• ÚLTIMAS...

    PENNY DREADFUL 1ª TEMPORADA



    SINOPSE E CRÍTICA

    A trama é simples onde pessoas extraordinárias, ou parte delas, se unem porque a filha de Sir Malcolm foi sequestrada por um vampiro, cujo nome apesar de não ser dito, é o Drácula. Sir Malcolm tem muito dinheiro e pode pagar a Ethan Chandler, o melhor atirador americano disponível ali na Inglaterra e pode financiar algumas pesquisas de Victor Frankenstein, por isso ambos os ajudam nessa jornada. Sembene está lá porque deve algo a Sir Malcolm (ou o inverso) e Vanessa Ives está porque deve algo a Mina, que durante a maior parte de sua vida, foi sua melhor amiga.

    A trama de Penny Dreadful é cheia de altos, mas infelizmente por melhor que a série seja não está livre dos seus baixos também. A forma como Van Helsing está na série é bem tola, a ideia inteira da história é bem previsível, eu tinha previsto cada passo, especialmente para Brona e Ethan desde o 2° episódio. Alias, só temos 8 episódios na 1° temporada, mas em pelo menos 4 deles temos exatamente a mesma cena, Malcolm, Vanessa, Sembene e Ethan indo a algum lugar obscuro tentando achar Mina, e a visita termina com Ethan dando tiros em vampiros, isso foi um ponto bem repetitivo durante toda a série, tanto tematicamente quanto visualmente. O fato de ter apenas 8 episódios, faz algumas coisas parecerem gratuitas e corridas, já que elas jamais são exploradas a fundo. O Dorian Gray, por exemplo, personagem que ninguém parece acertar a mão, nem Penny Dreadful, só está na série para interagir com Vanessa e gerar uma única situação que qualquer outro personagem poderia gerar, fora isso, ele está lá inutilmente, esperando apenas ser usado na próxima temporada. O mesmo vale para Brona Croft, nossa eterna Rose Tyler de Doctor Who, é claro que é interessante ver Billie Piper em outro papel que não Rose, especialmente um papel tão mais pesado, mas ela não tem qualquer função na trama da série, ela é apenas um subplot desnecessário que também será melhor usado na 2° temporada.

    Com apenas 8 episódios para desenvolver personagens tão espetaculares e uma trama tão bacana, era de se esperar que os roteiristas usassem cada segundo possível para eles, mas isso acaba não acontecendo e diluindo a chance da série ser única e provavelmente entrar na lista das melhores temporadas já feitas. 
    Entretanto, se o roteiro tem essas pequenas falhas, ele acerta tantas e tantas vezes que fica difícil se deixar influenciar mais pelos defeitos da série do que por suas qualidades, um episódio específico dessa temporada, o melhor episódio por sinal, Closer than Sisters, que é um episódio inteiro de flashback no meio da temporada, mostra melhor o passado de Vanessa Ives e sua relação com Mina e Malcolm Murray, assim como o surgimento dos poderes da protagonista. O episódio é uma pequena pérola da TV com um texto que teve o poder de dar uma profundidade ímpar a Vanessa e um inicio de processo de compreensão de Malcolm.


    O texto na verdade é tão bom em certos momentos, que apenas um diálogo foi capaz de explicar completamente a essência de Victor Frankenstein:

    "Eu jamais iria mapear o caminho de um rio, ou escalar um pico para medi-lo ou fincar uma bandeira nele, não há motivos pra isso. É solipsismo, auto-engrandecimento. Assim como aqueles cientistas que estudam os planetas em busca de uma iluminação astronômica para si próprios; os botânicos estudando variações de uma samambaia da Amazônia; os Zoólogos apanhados no fascínio interminável com o veneno de uma víbora; para que? Conhecimento por si só? A euforia da descoberta? Fincar sua bandeira na verdade? Há apenas um objetivo digno da ciência: entender a questão que separa a vida da morte. Todo mais, desde o mais fundo ponto do oceano até o mais alto pico de uma montanha no planeta mais distante é insignificante. Vida e Morte, Sir Malcolm, o estalo que separa um do outro, tão rápido quanto o bater de asas de um morcego, mais bonito do que qualquer soneto… esse é meu rio, essa é minha montanha. É aí onde eu vou fincar minha bandeira."

    Eu tenho também que reafirmar que o valor de produção de Penny Dreadful que é simplesmente grandioso. Provavelmente a série tem uma produção tão bem feita quanto a de Game of Thrones, só quem com muitos milhões a menos de orçamento. Uma produção tão impecável quanto a de Hannibal ou Fargo… entretanto com alguns milhões a mais. É impressionante ver o que séries “menores”, se é que eu posso chamar Penny Dreaful assim, estão conseguindo fazer hoje em dia, não é mais preciso ser HBO para ser sensacional, é só querer. 

    Alias, a produção de Penny Dreadful não é apenas bonita, mas sua beleza é completamente voltada para o fúnebre, a série por mais que seja a versão de John Logan de A Liga Extraordinária, é ainda uma série de terror que assusta como basicamente nenhum filme vem fazendo hoje em dia. 
    Só para constar, John Logan é um dos maiores roteiristas da atualidade, ele  escreveu recentemente 007 – Operação Skyfall para Sam Mendes dirigir. Logan e Mendes eram tidos como os showrunners de Penny Dreadful antes, mas aparentemente apenas Logan é considerado “criador” da série, Mendes entretanto, com certeza ajudou a estabelecer a estética visual invejável da obra.
    Agora, eu deixei o melhor para o final da crítica, mesmo que Sam Mendes fosse de fato o showrunner da série, ainda assim Penny Dreadful teria nomes superiores a ele. Não é todo dia que uma série de TV é protagonizada por Eva Green, Josh Hartnett e Timothy Dalton, isso porque eu não to incluindo Billie Piper para não parecer um fanboy de Doctor Who. Portanto, com tantos atores bons, não dá para não esperar atuações de tirar o fôlego.

    O novato Harry Treadaway dá um show como o Frankenstein e embora o personagem de Josh Hartnett seja um pouco duro, Josh dá a ele até mais vida que pode e o resultado é muito bom. Timothy Dalton também tem lá seus grandes momentos, embora Sir Malcolm só vire um bom personagem de fato no season finale, mas é Eva Green quem dá show na série.
    Eva Green simplesmente está naquele que eu posso dizer que é o seu melhor papel até o momento. Ela provavelmente ficará marcada para sempre como Vanessa Ives se Penny Dreadful durar mais alguns anos, não tem Vesper Lynd que segure. Green consegue dar todas as nuances que Ives precisa, ela consegue estar forte, assustada, provocante e contida como pedem as situações e sua personalidade complexa e o mais interessante de tudo são suas performances em transe ou enquanto está possuída, de fato, eu nunca vi cenas de exorcismo tão boas desde… O Exorcista.
    Good Show!!!



    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top