Homens do Mundo (de Christian-Jacque)
    Janela Indiscreta (de Alfred Hitchcock)
    Luzes da Cidade (de Charles Chaplin)
    O Magnífico (de Philippe De Broca)
    A Mulher Infiel (de Claude Chabrol)
    As Diabólicas (de Henri-Georges Clouzot)
    O Fofoqueiro (de Jerry Lewis)
    De Olhos Bem Fechados (de Stanley Kubrick)
    Este Mundo É um Hospício (de Frank Capra).

    M.V.: Eu por exemplo não sou capaz de fazer uma lista somente de 10. Cito 20 filmes como filhos, não consigo tirar um sequer.




    6 - Como foi sua relação com José Mojica? Alguma coisa não deu certo em algum momento?

    R.F.L.: Minha relação com o sr. José Mojica foi a melhor possível. Em nenhum momento, ele fez oposição a nada que escrevi tendo o Zé do Caixão como personagem. Tínhamos diversos planos, incluindo uma boate de Terror e um desenho animado contando as aventuras de Zé do Caixão. Eu escrevi inteirinho o projeto da boate e também o roteiro do desenho animado (tenho eles guardados até hoje). Mas o maior obstáculo era a falta de recursos e apoio para colocarmos em execução esses planos. Alguns conseguimos realizar, como a revista de histórias em quadrinhos O Estranho Mundo de Zé do Caixão, fotonovelas e os programas de televisão (Além, Muito Além do Além e O Estranho Mundo de Zé do Caixão).



    7 - E se pudesse deixar uma lição desta vida dedicada ao cinema e a literatura, qual seria?

    R.F.L.: A principal lição que obtive é que essas duas artes são desprezadas em nosso país. Por exemplo, se você chegar para um empresário e falar sobre qualquer uma delas, ele vai dar um sorriso de mofa e dizer: “Isso é muito bom para sonhadores e poetas. Meu negócio é ganhar dinheiro.” Aqui, os empresários estão voltados para o imediatismo e de olhos totalmente vendados para o que acontece no mundo civilizado (não considero o Brasil um país civilizado). A França, poucos anos depois de ter se envolvido em duas guerras mundiais, tinha no Cinema uma de suas maiores fontes de renda, devido ao sucesso feito pelos filmes da Brigitte Bardot (esses filmes traziam mais renda para o país do que os carros da Renault). A Itália fazia filmes no meio dos escombros da Segunda Guerra Mundial, realizando fitas do Neorrealismo, fitas que lotavam os cinemas. E que dizer, então, do cinema norte-americano?! Os filmes produzidos nos Estados Unidos ditam moda, modismo e vendem para o resto do mundo o american way of life. Só para os nossos empresários tacanhos é que o Cinema é coisa de “sonhadores e poetas”. 

    Quanto à literatura, nossas editoras estão preocupadas em lançar apenas best-sellers estrangeiros, que já vêm com uma propaganda feita. Elas não investem no talento brasileiro.

    ACESSE O SITE DE RUBENS F. LUCCHETTI E CONHEÇA MAIS DE SUA OBRA E VIDA PESSOAL.
    ACESSE TAMBÉM SUA FILMOGRAFIA 

    "Eu tenho horror à realidade. Por isso, sou um ficcionista."


    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    • Comente com o Google

    1 comentários:

    Item Reviewed: RUBENS F. LUCCHETTI - RESPONDE A 7 PERGUNTAS CAPITAIS Rating: 5 Reviewed By: TUDO SOBRE SEU FILME
    Scroll to Top