• ÚLTIMAS...

    OS SETE SAMURAIS (1954) - ANÁLISE DO FILME


    FICHA TÉCNICA
    Direção: Akira Kurosawa - Roteiro: Akira Kurosawa, Shinobu Hashimoto, Hideo Oguni - Gênero: Ação/Drama/Guerra - Origem: Japão - Duração: 206 minutos - Tipo: Longa-metragem

    SINOPSE
    Durante o Japão feudal do século XVI, um velho samurai chamado Kambei (Takashi Shimura) é contratado para defender uma aldeia indefesa que é constantemente saqueada por bandidos. Contando com a ajuda de outros seis samurais, Kambei treina os moradores para resistirem à um novo ataque, que deve acontecer muito em breve.

    EU E O FILME

    Talvez, Os sete samurais carregue consigo a história mais curiosa da minha vida de fanático pelo filme. Quando eu tinha em torno de 17 anos, o filme passou na TVE, com a famosa "cópia chuviscada".

    Na noite que o filme passou, eu estava numa festa com minha namorada na época, e eu precisei ir embora, pois o filme começava as 22.00. Rolou um clima tipo: ou o filme ou eu. Queria ter respondido a ela: " - O filme será eterno; você não." Depois disto, terminou o relacionamento, mas começou meu relacionamento com o clássico que permanece fiel até hoje. E ela foi traída, naquela noite, por 7 Samurais.

    O FILME

    Os Sete Samurais é a obra mais famosa do aclamado diretor Akira Kurosawa e o maior épico japonês já feito, um filme completo não apenas pela sua longa duração , mas por abarcar vários temas e muitos personagens. O filme conta com Toshiro Mifune no elenco, além de Takashi Shimura, Yoshio Inaba e o jovem Iaso Kimura, entre outros. Saiba aqui quem são os 7 Samurais.

    A história de passa no século XVI, durante a era Sengoku, quando os poderosos samurais de outrora estavam com os dias contados pois eram agora desprezados pelos seus aristocráticos senhores (samurais sem mestre eram chamados de “ronin”). Um humilde lugarejo de pequenos lavradores é alvo de constantes ataques de saqueadores que aproveitam a época da colheita para roubarem. Temendo novamente serem atacados pelos bandidos, os moradores resolvem contratar um velho e sábio samurai para defendê-los dos saqueadores. Kambei (Takashi Shimura), um guerreiro veterano sem dinheiro, recruta seis outros ronins, que concordam em ensinar os habitantes como devem se defender em troca de comida.

    Os aldeões dão boas-vindas aos guerreiros e algumas relações começam. Katsushiro (Isao Kimura) se apaixona por um das mulheres locais, embora os outros ronins mantenham distância dos camponeses. O último dos guerreiros que chega é Kikuchio (Toshiro Mifune), que finge estar qualificado mas na realidade é o filho de um camponês que almeja aceitação. Os bandoleiros chegam e no final uma épica batalha ocorre que vai decidir se os pobres camponeses defendidos pelos sete samurais continuaram com suas terras e suas vidas.

    Os Sete Samurais é um filme que mostra o lado mais belo e brilhante do cinema de Kurosawa, uma verdadeira viagem pela alma humana, por entre emoções e comportamentos e que expõe o estilo de vida dos samurais e ronins. É um filme onde tudo é tratado com muita naturalidade e ao assistir o filme você se identifica com os personagens que são bem trabalhados, cada samurai com uma personalidade diferente e com um história unica. 

    Kurosawa realiza com perfeição e rigor uma das obras-primas do cinema japonês, principalmente pela beleza plástica de suas cenas, muito bem elaboradas na batalha da chuva, onde ele consegue transportar para tela um nível de ação sem precedentes. “Os Sete Samurais” é o filme mais aclamado da obra de Kurosawa, além de ser considerado o western do cinema oriental. Considerado por muitos uma obra-prima, é um dos poucos filmes que podemos chamar de perfeito. A revista americana “Entertainment weekly” colocou o filme entre os seis maiores filmes de ação de todos os tempos.

    A influência do cinema ocidental em Kurosawa foi enorme, assim como é enorme a influência de Kurosawa no cinema ocidental. Dizer, porém, com veneno nos lábios, que “Kurosawa é o mais ocidental dos diretores japoneses” é ignorar a freqüência com que ele retratou os costumes e tradições do Japão, além de seus problemas, histórias, e afins. Kurosawa de maneira alguma deixou suas raízes pra trás, mas simplesmente reuniu uma gama maior de influências, juntando Shakespeare, Dostoievski e os westerns à sua bagagem cultural nipônica.

    Os questionamentos do filme, como em qualquer obra-prima, se multiplicam. Em princípio, temos os cavaleiros andantes, os “pistoleiros” solitários do Japão feudal, os samurais sem senhor, ronins, que saem de suas vidas auto-suficientes para proteger a coletividade, o grupo interdependente de uma aldeia de lavradores de um ataque de bandidos. No aspecto sócio-econômico, o filme é um pouco pessimista, conquanto simplesmente retrate com perfeição o Japão da época: embora uns ataquem, outros entrem em desespero e outros lutem honradamente, todos são miseráveis: lavradores, samurais e bandidos, que fazem o que fazem, cada um deles, simplesmente para sobreviver.


    A partir dessa premissa, contudo, Kurosawa desenvolve as personalidades e motivações dos personagens para além do instinto de sobrevivência. Não é só por comida que eles lutam. Eles lutam pelo dever, pela honra, por compaixão. Eles lutam por companheirismo, que por sinal é outro mote importante do filme. É a amizade e a admiração que motiva, de modo geral, a união dos sete guerreiros.

    O último aspecto importante, talvez o mais importante, seja aquele com que o filme encerra: dos sete samurais, quatro morrem, e Katsushiro, o mais novo, perde (não pela morte) a pessoa por quem estava apaixonado. Kambei dissera, logo no começo do filme, que já estivera em muitas batalhas, mas nunca do lado vencedor. E na última cena, conversando com seu amigo Shichiroji, um dos samurais, em frente aos túmulos dos mortos, diz novamente que aquela foi mais uma batalha perdida. Mesmo que os bandidos tenham sido todos mortos, e a aldeia salva, quem ganhou a batalha foram os lavradores. Os samurais, os guerreiros solitários, companheiros e honrados mais uma vez perderam. Pois a História não é justa, e mesmo quem vive honradamente acaba ficando para trás.
    Perfeito.

    REFLEXÕES SOBRE O FILME

    O filme se passa no Japão do século XVI, e se inicia com um conflito, um problema concreto: uma aldeia de lavradores foi saqueada, e os saqueadores prometem voltar. Os camponeses sentem-se injustiçados e, desesperados, não sabem o que fazer. Nesse momento de desespero, eles recorrem ao ancião da aldeia, um sábio:

    - Por que não falamos com o velho? Vamos pedir o conselho dele.

    Primeiro pensam em tentar negociar com os saqueadores, mas um deles diz que os bandidos não têm limites, e nunca irão parar de atacar. Pensam que não tem saída, que irão morrer. Então o velho diz que, para enfrentar os saqueadores, a aldeia deve lutar. Mas eles são camponeses e não sabem lutar, então o velho diz que eles precisam contratar samurais para a batalha. Os samurais, porém, cobram caro por sua tarefa, e a aldeia não tem dinheiro para pagá-los.

    Como a aldeia não tem dinheiro, o ancião diz que irão sacrificar sua comida para os samurais. Eles irão comer uma comida de menor qualidade, o milhete, para dar arroz aos samurais, sugerindo que eles trabalhem por comida. Diante de um grupo que não vê solução para o problema, o ancião emerge com uma saída para o impasse.

    Então um dos homens da aldeia argumenta que eles são muito orgulhosos e não iriam aceitar lutar apenas por comida, e o sábio diz:

    - Nesse caso, encontre samurais que estejam famintos.

    Um grupo de camponeses sai da aldeia na procura de samurais para ajudá-los. Necessitam de samurais que lutem pelo ideal da justiça, da defesa do mais fraco contra o opressor. O primeiro samurai que tentam convencer sente-se insultado, humilhado: “Eu sou pobre, mas não sou mendigo.”

    Enquanto procuram os samurais, alguns camponeses desacreditam daquele plano, zombam como se fosse uma estupidez. Desanimado, um dos lavradores diz:

    - Não entendemos de samurais, lavradores só entendem de sementes, nunca vamos conseguir contratar um samurai.

    Nesse momento de desânimo, o grupo de camponeses presencia a estratégia usada por um samurai. Um menino havia sido sequestrado por um ladrão e estava preso em uma cabana, e os camponeses observavam  sem saber como intervir. Surge então um samurai, que lhes pede uma roupa de monge e um pouco de arroz. Ele raspa sua cabeça, veste a roupa e bate na porta da cabana, passando-se por monge e oferecendo comida ao ladrão e ao garoto. Quando o bandido abre a porta, o samurai entra na cabana, mata o ladrão com sua espada e salva a criança.


    Após essa cena, um jovem samurai, em busca de um mestre, se ajoelha e pede que o samurai o aceite como seu aprendiz. O samurai educadamente diz que não tem aprendizes, e pede que o homem se levante para os dois conversarem enquanto caminham. Diz que não tem muito o que ensinar aos outros:

    – Não possuo nenhuma habilidade especial. Já tive muitas experiências em batalhas, mas foram todas batalhas perdidas. Não tenho sorte, você não deve me seguir, é para seu próprio bem.  Eu não posso manter um aprendiz.

    Percebendo a modéstia daquela samurai, os camponeses decidem explicar a ele o problema que sua aldeia está enfrentando, e oferecem que ele lute em troca de comida. Diferente dos outros samurais até aquele momento, o mestre decide aceitar o desafio. Após ouvir suas descrições, diz:

    - Contra um bando de quarenta bandidos, dois ou três samurais não podem fazer nada.

    Em seguida, afirma que “defender é bem mais difícil que atacar.”

    Após fazer uma série de perguntas aos camponeses e refletir sobre a situação em que se encontram, o mestre samurai calcula que eles precisarão de mais seis samurais para que possam defender a aldeia. Diz:

    - Não é fácil arranjar sete samurais de confiança, ainda mais quando a recompensa é apenas comida de graça, e a diversão do combate, é claro.

    Vendo os camponeses comerem uma comida de menor qualidade, o samurai reconhece o sacrifico do grupo de estar comendo milhete para oferecer-lhe arroz.

    Um dos camponeses confessa ao ancião estar preocupado porque as mulheres da aldeia gostam de samurais, e o velho diz:

    – Por que se preocupar com sua barba, quando sua cabeça está para ser decepada?

    Todos os camponeses que possuem filhas jovens estão preocupados. Um dos pais de uma jovem da aldeia obriga a filha a cortar seu cabelo por medo que ela se envolva com um samurai. O ancião lhe diz:

    - Ele diz que está preocupado com a nossa aldeia, mas só está preocupado com a própria filha.

    Enquanto isso, na cidade, o mestre samurai, acompanhado de seu jovem aprendiz, está em busca de outros guerreiros para treiná-los. Ele diz aos samurais:

    – É uma guerra contra um bando de criminosos que está prestes a começar. O empregador é uma aldeia pobre de lavradores, e o trabalho não oferece nenhuma recompensa, a não ser três refeições completas de arroz por dia.

    Um samurai afirma que aceitará o trabalho pela admiração que tem pelo mestre e quer conviver mais com ele:

    – Vou aceitar o trabalho pois o seu caráter me fascina.

    O mestre samurai diz que sua luta será pra proteger aqueles que não sabem se defender – sua causa é humana, não está relacionada diretamente à glória ou dinheiro.

    - Me preparo para uma guerra dura, que não vai trazer nem glória nem dinheiro.

    O mestre realmente acreditava que os camponeses precisavam ser protegidos, e com sua convicção, conseguiu conquistar outros samurais que acreditavam nele e queriam se aperfeiçoar. Os samurais possuíam, cada um, suas virtudes maiores: visão estratégica, coragem, sabedoria, liderança, e ao longo do filme vemos como todas as habilidades, reunidas em um trabalho em equipe, são importantes para a construção de uma estratégia de defesa.

    O filme traz a idéia de que enquanto algumas pessoas são fortes, e conseguem se defender por conta própria, outras são fracos e precisam de outros para defendê-los.

    Enquanto os seis samurais estão a caminho da aldeia, percebem que um homem que havia sido rejeitado pelo mestre, pois era um falso samurai, estava seguindo o grupo. Mesmo tendo sido rejeitado, ele tem um desejo muito forte de lutar em favor dos camponeses, e por isso vai até a aldeia atrás do grupo de samurais.

    Quando os samurais chegam na aldeia, os camponeses, com medo, se escondem em suas casas. Eles não entendem o porquê de terem sido recebidos desta maneira, considerando que se ofereceram para defender a vila por quase nenhuma recompensa, buscam uma explicação com o ancião da aldeia. O sábio lhes diz que os camponeses são ignorantes e não sabem o que é melhor para eles, mais uma vez trazendo a idéia de que os mais fortes devem proteger os mais fracos:

    – Meu povo está sendo muito tolo. Os lavradores sempre estão preocupados com alguma coisa, chuva, sol, vento, Acordam preocupados e dormem preocupados. Mas hoje estão preocupados sem nenhum motivo.

    De repente, um alarme que avisa que os bandidos estão se aproximando é tocado, e os camponeses saem de suas casas desesperados, e imploram para que os samurais os protejam. Nesse momento, os samurais mostram sua calma e racionalidade fazendo perguntas aos moradores: por que estão desesperados, de onde estão vindo os bandidos, quem soou o alarme. Percebendo que não sabiam as respostas, os camponeses se dão conta de que o alarme era falso, e havia sido tocado pelo homem que havia seguido os samurais com a esperança de juntar-se ao grupo. Ao fazer um discurso a toda aldeia revelando a incoerência dos camponeses em sua recepção (já que não sabiam se defender e precisavam dos samurais para se defender), este homem demonstra sua inteligência e seu poder de comunicação, e acaba sendo finalmente incluído no grupo dos samurais.

    A aldeia começa então a planejar sua defesa, e os samurais elaboram estratégias de defesa e também ensinam os camponeses a lutarem. Durante todo o filme, é evidente o poder de união do grupo, a cooperação entre eles: os samurais estão sempre juntos, consultam uns aos outros, trocam idéias, pensam em novas estratégias, e interagem com os camponeses da aldeia.

    O tema do medo está muito presente no filme. Em certo momento, um homem diz ao grupo:

    - Lembrem-se: Vocês têm medo do inimigo, mas eles também tem medo de vocês.

    Os samurais mostram a integração da força física, do espírito guerreiro, com a racionalidade, a concentração, a visão estratégica.

    Em certo momento, os samurais descobrem que os camponese tinham assassinado e roubado as armas e armaduras de outros samurais no passado. Eles ficam indignados e se revoltam com isso. Um dos samurais, aquele que em um primeiro momento havia sido recusado, diz que eles ignoram as dificuldades que os agricultores enfrentaram para sobreviver e ganhar a vida, intimidados não apenas pelos bandidos mas também por guerreiros samurais. Em sua fala emocionada, ele revela suas origens, e o mestre percebe que ele é filho de camponeses.

    Em certo momento, os homens dizem que, se eles estão vigiando as casas dos outros, suas próprias casas estão desprotegidas. Pensam que não podem abrir mão de suas casas. O mestre samurai intervém, pega sua espada, e ordena que todos permaneçam juntos com o resto da aldeia: eles têm que ficar unidos e fortes para se defender do inimigo. Nesse momento, vemos que foi necessário um líder, alguém para apontar o problema, e ordenar o que deve ser feito. Com a espada em mãos, o mestre revela sua força, e usando sua lógica e racionalidade, mostra a força do grupo:

    - Estamos todos no mesmo barco. Os egoístas destruirão a si mesmos, e aos outros também. É inaceitável.

    O mestre dividiu a aldeia em sete partes, e cada samurai ficou responsável por uma determinada área da aldeia, mostrando mais uma vez a importância da estratégia. Em certo momento, o mestre diz:

    - O perigo ataca quando tudo parece seguro.

    Em determina cena, vemos uma senhora querendo vingar a morte de sua família por meio de um prisioneiro de guerra que se encontra na aldeia, e os samurais tentam detê-la. O ancião da aldeia porém, diz que a velha tem o direito de matar o homem que matou a sua família, e a palavra da tradição da aldeia é mais forte que a dos samurais.

    Em um momento de dor vivido entre o grupo, em um roda de conversa, um dos samurais diz que “Falar sobre o sofrimento alivia a carga do coração.”

    Uma das estratégias utilizadas pelos samurais é de deixar que um ou dois bandidos entrem na aldeia, para então o bloqueio ser fechado, e assim matar os bandidos que entraram. Dessa forma, eles conseguem matar uma grande quantidade de inimigos.  As estratégias dos samurais são evidenciadas em suas falas:

    - Toda boa fortaleza tem uma falha para atrair o inimigo para dentro.

    - Não é mérito avançar sozinho. Na guerra, é o trabalho em equipe que conta.

    As batalhas tinham sido difíceis: os samurais haviam matado muitos bandidos, mas também haviam perdido dois samurais do grupo deles. Quando faltam apenas 13 homens para serem mortos, chega o momento da batalha final. O mestre diz que os inimigos irão atacar com todas as forças, pois estão cansados, têm fome, estão desesperados, assim como eles. Nesse momento ocorre um reconhecimento da fragilidade humana.

    Em seguida, vemos um conflito entre um membro da aldeia e os samurais. Um pai  da aldeia, excessivamente controlador, que já havia obrigado sua filha a cortar o cabelo, descobre que ela está envolvida com um samurai. Ele humilha a filha em frente a todos e diz: “Minha filha foi seduzida por um samurai. Estou arruinado.” O mestre samurai pergunta ao pai com qual samurai ela se envolveu, mas todos mantêm silêncio, apesar de saberem, mostrando a coesão do grupo. Um outro homem justifica para o pai afirmando que “quando a morte se aproxima, alguns precisam de um pouco de romantismo antes da batalha.” Diz ainda que a jovem não se entregou a um “bandido safado”, e que os dois se amam de verdade.

    No final do filme, após a última batalha, a aldeia consegue derrotar os bandidos. O líder dos bandidos é morto, e morrem também mais dois samurais, restando apenas três no final da história – o mestre, seu jovem aprendiz e outro samurai. A batalha é vencida pela aldeia, que aprende a se defender, mas os samurais pensam que, embora tenham vencido o combate para os agricultores, perderam seus amigos samurais. O mestre diz: “Novamente nós fomos derrotados. Os agricultores venceram, nós não”, remetendo ao começo do filme, em que o mestre havia dito que “nunca havia vencido uma batalha.” Nesse momento, vemos os camponeses trabalhando de forma satisfeita, sentindo-se vitoriosos.

    O filme nos faz refletir sobre as sutilezas da diferença entre a violência dos samurais – defesa dos guerreiros – e a violência dos bandidos – ataque do inimigo. O final sugere que o uso da violência como forma de resolver conflitos, independente de quem esteja praticando-a, não traz a felicidade.




    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top