• ÚLTIMAS...

    terça-feira, 11 de novembro de 2014

    INTERSTELAR (2014) - FILM REVIEW



    À partir de hoje (05/09/2017) este texto acompanhará as críticas antigas, para esclarecimento. 
    Nosso site foi crescendo ao longo dos anos, e com isto, mais experiência vamos adquirindo. Com isto, vamos unificar a sessão de críticas no FilmReview. Será trabalho para meses. Existem muitas sessões de críticas (Crítica, Review, Sofá Night com Cinema, O que eu vi do que eu vi...). Todas serão incorporadas ao FilmReview para serem encontradas facilmente.
    Apenas o Rebobinando Clássicos será mantido (com a imagem do VHS), porém, estará também no FilmReview.
    Boa Leitura.


    Interestelar se passa em um futuro em que a Terra se torna um lugar inabitável. Com a promessa de encontrar um jeito de solucionar o problema, um grupo de exploradores descobrem um buraco negro capaz de proporcionar viagens pelo espaço e pelo tempo, além de outras dimensões, com a qual os humanos nunca tinham sonhado. Junto desses exploradores está Cooper (Matthew McConaughey), um ex-piloto que precisa deixar sua família para seguir rumo ao espaço.

    O filme

    Em Interstellar, Christopher Nolan (Batman, A Origem) é o mais novo a tentar recriar em uma sala de exibição a sensação de uma viagem ao espaço, hoje 358 anos depois do escritor francês Savinien Cyrano de Bergerac ter escrito “Historie Comique dês États et Empires de la Lune” (1656) em que narra, em pleno século XVII, uma viagem à lua e 149 anos depois de Jules Verne em “De la Terre a la Lune” (Da Terra à Lua), publicado pela primeira vez em 1865, e adaptado por George Meliés em 1902. O inventivo Meliés tornou icônica a imagem de uma lua humanizada atingida por um projétil gigante, conforme visto recentemente em A Invenção de Hugo Cabret de Martin Scorcese.  Um ano antes do filme de Meliés, outro pioneiro do gênero, o inglês H.G.Wells publicou “The First Men on the Moon” (Os Primeiros Homens na Lua), adaptado para o cinema em 1919 e 1964. Wells imaginava um foguete alimentado pela carvorita, um imaginário minério anti-gravitacional e a existência de habitantes lunares, os selenitas (assim chamados como referência à deusa lunar Selene), que já eram mencionados no texto de Bergerac.

    A realidade, contudo, é sempre mais sem graça, carece de glamour e, assim, a literatura antecipou conquistas que demorariam para se concretizar. Pouco mais de 90 anos depois do livro de Verne, os Soviéticos lançaram o satélite Sputinik ao espaço. Na mesma ocasião, a cadela Laika se tornou o primeiro ser vivo a viajar ao espaço e nunca mais retornou a Terra. Somente em 1961, Yuri Gagarian se tornou o primeiro homem a ver a Terra do espaço. A Corrida ao espaço entre norte-americanos e soviéticos foi acirrada no período conhecido como Guerra Fria e culminou com a chegada da Apollo XI à superfície lunar em 20 de Julho de 1969.

    Hoje em pleno século XXI ainda não conseguimos explorar nada além de nosso planeta azul, mapeamos muito pouco de toda essa imensidão a partir de modernos observatórios e de imagens de satélites, muito diferente da romantização de uma raça humana unida a bordo da Enterprise de Star Trek. Em meio ao sonho otimista da saga de Gene Roddenberry e a pesadelos assustadores como Prometheus de Ridley Scott, o cinema frequentemente nos leva ao papel de exploradores espaciais sabendo que no espaço não há som para que suspiros ou gritos se propaguem, não há oxigênio para que explosões apoteóticas sejam observadas e o vazio enfatiza de forma brutal a insignificância de nossa natureza. Talvez justamente por esse poder tão absoluto, o espaço seja o elemento perfeito para divagações filosóficas sobre nosso papel na ordem das coisas.


    No clássico O Planeta Proibido (The Forbidden Planet) de 1958, um jovial Leslie Nielsen faz um bravo capitão de uma nave espacial que chega a um planeta onde uma arma alienígena desperta o Id descontrolado do Dr.Morbius (Walter Pidgeon), transformado em uma irrefreável força destrutiva que nos faz pensar na divisão freudiana da psique humana, uma história saída da peça de Shakespeare “A Tempestade”. Ainda mais impressionante foi 2001 – Uma Odisseia no Espaço (2001 – A Space Odissey), adaptação do conto “A Sentinela” de Arthur C. Clarke, dirigida por Stanley Kubrick, que criou os rigores do espaço um ano antes da ida do homem à lua. Sua história pretensiosa confronta o passado primitivo do homem com seu futuro nas estrelas, questionando mais que respondendo a busca incessante do homem sobre para onde vamos e o que somos. A natureza humana também é posta sob estudo no livro do polonês Stanlislaw Lem “Solaris”, publicado em 1961, sobre um planeta composto de um oceano inteligente, forma de vida que analisa a complicada equação humana representada pelo psicólogo Kris Kelvin enviado para investigar o motivo do enlouquecimento da tripulação orbitando o misterioso planeta. A história ambiciosa e de grande aprofundamento, comparável a 2001, foi adaptado duas vezes: em 1972 por Andrei Tarkovsky e em 2002 dirigida por Steven Sodenbergh que teve resultado raso se comparado às complexidades do material em que se baseia.

    Filosofias à parte, a ciência real e a ciência imaginária se diferenciam muito. Deixar a atmosfera da Terra está longe dos devaneios fantasiosos de Flash Gordon e Buck Rogers (heróis clássicos dos quadrinhos) e aventuras como o do fracassado John Carter flertam mais com a vontade do ser humano de se desprender das limitações do nosso mundo e buscar o desconhecido lá fora. Quase um ano depois da chegada do homem à lua, a missão da Apollo 13 , que virou o filme homônimo de 1995 dirigido por Ron Howard, começou com a euforia do início da chamada era espacial e terminou de forma desastrosa quando um defeito em um dos módulos impediu a “alusinagem” prendendo os três astronautas, incluindo o Capitão James Lovell, durante cinco dias em órbita e antes do fim das reservas de oxigênio e água.

    IMAGEM EM 3D - QUEM TIVER AQUELE ÓCULOS BÁSICO (BRANCO - COM LENTES AZUIS E VERMELHAS) CONSEGUE VER

    Seu retorno à Terra foi um triunfo do esforço humano de sobrevivência conforme relatado no livro de Jim Lovell, adaptado para o cinema e que fez da frase “Houston, nós temos um problema” icônica mensagem de que a viagem espacial  não é um passeio. Outra produção que soube mostrar a solidão do homem diante da imensidão com requintes técnicos admiráveis foi o recente Gravidade de Alfonso Cuarón, premiado e consagrado por público e crítica. A jornada da Dra Ryan Stone (Sandra Bullock) de volta para a Terra guarda a metáfora do nascimento, ou melhor do renascimento, quando a personagem que vivia sem propósito redescobre a vontade de viver quando se vê à deriva em torno da Terra. A Ficção Científica aborda a condição humana, mostra as possibilidades e tenta, enfim, mudar nossa perspectiva sobre nossas próprias vidas.

    Claro que o aspecto religioso ocasionalmente vem a tona sempre que nos perguntamos se estamos sozinhos no universo, o que existe dentro e além dos limites da via láctea. O renomado astrônomo Carl Sagan, criador da série “Cosmos”, escreveu o embate entre a fé a ciência em seu livro Contato fazendo da Dra Ellie Arroway a representação de sua persona questionadora, sonhadora, ávida pelo conhecimento. O livro, publicado em 1985, foi dez anos depois adaptado para as telas com direção de Robert Zemeckis e trazendo no elenco os nomes de Jodie Foster e Mathew McConaughey que agora protagoniza o filme de Nolan.

    A viagem espacial toca profundamente a todos porque lida com nossa visão sobre nós mesmos, nossa relação com a criação, se somos ou não feitos à imagem e semelhança de Deus, se estamos sozinhos ou não. Experimentar essas perguntas mexe com nossa razão, instiga nossos sentimentos tão conflitantes, e por isso leituras e releituras do assunto são tão frequentes nas telas. O Espaço é a fronteira final e a frase, embora clichê, espelha perfeitamente essa busca que se faz de forma interna e externa a nossos corpos limitados pela carne, mas potencializados pela mente questionadora que nos torna todos verdadeiros homens-foguete como na canção icônica de Elton John, um vôo infinito voltado para o mistério das estrelas.
    O co-roteirista do longa, Jonathan Nolan, irmão do diretor do filme, estava desenvolvendo o projeto com o diretor Steven Spielberg, mas Christopher Nolan é fã de ficção científica e queria fazer uma produção do gênero, por isso acabou ficando com o cargo.
    O cientista Kip Thorne, físico especializado na Teoria da Relatividade, foi o consultor de roteiro e produtor executivo de Interestelar.Wally Pfister, diretor de fotografia dos longas de Christopher Nolan, foi substituído por Hoyte van Hoytema (Ela), pois estava trabalhando em Transcendence - A Revolução (2014), que teve produção-executiva de Nolan. Anne Hathaway teve princípio de hipotermia em uma cena aquática. Interestelar é o filme mais longo da carreira de Christopher Nolan. Com 169 minutos (2 horas e 49 minutos), batendo os 164 minutos de Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012).

    No final da produção, fica a sensação de que se viveu uma experiência. Na cena em particular do vídeo que  Cooper (Matthew McConaughey) assistiu depois de uma jornada num planeta em que  o tempo passa relativamente mais rápido que o nosso, me coloquei no lugar do personagem e tive a mesma emoção que ele, como se fosse eu quem tivesse passado por aquilo com a minha filha.
    Magnífico.


     Por Marcus Vinícius R. Pacheco

    Abaixo, a imagem da antiga sessão que o filme pertencia.

    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    • Comente com o Google

    1 comentários:

    Item Reviewed: INTERSTELAR (2014) - FILM REVIEW Rating: 5 Reviewed By: TUDO SOBRE SEU FILME
    Scroll to Top